10 clichês sobre riqueza

Dez clichês sobre riqueza
por Patrick Viveret. Escritor, filósofo, autor do relatório ministerial “Reconsiderando a riqueza” (disponível abaixo)

A riqueza de um país não é o que acreditamos, e principalmente não o que medimos ... Patrick Viveret analisa 10 ideias recebidas sobre riqueza ... É sobre dinheiro, terceiro setor, economia doméstica, ecologia ...

1. O PIB é um bom indicador da riqueza criada

De vaca louca a Erika, da tempestade de dezembro de 1999 a acidentes de viação ou a explosão da fábrica da AZF em Toulouse: todos esses desastres são bênçãos para o nosso produto interno bruto! As centenas de bilhões de francos que custam à comunidade não são contadas como destruição, mas como criação de riqueza: quando você precisa pagar aos proprietários de garagem para consertar carros danificados, os fabricantes de cimento para queimar farinhas de animais ou médicos para tratar as vítimas da poluição, os valores agregados monetários são registrados nas contas. Isso contribui para inflar o PIB (produto interno bruto).

2. Somente empresas produzem riqueza

Nosso sistema econômico baseia-se na estrita separação entre, por um lado, empresas consideradas como únicas produtoras de riqueza e, por outro, atividades sociais e ecológicas financiadas por essa riqueza. Tal mito condena as associações a implorar seus meios de subsistência do Estado ou a procurá-las no mercado, pela falta de recursos diretamente ligados à riqueza social que eles ajudam a criar ou preservar. Em termos de contas nacionais, as associações contribuem para a redução do PIB desenvolvendo atividades voluntárias e não remuneradas. Esse sistema perverso torna os serviços públicos um setor constantemente suspeito de parasitismo.

3. Os indicadores de produtividade da era industrial ainda são válidos

Temos ferramentas de medição de produtividade forjadas para promover o crescimento de materiais de natureza industrial. Estes acabam sendo amplamente contraproducentes quando se trata de enfrentar os três maiores desafios do futuro: entrar na era da informação, questões ecológicas, o papel dos serviços relacionais (educação, saúde, etc.) em nosso desenvolvimento. Então, em termos de saúde, o que conta não é o número de consultas ao médico, mas o fato de saber se está curado ou, melhor, se evita esse ou aquele risco. No entanto, na contabilidade atual, quanto mais prevenção fazemos, mais crescimento é quebrado (já que consumimos menos medicamentos e menos horas no hospital)!

4. A moeda é usada primeiro para facilitar a troca

Leia também:  Como funciona a inflação 2

Correto, mas apenas em parte. A palavra “pagar” vem do latim pacare, que significa pacificar, e Montesquieu desenvolveu a teoria do “comércio suave” como alternativa à guerra. Mas, se o dinheiro cumpre essa função ao facilitar a troca entre parceiros, torna-se um fator de violência quando se torna a ferramenta de dominação de um capitalismo mais preocupada com a vontade de poder do que com o desejo de troca. O fato de as pessoas que desejam negociar e criar atividades não poderem fazê-lo, alegando que são insolventes, está em contradição com a teoria do dinheiro como ferramenta de troca.

5. O dinheiro continua sendo a base de qualquer sistema comercial

O sistema de troca mais universal entre os seres humanos é realmente o do tempo. Isso cumpre os papéis de unidade de conta e meio de troca tradicionalmente devolvidos ao dinheiro, tanto melhor quanto suas unidades (horas, minutos, segundos) têm a vantagem, ao contrário do dinheiro, de ser universalmente reconhecido e invariável. Em suma, o que se chama dinheiro, que na verdade é apenas "dinheiro de mercado", é apenas um caso especial de troca de tempo. Seria mais sensato dizer que "dinheiro é tempo" em vez de "tempo é dinheiro".

6. É a escassez que faz o valor real de uma boa

Leia também:  CO2 Solidaire

Definimos valor, no sentido econômico, por escassez. Mas essa intuição se torna falsa quando nega qualquer valor a bens que não são escassos, mas cuja perda seria irreparável: o ar é abundante e livre, mas seu desaparecimento condenaria a espécie humana. O que mostra que o valor de mercado é um subconjunto de um sistema de valores mais altos, cuja perda é suficiente para simular a descoberta de sua importância.

7. Os recursos planetários são insuficientes para atender a todas as necessidades

A atual guerra econômica, que nos é apresentada como ligada à lógica da escassez e da sobrevivência, situa-se em um contexto em que as necessidades básicas dos seis bilhões de seres humanos podem ser atendidas. Os números do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) falam por si: seriam necessários cerca de 10 bilhões de dólares por ano para erradicar a fome, permitir o acesso à água potável para todos, fornecer acomodações decentes e combater as grandes epidemias. Dez vezes menos do que as despesas com publicidade global!

8. A economia nasceu da necessidade de alocar recursos escassos

Na maioria dos casos, não é a escassez, mas a abundância que caracteriza a natureza: pense na abundância de espécies, de células e, em geral, na tremenda profusão do fenômeno. da vida ... Longe de a economia aparecer como atividade básica, condição de toda sobrevivência, é muito mais, desde sua reinvenção moderna no século XIX, a ideologia dominante da sociedade industrial.

Leia também:  Foco no seguro eco-responsável

9. A economia desempenha um papel central em todas as sociedades humanas

Se existe uma característica comum à maioria das civilizações, é a subordinação do trabalho, produção e, mais amplamente, a esfera econômica a atividades ou valores considerados mais fundamentais, como política, cultura, filosofia. Até Adam Smith, o pai da nossa economia política, acreditava que o verdadeiro papel da economia era, ao organizar a abundância, reunir as condições para então construir uma "república filosófica". Já Keynes considerou que a economia deve ocupar, no longo prazo, um lugar reduzido na atividade social e os economistas aceitam que seu papel não é mais importante do que o de "dentistas".

10. Não há alternativa internacionalmente sobre essas questões

A partir de hoje, podemos recorrer a uma corrente de pesquisa internacional para facilitar a transformação de nossos sistemas de representação de patrimônio. Isso é evidenciado pelos indicadores de desenvolvimento humano e pobreza elaborados pelo PNUD, os da União Europeia sobre indicadores ambientais e sociais, o recente debate sobre “responsabilidade social corporativa” e até mesmo alguns estudos do Banco Mundial e da OCDE sobre "capital social" e "capital natural". Por último e acima de tudo, as crescentes demandas da sociedade civil global estão impulsionando os atores institucionais e econômicos a atuarem sobre este tema: o encontro de Quebec para “globalizar a solidariedade”, organizado por atores da economia social e solidária, e o Forum Todos os Socialistas Mundiais de Porto Alegre colocaram a reconsideração da riqueza em sua agenda. De repente, fica difícil argumentar que a França não pode embarcar sozinha em uma estratégia de transformação para justificar a estagnação.

Saiba mais?
- Baixe o relatório ministerial "Reconsiderando a riqueza"
- Quem ganha dinheiro?

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *