A 4ª revolução: para a autonomia energética. Documentário Arte Thema: energia de forma diferente

Em maio do 2011, a Arte transmitia um Tema "Energia diferente" dos quais aqui está o vídeo do relatório principal: “A quarta revolução: rumo à autonomia energética”.

Documentário muito completo e muito interessante pelas palavras de certos protagonistas sobre o jogo da energia fóssil e suas alternativas.

Documentário para ver ou revisar.

mais:
- Veja o resto do vídeo
- Debate sobre o Thema: energia de forma diferente
- Arte.tv página de Thema

A quarta revolução: para autonomia energética

Documentário de Carl-A. Fechner (Alemanha, 2010, 1h22mn)

Indo além dos alertas pessimistas sobre as mudanças climáticas, este documentário mostra que soluções são possíveis para a mudança para energias renováveis ​​nos próximos trinta anos. Em várias regiões do planeta, o filme vai ao encontro de pessoas que, em várias capacidades, estão a conduzir ações concretas para viabilizar o abandono dos combustíveis fósseis e da energia nuclear e a passagem para as energias renováveis. Um empresário explica, por exemplo, como você pode projetar um prédio de escritórios que custa apenas dois euros por ano por m² de gasto de energia. Carros elétricos, painéis solares, turbinas eólicas, turbinas a biogás, essas técnicas já têm aplicações práticas e eficientes. E os problemas de armazenamento ou troca de energia serão cada vez melhor resolvidos, asseguram especialistas como Hermann Scheer, deputado alemão, ganhador do Prêmio Nobel alternativo de 1999 e autor entre outros de “Autonomia energética” (Actes Sud, 2007) .

Leia também:  Cerin e filtro de partículas

Ansioso para dar a palavra a todos, o diretor deste filme - que fez mais entradas na Alemanha na 2010 na categoria documentário - também recebeu a opinião de Fatih Birol, economista-chefe da Agência. International Energy, com sede em Paris. Para ele, os defensores das energias renováveis ​​são ingênuos. Por suas palavras, a maioria mostra ainda que está plenamente ciente das questões não ecológicas de seus projetos e sabe que a oposição dos principais grupos energéticos internacionais será feroz. Mais do que nunca, é claro que a "quarta revolução" será política e só acontecerá se realmente a quisermos.


As seguintes partes estão disponíveis aqui

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *