Cânhamo, um biomaterial do futuro

Cânhamo: uma matéria-prima com custo reduzido e que respeita o meio ambiente

As fibras naturais há muito são usadas com sucesso em materiais de construção e isolamento, mas também são usadas para reforçar materiais compostos para a aeronáutica e automóveis. Pesquisadores do Instituto Leibniz de Engenharia Agrícola em Potsdam-Bornim (ATB), bem como da Universidade Técnica (TU) de Dresden, desejam desenvolver e patentear processos de processamento de cânhamo com alta eficiência energética e baixo custo. Em 26 de março de 2007, uma planta piloto foi colocada em operação em Potsdam.

Com a nova instalação, o objetivo é mostrar que é possível reduzir pela metade o custo do processamento do cânhamo agrícola em relação aos processos usuais. Para isso, não é mais a planta inteira que é seca ao ar após o corte, mas é esmagada na hora da colheita, depois armazenada em silos para depois ser transformada em diversos subprodutos.

Leia também:  diéster de biodiesel em TF1

O cânhamo pode complementar, até um terço, outras matérias-primas fibrosas (madeira, palha, etc.). Assim, ao adicionar 1100 toneladas de cânhamo (150 hectares de cultivo) a 5000 toneladas de outras fibras naturais, obtemos um isolamento de 170.000 metros quadrados, com 10 cm de espessura. Outra vantagem: a planta inteira pode ser aproveitada, não há desperdício. Por outro lado, o fabrico de isolamento a partir de fibras naturais consome muito menos energia do que o de outros materiais de isolamento. Além disso, como o produto acabado é mais leve, o transporte exigirá menos combustível. Por fim, essa tecnologia abre caminho para uma nova fonte de renda para a agricultura, pois a produção e o processamento do cânhamo podem ser realizados de forma descentralizada no meio rural.

Esta instalação piloto foi financiada com € 1 milhão pela UE. O governo alemão e o Land de Brandemburgo também participaram com um investimento de 172.000 euros cada.

Leia também:  Agricultura e energia

Fonte: BE Alemanha

Picadas de cânhamo no mercado de plásticos

O cânhamo, tradicionalmente utilizado na fabricação de papel ou cama animal, é cada vez mais encontrado na construção civil ou na indústria de plásticos. Está gradualmente substituindo os plásticos tradicionais, graças a uma estrutura montada por Chanvrière de l'Aube, o primeiro produtor europeu.

Fibers, Recherche, Développement (FRD), criada no início de 2008 no tecnopólo de Troyes, é uma empresa de investigação que se dedica à valorização de agro-materiais de fibras vegetais (cânhamo, linho, madeira, etc.).

Tem como objetivo ser o intermediário científico entre os produtores de cânhamo e a indústria.

Nos últimos anos, a construção civil reconheceu as virtudes da planta: por um lado, a fibra transformada em lã de cânhamo tem atraído visitantes com a sua capacidade de isolamento térmico e acústico; por outro lado, chènevotte, misturado com cal, produz concreto leve que também é muito isolante e tem uma pegada de carbono muito mais favorável do que o concreto tradicional.

Leia também:  Biocombustíveis em TF1

Mas é na indústria de plásticos que o futuro está tecendo para o cânhamo. A injeção de fibras em materiais termoplásticos e termoendurecíveis para substituir a fibra de vidro está se desenvolvendo cada vez mais, principalmente na indústria automotiva. Quase 30% de fibras vegetais nas hélices de resfriamento, telas traseiras, tampas de tanques de expansão ou suportes de bateria os tornam, para desempenho igual, mais leves e, portanto, mais eficientes em termos de energia e muito mais facilmente recicláveis.

De acordo com o Sr. Savourat, presidente da FRD e Chanvrière de l'Aube, muitas outras aplicações, principalmente na aeronáutica, conectores ou materiais esportivos são esperadas.

Fonte: Romandie.com

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *