Alemanha: abandonando o apoio aos biocombustíveis da 2008

Abandono do enorme projeto de desenvolvimento de biocombustíveis na Alemanha

Em 4 de abril de 2008, a Alemanha teve que abrir mão de um dos pilares de sua política ambiental: o desenvolvimento massivo de biocombustíveis. “Juntos, subestimamos os problemas”, admitiu o ministro federal do Meio Ambiente, Sigmar Gabriel. Uma confissão que condena o E10, o novo combustível que Berlin queria impor a partir do ano que vem e que deveria conter 10% de etanol incorporado na gasolina convencional.

O motivo apresentado é técnico: a mistura, mais corrosiva do que o combustível convencional, correria o risco de desgastar algumas peças do motor muito rapidamente e seria inadequada para veículos mais antigos. Segundo estimativa da federação dos importadores VDIK, cerca de 3,3 milhões de veículos não poderiam rodar com a nova mistura de bioetanol e gasolina convencional. Porém, o senhor Gabriel já havia avisado que abandonaria o projeto se o número de veículos inadequados ultrapassasse um milhão.

Leia também:  Converta CO2 (+ água + eletricidade) em combustível etanol por catálise "nano-espiga"!

Os motoristas que não puderam colocar o E10 em seu tanque teriam que recorrer ao Super-Plus, um combustível mais caro. Assim, o clube dos motoristas ADAC recusou o custo adicional causado pelo E10. Políticos de todos os matizes se uniram a essa frente de oposição e os próprios ambientalistas denunciaram os métodos de cultivo de colza ou soja destinados à produção de agrocombustíveis, concorrendo assim com a indústria agroalimentar. .

E para Christian Hey, secretário-geral do Escritório Federal do Meio Ambiente (UBA), para acrescentar: “Os biocombustíveis representam um perigo para a biodiversidade, eles impõem uma pressão massiva sobre a floresta tropical e destroem os sensores de gás natural. efeito estufa contido em solos não cultivados ”.

Após o anúncio do abandono do projeto, o Sr. Gabriel continuou apesar de tudo a defender a sua ambiciosa estratégia de redução das emissões de CO2 (-40% em 2020 em comparação com 1990), declarando que o objetivo continuava a ser alcançável se :
- a participação da eletricidade renovável foi aumentada para 30% até 2020 (contra uma meta anunciada de 25 a 30% no plano energia-clima),
- foi apoiado o desenvolvimento de biocombustíveis de segunda geração.

No entanto, o abandono do projeto não é sem consequências. Os biocombustíveis devem permitir que a indústria automotiva atinja a meta de 120 gCO2 / km definida pela Comissão Europeia. Os fabricantes agora terão que encontrar "outras medidas técnicas".

Leia também:  Bioetanol: FAQ

Fonte: BE Alemanha

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *