As bolsas de carbono

Quando o dióxido de carbono é vendido pela tonelada

Antes do final do ano, as empresas da União Européia poderão negociar seus “direitos de poluir” na European Climate Exchange, uma nova bolsa de carbono.

Se as forças de mercado e o meio ambiente raramente andam de mãos dadas, um novo projeto, lançado em 7 de setembro, pode reconciliá-los. A European Climate Exchange (ECX), subsidiária da Chicago Climate Exchange (CCX), que celebrou um acordo de cooperação com a International Petroleum Exchange (IPE) em Londres, permitirá que empresas europeias negociem créditos de emissão de gás em efeito estufa. Essa nova bolsa de valores foi criada sob pressão regulatória. Porque, em janeiro próximo, a União Européia vai aplicar novas regras com o objetivo de reduzir as emissões de dióxido de carbono, uma das causas do aquecimento global. As empresas dos 25 Estados-Membros serão autorizadas a emitir uma determinada quantidade. Se forem excedidos, terão a possibilidade de comprar créditos de empresas que não tenham atingido suas cotas. A ECX espera permitir a negociação de contratos futuros de créditos de emissão até o final do ano, com produtos à vista logo em seguida. Já existem mecanismos desse tipo, em outra forma. Assim, nove corretoras facilitam as transações de balcão. Uma delas, a Evolution Markets, estima que o volume comercializado aumentou de 000 toneladas de dióxido de carbono em janeiro para 600 em julho. Além disso, algumas empresas negociam diretamente entre si. Mas esses números devem ser contextualizados: só a Alemanha, por exemplo, produz mais de 000 milhões de toneladas por ano. “Estamos apenas começando a ter um mercado suficientemente líquido”, comenta Stian Reklev, da Point Carbon, uma empresa norueguesa de análises.

Leia também:  Bancário e definições financeiras

Os mercados de futuros pode confundir os novatos

Os Estados Unidos, onde a CCX iniciou suas atividades no ano passado, parecem ter ficado para trás. Apesar da intervenção de algumas empresas de prestígio (notadamente Ford, IBM e Dow Corning), o volume de comércio continua modesto, para um país que sem dúvida emite um quarto dos gases de efeito estufa no mundo. Se os vendedores são numerosos, os compradores são muito mais raros, pelo que 1 tonelada de CO2 é comercializada à volta de 1 dólar, contra 10 dólares [8,50 euros] na Europa. Isso ocorre porque o mercado dos EUA não foi estimulado pela regulamentação. Os Estados Unidos, que ao contrário do Velho Continente não ratificaram o Protocolo de Kyoto sobre mudanças climáticas, não obriga as empresas a limitar suas emissões. No entanto, o CCX parece apostar na evolução da situação. Na verdade, nove estados do nordeste do país estão considerando um sistema de mercado fechado denominado cap and trade comparável ao estabelecido pelos europeus. O CCX também está anunciando o próximo início do comércio de emissões de dióxido de enxofre, que causa chuva ácida. Mas, no momento, a CCX tem grandes esperanças para sua nova subsidiária europeia. O volume de negociação na ECX e em outros lugares deve aumentar assim que o sistema iniciar. Em 2007, estima Reklev, as transações de direitos de emissão chegarão a 10 bilhões de euros, contra 65 milhões neste ano. Mas as dificuldades são esperadas. De fato, muitos participantes serão novos neste campo: embora as empresas de energia tenham uma longa história de hedge na PEI London e em outras bolsas, outras podem ter dificuldade em encontrar seu caminho. familiarizado com a negociação de futuros. O ECX também enfrentará forte concorrência. Corretores como a Evolution Markets, já presentes no mercado, pretendem defender seu território. Outras bolsas também estão planejando entrar na briga. Assim, a European Energy Exchange de Leipzig, especializada em eletricidade, anuncia a criação em poucos meses de um cash market para as emissões de CO2. Nord Pool, o mercado nórdico de eletricidade e a Bolsa de Energia austríaca têm projetos semelhantes. Resta saber se haverá lugar para todos ...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *