Com um balanço positivo da 2005, a campanha de economia de energia continuará na 2006

Dois anos após o lançamento da campanha para economizar energia "se apresse, esquente", os franceses dizem que mudaram seu comportamento diário. Vamos apostar que as ações estão no auge das palavras.

Devido ao seu consumo de energia para habitação e transporte, as famílias são diretamente responsáveis ​​por quase metade das emissões totais de CO2 na França. Por isso, a ADEME lançou, em maio do 2004, a campanha nacional de mobilização "Economize energia, vamos depressa, esquenta! Sobre economia de energia e aquecimento global a pedido do governo e dos Ministérios da Indústria (MINEFI) e Ecologia e Desenvolvimento Sustentável (MEDD).

Enquanto o primeiro ano da campanha foi dedicado à conscientização sobre o efeito estufa, sua origem, suas conseqüências e seu vínculo com o consumo de energia e as ações diárias, o ano 2005 incentivou os franceses a se mudarem para o país. ato. Apoiados por um contexto favorável com preços crescentes de combustíveis fósseis e eventos climáticos extremos, duas grandes alavancas ajudaram a mobilizar os franceses em torno da economia de energia: a continuação da campanha de informação na mídia e o crédito de Imposto reforçado antecipadamente 2005 para os equipamentos com maior eficiência energética. Dois anos após o início da campanha, a avaliação é considerada satisfatória, mesmo que ainda seja difícil quantificar em termos de quantidade de energia e redução das emissões de gases de efeito estufa.

Leia também:  A seita da econologia em Degrowth

Leia mais

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *