O bacilo Perfringens na origem do petróleo

Doutor Jean LAIGRET descobre a origem do petróleo

L'Alger Républicain de 28 de agosto de 1947, texto reproduzido na íntegra. Para ler o artigo original, clique na imagem.

alger de laigret de óleo

O micróbio A 5029 que causa a fermentação dos ácidos graxos produz petróleo.

Sob a pena do Sr. André Cohen-Hadria, nosso colega da Tunisia Press comenta essa descoberta cujas consequências podem ser imensas.

Sabíamos que no Institut Pasteur de Tunis existem cientistas cujo trabalho sempre resultou em descobertas de interesse mundial.

Também sabíamos que esses eminentes estudiosos pastorais e, além disso, discípulos e colaboradores do grande Charles Nicolle, animados pelo mesmo desejo de "encontrar", realizavam pesquisas nos mais diversos campos científicos.

Há duas semanas, o professor Georges Bertrand, membro da Academia de Ciências, apresentou a seus colegas uma nota do doutor Jean Laigret, do Institut Pasteur de Tunis.

Esta nota reporta alguns trabalhos que levaram à descoberta de um micróbio muito específico, um micróbio do solo, que tem a propriedade - até agora desconhecida - de transformar matéria orgânica em hidrocarbonetos.

Os experimentos realizados pelo Dr. Jean Laigret continuaram por dois anos e resultaram apenas na produção do carboneto mais simples, o gás metano.

O resultado obtido, porém, derrubou todas as teorias sobre a origem do metano que até então se acreditava ser decorrente da decomposição da celulose nas plantas. Além disso, a natureza, acrescentava-se, precisava de toda uma série de intervenções microbianas mais ou menos complexas para conseguir essa transformação da celulose em gás.

Ao contrário, o trabalho do Dr. Laigret mostrou que a celulose nada tinha a ver com a produção de metano e que era uma verdadeira fermentação do que chamamos de ácidos graxos. É importante ressaltar que um único micróbio, em cultura pura, é capaz de produzir a fermentação do metano. É a cepa A 5029 do bacillus perfringens.

Assim, é possível produzir em laboratório quantidades consideráveis ​​de um gás combustível muito bom, com todas as propriedades de um gás luminoso, com menor toxicidade, já que o metano é absolutamente isento de monóxido de carbono.

Foi em 24 de setembro de 1945 que os resultados deste trabalho foram comunicados à Academia de Ciências.

Leia também:  projeto avançado cronologia e Laigret

Nós descobrimos a origem do óleo

origens do petróleo

A pesquisa estava lá, quando uma série de deduções deu ao Dr. Laigret a garantia de que o mesmo micróbio produzia o óleo. Onde o metano é encontrado, pode não haver petróleo, mas sempre que o petróleo é encontrado, o metano é encontrado nas proximidades.

Nosso cientista então empreendeu novos experimentos, nas mesmas condições, com o mesmo micróbio, mas conduzido para um ácido graxo superior, para o ácido oleico mais importante de todas as gorduras vegetais e animais.

O doutor Laigret usou então simplesmente como matéria-prima o azeite ou melhor, o sabão comum preparado com azeite.

Por que o Dr. Laigret prefere sabonete? Porque essa gordura é solúvel, enquanto o óleo, imiscível com água, não pode ser fermentado facilmente pelo micróbio. Nessas condições, não se formou mais metano, mas apareceu na superfície do meio fermentado um líquido imiscível em água, bastante escuro, quase preto, com reflexo âmbar.

Este líquido foi considerado combustível.

Era 13 de junho. Um mês depois, no dia 13 de julho, assim que os experimentos laboratoriais conseguiram produzir quantidade suficiente, uma amostra do líquido foi enviada ao serviço de mineração, onde o Sr. Jouin, engenheiro, chefe do laboratório, gentilmente realizou o análise, teste para o qual tem maior competência, pois é ele quem dirige todas as análises de pesquisa de petróleo. O exame confirmou as hipóteses do Dr. Laigret: o líquido obtido era o petróleo, com todas as características da extração do petróleo bruto.

Este óleo passa a fornecer por destilação, gasolinas a partir de uma temperatura de 163 ° com uma fração máxima passando para 300 °.

Leia também:  Oil Laigret: definições léxico e bioquímicos

Todas essas características permitiram, portanto, classificar o líquido na categoria do que é chamado na indústria do petróleo, um gasóleo.

Os experimentos foram continuados no Instituto Pasteur de Tunis em cinco frascos diferentes que deram os mesmos resultados e que atualmente funcionam “continuamente” adicionando sabão diariamente.

Um grama de sabão fornece regularmente 1 cm3 de óleo, aproximadamente, por dia.

O mistério é esclarecido

O Dr. Laigret, por meio de seus experimentos, deu um passo considerável à ciência: ele esclareceu o mistério da origem do petróleo. Até agora, de todas as hipóteses levantadas sobre a formação de petróleo no solo, nenhuma se mostrou satisfatória e, sobretudo, nenhuma foi objeto de esquema de confirmação experimental.

Portanto, é demonstrado que o petróleo é o produto da fermentação microbiana. Assim como certos micróbios, leveduras por exemplo, fazem o álcool, ou o vinagre do fermento acético, existe um micróbio, o fermento do petróleo, que transforma a gordura em hidrocarbonetos.

Essa transformação foi feita e continua sendo feita em laboratório.

Coisa surpreendente - e aí está um dos interesses da descoberta - a fermentação que gera o petróleo é rápida, tão rápida quanto a que produz o álcool: uma vez iniciada após alguns dias, a fermentação do sabão se dá em 24 horas e regularmente, a quantidade de óleo bruto correspondente ao sabão introduzido no tanque.

É fundamental salientar, além disso, que o trabalho do Dr. Laigret não tem relação com a produção de óleo sintético na Alemanha. Os alemães, quanto a eles, partiram do monóxido de carbono, acreditamos, para obter hidrocarbonetos por meio de reações químicas.

O escopo desta descoberta

As consequências da descoberta do Dr. Laigret são duplas; eles são, por um lado, doutrinais e, por outro, práticos. Do ponto de vista doutrinário, o trabalho do Dr. Laigret é uma consequência distante, mas direta das descobertas de Pasteur.

Esta é uma nova página que se junta ao trabalho do grande cientista francês sobre o papel dos micróbios na fermentação.

Certamente estava longe de prever que um dia os óleos entrariam na categoria de produtos naturais resultantes da fermentação bacteriana.

Leia também:  Petróleo orgânico Laigret?

No plano prático, isto é, econômico, a descoberta promete ser suscetível, mais cedo ou mais tarde, de aplicações cujo interesse nacional não escapará a ninguém. É por isso que o Dr. Laigret, quando o fomos incomodá-lo em seu escritório no Institut Pasteur, foi muito discreto em muitos pontos de sua experiência.

Pode-se dizer, porém, que seu trabalho, após alguns ajustes necessários, facilitará principalmente a prospecção de petróleo. É óbvio que as pesquisas trazendo amostras de solos onde o micróbio do petróleo não pode ser detectado serão pesquisas quase malsucedidas: da mesma forma, os solos que contêm produtos químicos - e em particular sais - que são oposta à fermentação geradora de petróleo.

A grande questão será principalmente produzir, em quantidades industriais, o óleo de fermentação. Mas essa produção em larga escala depende da disponibilidade de gorduras vegetais ou animais.

Será então uma questão de encontrar gorduras, ao melhor preço possível, e, tanto quanto possível, gorduras que não entrem no abastecimento de populações já severamente tensas.

Nesse sentido, será que o decreto que proíbe o cultivo de soja na Tunísia permitirá a extensão da nova indústria na Tunísia?

É claro que novos trabalhos serão necessários antes de pensarmos nas aplicações práticas, em grande escala, da descoberta do Dr. Laigret. Será, portanto, uma questão de provocar uma estreita colaboração entre químicos e bacteriologistas que criará uma indústria de óleos de fermentação.

Longe vão as intrigas entre as nações para manter os poços de ouro negro. Nações em desvantagem por natureza serão capazes de produzir seu próprio petróleo. E compreendemos todo o interesse oferecido à França pela descoberta que hoje devemos ao Doutor Jean Laigret, do Instituto Pasteur de Túnis. AC

mais:

- Um artigo de S&V de 1949: Biomassa e óleo sintético, trabalhar Laigret
- Apresentação de projeto Laigret
- Tópico sobre forums: de óleo renovável e verde da Laigret
- Documentação de óleo Laigret

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *