Bélgica: os biocombustíveis na Flandres nos transportes públicos?

VITO estuda o impacto ambiental dos biocombustíveis para transporte público e veículos de serviço na Flandres

A pedido do Departamento de Ambiente, Natureza e Energia das autoridades flamengas, o VITO (Vlaamse Instelling voor Technologisch Onderzoek) analisou o consumo e a emissão de três tipos de viaturas de serviço a gasolina. óleo vegetal puro (HVP) em comparação com veículos movidos a biodiesel B5 e diesel.

Para os dois veículos leves, a alternativa do HVP é mais respeitosa com o meio ambiente. O HVP gera menos CO2 e seu uso resulta em uma redução considerável na emissão de particulados. Apesar disso, a emissão de óxidos de nitrogênio (NOx) permanece alta. A taxa de monóxido de carbono e hidrocarbonetos é variável, mas é muito inferior às normas europeias em vigor. O 3º veículo tipo 4 × 4 que utiliza biocombustível apresenta um balanço ambiental bastante negativo, o que provavelmente se deve ao sistema de injeção de combustível. Para todos os três veículos, VITO mediu um alto consumo (até um adicional de 15%) de biocombustíveis em comparação com o diesel.

Leia também:  Biogás, nova tecnologia Biomassa em Gás

O mesmo tipo de estudo foi realizado para os autocarros da empresa de transportes flamenga De Lijn. O consumo e as emissões de gases de efeito estufa de veículos que utilizam HVP, diesel, biodiesel e diversas misturas de biodiesel, respectivamente, foram comparados na mesma viagem. Assim como em outros veículos, houve um consumo excedente de 15% para biocombustíveis.

O uso de biodiesel resulta em emissões de CO2 significativamente mais baixas do que o diesel. Em termos de emissão de hidrocarbonetos e partículas, os biocombustíveis respeitam mais o meio ambiente. Os cientistas também descobriram emissões mais altas de óxidos de nitrogênio para o diesel em comparação com os biocombustíveis. Este resultado se opõe às medições anteriores já realizadas pelo VITO.

Há alguns anos, De Lijn converteu alguns treinadores para operá-los com HPV. Este estudo deve concluir sobre o benefício ambiental da mudança para biocombustível em todos os ônibus De Lijn. Em maio de 2008, a ministra Kathleen Van Brempt suspendeu o uso de biocombustíveis para os ônibus De Lijn após a crescente controvérsia sobre o impacto ambiental do biodiesel. Ela disse que “os biocombustíveis só serão reintroduzidos quando for comprovado que sua produção respeita o meio ambiente e ajudam no combate às emissões de gases de efeito estufa”.

HVP é um termo genérico para óleos provenientes de sementes que contêm óleo como a colza. Este óleo é extraído a frio das sementes, filtrado e está pronto para ser usado sem processamento adicional. O HVP pode ser usado como combustível para carros, caminhões, tratores e navios. Deve ser pré-aquecido antes do uso, esse pré-aquecimento é feito em um kit de conversão que permite que um motor diesel funcione com HVP. Na maioria das vezes, o biodiesel é misturado ao diesel fóssil, por exemplo, o biodiesel B5 contém 5% de biocombustível.

Leia também:  2th Generation Ethanol: Conversão de Celulose em Açúcares

VITO, o instituto tecnológico flamengo, desenvolve tecnologias sustentáveis ​​no domínio da energia, ambiente e materiais para o setor público e privado. Oferece soluções inovadoras para aumentar a competitividade das empresas e exerce habilidades de assessoria ao governo e às indústrias no estabelecimento de sua política estratégica. Seus interesses de pesquisa incluem tecnologias automotivas e de combustível, toxicologia ambiental, sensoriamento remoto e observação da Terra. Proteger o meio ambiente, controlar os efeitos das mudanças climáticas e promover o uso racional de energia e matérias-primas são a essência de todos os projetos do instituto.

mais: Vito.be et forum biocombustíveis

Fonte: BE Bélgica

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *