BioRafinerie: substitua o óleo por madeira?

Os governos da Europa, América do Norte e Ásia subscrevem uma política energética que integra o desenvolvimento de biocombustíveis e bioenergia.
Por causa de suas florestas, a Colúmbia Britânica possui um importante ativo para a produção de biocombustíveis à base de madeira. A University of British Columbia (UCB), portanto, tem um centro de pesquisa de energia limpa dentro de seu corpo docente de ciências aplicadas. Este centro está desenvolvendo um processo de desenvolvimento de biocombustíveis e compostos químicos à base de madeira. Do ponto de vista técnico, as plataformas de produção de biocombustíveis existem, mas ainda precisam ser aprimoradas e comparadas em sua eficiência para a fabricação de produtos de valor agregado. Seria necessário criar “biorrefinarias” que convertessem a biomassa em múltiplos produtos distribuídos em fibras, energia e diversos produtos químicos (desde polímeros até celulose). O princípio de conversão de biomassa em etanol é dividido em três estágios, cada um produzindo um composto necessário para o próximo estágio e um produto diretamente explorável. Assim, a primeira etapa produz lignina e celulose, a segunda de açúcares que, ao fermentar, produzem etanol na terceira etapa. Lignina, açúcares e etanol são produtos diretamente utilizáveis.

Leia também:  Cientistas desenvolvem estratégias para usar dióxido de carbono

O conceito de "biorrefinaria" é ideal do ponto de vista económico e ambiental, utilizando todos os componentes da madeira. Assim, a exploração de apenas 25% da madeira infectada pelo besouro do pinheiro, um inseto praga, poderia cobrir as necessidades de gasolina da Colúmbia Britânica por cinco a dez anos. O dano causado pelo besouro diminui o valor de mercado da floresta. Além disso, a madeira morta acumulada aumenta muito o risco de um grande incêndio. O desenvolvimento da bioenergia poderia conter esse fenômeno ao justificar os custos de corte e reflorestamento, melhorando o manejo florestal.

Fontes: ádito et Econologique.info

mais: liquefação de biomassa por CEA.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *