Bonus-malus: a medida carro-chefe não lança muita luz.

Anunciada em 26 de junho, a medida “bonus-malus” do Plano Climático de 2004 era taxar os carros mais poluentes e encorajar os franceses a comprar carros menos econômicos. "Vamos abotoar os quatro grandes de nossas cidades!" Foi o grito de guerra de todos os meios de comunicação.

Não demorou muito para que os lobbies convocassem os ingênuos que acreditavam no protocolo de Kyoto. Eles não haviam entendido que isso é um baile de máscaras, um frenesi. Que se trata de facto de encontrar medidas menores, mas que são muito caras para impressionar.
Mas esse erro foi corrigido: o plano que será apresentado ao parlamento é uma pequena joia desse tipo. Faturado 90 milhões de euros (para o primeiro ano), irá:
- colocar lindas “etiquetas energéticas” (do tipo que já se encontra em eletrodomésticos) em veículos, residências e ar condicionado.
- promover o cumprimento do limite de velocidade (mas não baixá-lo para 120 km / h na auto-estrada como foi planeado).
-para oferecer treinamento em direção suave aos novos motoristas (pode-se imaginar as repercussões ...).
-Lançar um estudo sobre o impacto do transporte aéreo (come pão e ocupa).
-aumentar o crédito tributário de quem opta por equipamentos econômicos (que passa a ser pago pela comunidade em vez de buscar baratear custos e aumentar desempenho).

Leia também:  Globalização: danos colaterais

Conclusão: esperado.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *