Palestra do Dr. Laigret e figuras conversão biológica

Artigo sobre a conferência de imprensa do Dr. Laigret em abril de 1949 no Institut Pasteur em Tunis.

O formato original (digitalizado) deste artigo não está disponível, é simplesmente a transcrição completa. Este artigo contém algumas figuras de conversão interessantes pelo processo de Laigret (ação biológica de um bacilo de Perfringens)

O Doutor Laigret está finalizando sua pesquisa sobre a produção de petróleo (por) fermentação de matéria orgânica no Instituto Pasteur

A estação de tratamento de esgoto ou o Lago Tunis algum dia produzirão óleo e gás?

Após uma revelação sensacional feita pela "Tunísia agrícola" em 1947, todos os jornais locais e alguns jornais metropolitanos divulgaram a notícia de que um cientista que trabalhava no Instituto Pasteur de Túnis, Doutor Laigret, já conhecido por o trabalho que deu origem à vacina contra a febre amarela (1934) acabava de obter óleo em laboratório por meio da fermentação de óleos e sabões.

A pedido do doutor Laigret, a quem demasiada publicidade só poderia atrapalhar as suas pesquisas, o silêncio caiu sobre as suas experiências de pacientes, cujo considerável interesse não escapou a ninguém. A ordem de silêncio foi suspensa ontem, embora um jornal local acreditasse que poderia quebrar essa ordem pouco antes, que uma preocupação elementar de correção exigia que todos respeitassem.

Com efeito, o doutor Laigret reuniu em seu laboratório os representantes da imprensa que já haviam se interessado por seu trabalho e lhes fez uma declaração especificando as condições e as prováveis ​​conseqüências de seus estudos. Aqui está o texto dessa declaração:

“A imprensa tunisina foi a primeira a anunciar, há cerca de um ano e meio, o que acabava de ser demonstrado em um laboratório do Instituto Pasteur de Túnis: que os óleos são produzidos por fermentação microbiana. Foi descoberto o micróbio que provoca a fermentação do "petróleo", esta fermentação foi reproduzida; Os hidrocarbonetos foram criados, não por síntese química, mas pelo próprio processo que a natureza emprega para constituir os depósitos dos quais a indústria extrai os combustíveis essenciais à vida moderna.

O fato importante era, portanto, o conhecimento do fenômeno biológico que gera os óleos naturais. As repercussões que tal aquisição provavelmente teria no campo prático, ainda era impossível, na época, prever. Não se podia imaginá-los sem uma certa vertigem, nem também sem certas dúvidas.

Com efeito, os primeiros óleos obtidos em laboratório tinham sido obtidos pela fermentação do azeite: um produto caro e raro, que devia ser reservado para a alimentação e para o qual não se tratava de fazer essências industrialmente. motores. Os demais óleos vegetais estudados posteriormente, óleo de amendoim e óleo de linhaça, forneceram os mesmos resultados, interessantes do ponto de vista doutrinário, mas sem alcance mais preciso no plano industrial.

Os primeiros resultados dignos de serem retidos para a prática relacionam-se a um óleo pouco conhecido: o óleo de Jatropha. Sua fermentação foi estudada por conselho de um engenheiro francês da África Ocidental, o Sr. François. Jatropha é um tipo de planta de óleo de rícino que cresce selvagem no Sudão. Seu óleo é tóxico, portanto não comestível; ela ainda não encontrou um emprego definitivo na indústria. Tem se mostrado muito interessante em nossos testes de fermentação de carboneto: 80% do peso deste óleo pode ser transformado em carbonetos.

Leia também:  Bioquímica Definições e glossário HZ

Em seguida, foram feitos testes com resíduos de azeite, com essa borra preta que se deposita nos tanques, que é chamada de “fundo de bateria”, e que é imprópria para consumo. Os rendimentos foram iguais aos de óleo de boa qualidade.

O estudo assim orientado era a continuação de toda uma série de desperdícios alimentares: restos de carne de talho, os detritos diversos mais comuns, as cascas de laranja por exemplo. As cascas de laranja submetidas à ação do fermento de petróleo fornecem cerca de 38% do seu peso de carbonetos: resíduos de carne 47%.

O estrume, do qual apenas gás metano foi extraído como carboneto até agora, forneceu carbonetos líquidos. Isso tem uma importância para a agricultura que não precisa ser enfatizada.

Por fim, uma constatação que vai além de todas as outras, extraímos quantidades significativas de óleo do lodo de esgoto. Os experimentos foram feitos com lodo de esgoto de Túnis. Este lodo, apesar de tudo que contém areia, cascalho, várias impurezas não fermentáveis, no entanto fornecido, tudo vindo de 15% do seu peso de petróleo bruto.

Em suma, envolveu-se todo ou quase todo o desperdício de vida humana, animal e vegetal, que passam ao estado de carbonetos sob o efeito de uma fermentação adequadamente realizada e racionalmente explorada.

Nada pode ser dito sobre as técnicas que usamos. A questão é tão importante para a economia e a defesa nacional que nenhuma indiscrição é permitida. Podemos anunciar que os ajustes estão feitos, que as pesquisas do laboratório estão encerradas. Podemos acrescentar que a priori, uma vez montadas as instalações, o preço de custo do óleo de fermentação será o do óleo natural menos os custos de perfuração; mas todos sabem que hoje os gastos que precedem a exploração de um poço são consideráveis.

Ou seja, vamos ter na própria superfície do solo o óleo que até agora a natureza só produziu em profundidade e que buscaremos com uma máquina rotativa até três mil metros. Teremos esse petróleo na França e nos territórios franceses ultramarinos. É, portanto, com toda certeza, uma grande revolução econômica, e também militar, não esqueçamos, que está chegando. Queria que o público tunisino fosse o primeiro a saber disso. "

Rendimentos de hidrocarbonetos de vários produtos

O Doutor Laigret deu detalhes sobre os rendimentos de hidrocarbonetos que obteve fermentando vários produtos em seu laboratório.

De acordo com seus cálculos, os óleos vegetais têm rendimentos substancialmente iguais, independentemente desses óleos. Eles fornecem 800 litros de petróleo bruto e 200 m3 de gás combustível por tonelada processada.

Resíduos de carne de cozinha fornecem 450 litros de óleo cru e 146 m3 de gás por tonelada. As cascas de laranja e limão secas fornecem 187 litros de óleo bruto e 300 m3 de gás por tonelada (neste caso, o rendimento do gás combustível é igual ao de um carvão duro de grau superior, sendo o óleo fornecido adicionalmente ) O estrume animal (coelho em particular) forneceu 112 litros de petróleo bruto e 265 m3 de gás por tonelada.

Leia também:  Óleo de Laigret: técnica simples para o crescimento de micróbios anaeróbios

A partir de amostras colhidas nos vários níveis dos tanques de decantação dos esgotos de Tunis, conclui-se que com uma tonelada destes resíduos fermentada, obtêm-se 185 litros de petróleo bruto e 124 m3 de gás combustível. Mas deve-se notar em relação a esse volume de gás que a fermentação espontânea dos esgotos anteriormente eliminava uma quantidade desconhecida e certamente significativa de gás metano.

Os resultados dos testes em folhas mortas ainda não foram quantificados.

A composição média dos óleos crus obtidos pela fermentação de vários materiais orgânicos é sempre substancialmente a mesma e semelhante à dos óleos naturais. Em números redondos, estabelecidos de acordo com a média dos experimentos, essa composição é de 40% das gasolinas conhecidas comercialmente "turismo" e "bens pesados", 45% dos óleos pesados ​​constituindo o "gasóleo", os "óleos guel. »E graxas para motores, enquanto 5% do petróleo bruto é dissolvido em gás de craqueamento e 5% da água residual permanece fortemente amoniacal e recuperável para a fabricação de sulfatos de amônio úteis na agricultura.

Também se pode notar entre os produtos da fermentação do coque. Além disso, conduzindo essa fermentação de uma determinada forma, foi possível obter da lama um alcatrão e uma espécie de asfalto e do óleo de linhaça um piche asfáltico que deu a destilação. 56% do seu peso de petróleo, o que talvez pudesse se tornar a origem de uma forma prática de transporte dos produtos fermentados na forma sólida antes da destilação.

Finalmente, há um subproduto fora do ciclo de fermentação durante os testes em folhas mortas: uma resina que pode ser um excelente verniz.

E o Dr. Laigret terminou a sua apresentação procedendo à destilação de um breu obtido por fermentação, destilação que deu óleo cru em tubo de ensaio e metano numa jarra, metano que se acendeu e cuja chama serviu de eloquente conclusão.

Consequências científicas

De um ponto de vista puramente científico, o trabalho do doutor Laigret é obviamente de grande importância. Se, além dos métodos puramente químicos, pudemos produzir petróleo em várias ocasiões em laboratório, é do nosso conhecimento ao Dr. Laigret que vai o mérito essencial: por um lado, ter obtido este resultado com uma bactéria extremamente difundida na superfície do globo onde já se suspeitava que participava da fermentação do petróleo, por outro lado ter demonstrado que esta bactéria poderia por si mesma causar esta formação, considerando que se acreditava que a ação de várias bactérias foram (passagem ilegível) ... sendo reconstituídas em seu laboratório, senão o processo único - que ainda não se conhece - pelo menos certamente um dos processos naturais de formação do petróleo.

A ação das bactérias anaeróbias, ou seja, agindo protegida do ar e do oxigênio sobre a matéria orgânica em mares interiores pré-históricos, havia de fato sido considerada por muitos como constituindo a gênese da manchas de óleo. Os resultados obtidos pelo Dr. Laigret confirmam esta hipótese em todos os pontos, o que obviamente não exclui que outras hipóteses possam no futuro também se mostrar corretas.

Leia também:  Documentação do projeto Laigret

Consequências práticas

No campo prático, o trabalho do Dr. Laigret pode ter uma importância ainda maior.

Como ele próprio especificou em sua declaração, podemos agora considerar vários usos principais de sua descoberta: a transformação em óleo e gás, por um lado do óleo de purghère, por outro lado da lama, e, por fim, lixo, porque se entende que não pode haver a questão de se utilizar produtos comestíveis ou já utilizados pela indústria para esse fim.

O purghère - euforbiácea pai da mamona - ou pinhão ou mamona americana traz sementes cujo óleo, tóxico, às vezes entra em parte na composição de certos sabões ou é usado para fazer vernizes. Mas esse óleo é muito pouco usado, e vastas culturas de purghère, que não se sabe aliás se se aclimataria na Tunísia, adquiriram quantidades significativas de óleo.

Em relação à lama, a questão nos interessa mais diretamente, pois é bem possível que a usina de elevação de Borgel em breve esteja equipada para produzir óleo e gás por fermentação. Com efeito, a fermentação iniciada nos esgotos continuaria nos tanques de decantação. Sem a necessidade de construir tanques especiais. Tudo o que precisaria ser feito seriam as instalações de destilação e recuperação de gás metano antes e depois da fermentação.

Por último, não se deve descurar a possibilidade de tratar os resíduos domésticos de uma cidade tão grande como a de Tunis, um tratamento que seria tanto mais fácil quanto a fermentação produz melhores efeitos quando vários produtos são tratados em conjunto.

Estas são, aliás, apenas indicações simples, pois os campos em que esta nova indústria poderá operar, se for criada, serão inúmeros. Os peixes não dão cerca de 70% do seu peso em hidrocarbonetos e a lama do Lago Tunis não contém milhões de cadáveres desses peixes? O fundo da pilha do moinho de óleo, os resíduos da fábrica de conservas, tantos outros elementos considerados até então tão bons para o lixo, não podem de repente se transformar em óleo precioso?

A imaginação tem a oportunidade de dar rédea solta, esperando que a experiência nos diga o que é viável e lucrativo e o que não é.

Conclusão

Quaisquer que sejam as aplicações práticas da descoberta do Dr. Laigret no futuro, o Institut Pasteur de Tunis pode se orgulhar do trabalho deste notável cientista que homenageia a França e a Tunísia. Quando declara que terminou a sua investigação laboratorial no que diz respeito à obtenção do petróleo por fermentação, o que aliás só é parcialmente correcto, é justo prestar-lhe uma merecida homenagem.

É justo também associar ao seu nome o daqueles que, durante meses, o assistiram com grande dedicação, numa tarefa avassaladora: M. Sassi, químico, MM. Chaignet e Chedli Bougbaha, preparadores do Instituto Pasteur, além do Sr. Jouin, do laboratório de mineração, cuja ajuda foi inestimável durante os primeiros testes de produção de óleo bacteriano.

mais:

- Um artigo de S&V de 1949: Biomassa e óleo sintético, trabalhar Laigret
- Apresentação de projeto Laigret
- Tópico sobre forums: de óleo renovável e verde da Laigret
- Documentação de óleo Laigret

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *