A demanda global de energia aumentará 60 por cento até 2030

Em seu relatório sobre “World Energy Outlook 2004” divulgado em 26 de outubro, a Agência Internacional de Energia (IEA) pinta um quadro do setor de energia no mundo para os próximos 10 anos.

Espera-se que a demanda global por energia aumente cerca de 60% até 2030 "O mundo ainda não tem falta de petróleo", acredita a organização, para a qual em geral os recursos são "mais que suficientes " para
atender a demanda futura.

Mas o aumento dos preços do petróleo e do gás, o aumento da instabilidade nas rotas de abastecimento e o aumento das emissões de dióxido de carbono são sinais de "considerável agitação no mundo das finanças". energia ”, acrescenta Claude Mandil, diretor executivo da IEA, uma organização que reúne países industrializados consumidores de petróleo.

A AIE considera o preço do petróleo uma "considerável fonte de incerteza". O cenário de um preço alto, ou seja, um barril a 35 dólares em média, levaria a uma queda da demanda de 15% até 2030, o que corresponde ao consumo atual nos Estados Unidos. . Observe que o preço atual do barril de petróleo em Nova York está em torno de US $ 56.6 ...

Leia também:  Óleo vegetal puro: relatório do engenheiro

Até 2030, os combustíveis fósseis, com destaque para o petróleo com 121 Mbj (milhões de barris / dia), responderão por 85% do aumento da demanda global, segundo a AIE. Dois terços do aumento virão da demanda de países emergentes, como China e Índia.

O consumo de gás natural deve dobrar até 2030, enquanto a participação do carvão e da energia nuclear deve diminuir.

Um cenário alternativo possível?

A demanda global pode ser 10% menor se houver uma “ação política forte” para proteção ambiental e segurança energética.

Nesse caso, a dependência dos países consumidores do Oriente Médio seria reduzida. Com isso, a demanda por petróleo diminuiria em volume igual à produção atual da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Nigéria. Da mesma forma, as emissões de dióxido seriam 16% menores do que o cenário de linha de base, que é o que os Estados Unidos e o Canadá estão emitindo atualmente.

Leia também:  McDonald recicla seu óleo de cozinha

No entanto, parece muito difícil acreditar em tal cenário dada a inércia de nossas sociedades.

mais: consumo global de energia

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *