Pesquisadores de Toulouse desenvolvem biocombustíveis baratos

Uma equipa do Instituto Nacional de Ciências Aplicadas (Insa) de Toulouse está a trabalhar na obtenção de biocombustíveis económicos, dado o elevado preço do barril de petróleo e o nível preocupante de emissões de gases com efeito de estufa.

Esses cientistas conseguiram obter uma produtividade contínua de bioetanol 20 a 30 vezes superior à das fábricas em operação, um resultado promissor enquanto o custo de produção dos biocombustíveis na França ainda é maior do que o da gasolina ou do diesel. .

Para isso, o laboratório de biotecnologia-bioprocesso do Insa desenvolveu um biorreator de dois estágios, sendo que o segundo permite a obtenção de uma quantidade muito grande de microrganismos por meio de uma membrana. Por metro cúbico de mosto de fermentação, o processo desenvolvido permite obter 40 kg de bioetanol a 8 graus de álcool por hora.

A partir da glicose, a equipe também produz bioetanol a 19 graus em dois dias, resultado também considerado muito eficiente. “E ainda não atingimos os limites de desempenho”, lembra Xavier Cameleyre, engenheiro pesquisador do Insa.

O bioetanol francês, obtido principalmente a partir da beterraba e do trigo, assim como o biodiesel, extraído de sementes oleaginosas e comercializado com o nome de diéster, são usados, respectivamente, como aditivos de combustível para motores a gasolina e diesel.

Leia também:  Debate público sobre ar e saúde

Leia mais

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *