Economia e Economia: por bloquear?

Meio ambiente e ecologia: por que não estamos fazendo nada? Apesar das abundantes evidências de degradação do clima, a opinião pública continua a não fazer nada. Como explicar essa apatia ?, O Ecologista

Debate sobre nossos forums

Longe de serem pressionadas a aceitar a realidade, as pessoas devem, pelo contrário, ser arrancadas dela ”, diz Stanley Cohen em seu livro notável, States of Denial, Knowing About Atrocities and Suffering [Negação consciente em face de atrocidades e sofrimento]. Segundo ele, a capacidade de deixar as coisas acontecerem e a recusa da conscientização estão profundamente arraigadas em uma sociedade saturada de informação.

Sua análise é ideal para a reação atual ao aquecimento global. A “consciência” do problema está enraizada em todos os níveis da sociedade: na opinião pública (de acordo com as pesquisas, 68% dos americanos vêem isso como um problema sério); na comunidade científica (conforme evidenciado por cartas abertas regularmente emitidas por instituições científicas); nas empresas (com fortes declarações dos CEOs das empresas petrolíferas); entre muitos chefes de estado (discursos tão piedosos quanto regulares sobre a iminência do desastre).
Mas em outro nível, nos recusamos explicitamente a admitir as implicações do que sabemos. Enquanto Bill Clinton pedia uma ação urgente, seus negociadores estavam ocupados torpedeando um acordo que era apenas um pálido reflexo de seus próprios avisos. Os jornais publicam constantemente advertências sombrias sobre as mudanças climáticas, ao mesmo tempo em que oferecem artigos de poucas páginas que convidam entusiasticamente o leitor a fazer uma viagem de fim de semana ao Rio. As pessoas, inclusive meus amigos e familiares, podem expressar suas preocupações com seriedade e depois esquecê-las, comprar um carro novo, ligar o ar condicionado ou pegar um avião para ir de férias.

Leia também:  Semana do Desenvolvimento Sustentável

Com base na obra de Cohen, é possível constatar a existência de certos processos psicológicos transpostos para as mudanças climáticas. Em primeiro lugar, é de se esperar uma rejeição geral quando o problema é de tal magnitude e natureza que a sociedade não tem nenhum mecanismo cultural para aceitá-lo. Primo Levi, tentando explicar o fato de que muitos judeus na Europa podem ter se recusado a admitir a ameaça de extermínio, citou um velho adágio alemão: "Coisas cuja existência parece moralmente impossível não podem existir. . "

No caso das alterações climáticas, somos intelectualmente capazes de admitir o óbvio, ao mesmo tempo que temos a maior dificuldade em aceitar a nossa responsabilidade por um crime de tais proporções. Na verdade, a prova mais óbvia do nosso desejo de negar está na nossa incapacidade de reconhecer que esse drama tem uma dimensão moral, com culpados e vítimas identificáveis. Os próprios termos “mudanças climáticas”, “aquecimento global”, “impactos humanos” e “adaptação” constituem uma forma de negação. Esses eufemismos implicam que a mudança climática se origina de forças naturais irreversíveis, em vez de uma relação direta de causa e efeito com implicações morais para o culpado. Então, nos esforçamos para diluir nossa responsabilidade. Cohen descreve em detalhes o “efeito de espectador passivo”, pelo qual um crime violento pode ser cometido no meio de uma multidão sem a intervenção de ninguém. As pessoas esperam que outra pessoa aja e assuma a responsabilidade pelo grupo. Quanto mais atores houver, menor será a chance de um indivíduo se sentir capaz de agir unilateralmente. No caso das mudanças climáticas, somos espectadores e atores, e esse conflito interno só pode fortalecer nosso desejo de negação.
Assistimos, portanto, à negação da consciência ("não sabia"), à negação da ação ("nada fiz"), à da capacidade pessoal de intervir ("nada pude" , “Ninguém estava fazendo nada”) e culpando os outros (“eram eles que tinham carros grandes, os americanos, as empresas”).

Para ativistas de todo o mundo, é crucial entender esses mecanismos para preparar uma estratégia de campanha.
Em suma, não basta informar para contrariar esses reflexos. Esta é uma realidade que não podemos enfatizar o suficiente. Os movimentos ambientais agem como tantos fósseis vivos que emergiram do Iluminismo, com sua fé no poder do conhecimento: “Se as pessoas soubessem, elas agiriam. É por isso que eles dedicam a maior parte de seus recursos para reportar ou publicar artigos e editoriais para a mídia. Mas essa estratégia não funciona. As pesquisas mostram um alto nível de consciência, mas praticamente nenhum sinal de mudança no comportamento. Ao contrário, não faltam sinais de reações negativas, como apelos por preços mais baixos dos combustíveis e mais energia.

Leia também:  A privatização da água

Essa falta de reação do público faz parte do círculo vicioso da autojustificação do espectador passivo. “Se fosse realmente tão ruim, com certeza alguém faria algo”, as pessoas dizem a si mesmas. Quem se importa pode escapar do círculo vicioso da negação para se juntar ao punhado de pessoas que já optaram por não ser espectadores passivos. O último século foi marcado por mentiras e negação em massa. Um exemplo que o século XNUMX não precisa seguir.

George Marshall
O ecologista

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *