Os ecossistemas e aquecimento global

A sensibilidade dos ecossistemas às mudanças globais

Palavras-chave: mudanças, clima, biodiversidade, espécies, ameaças, estudos

Um estudo realizado por vários laboratórios europeus, incluindo o Laboratório de Ecologia Alpina (CNRS - Université Grenoble 1 - Université Chambery), mostra que a sensibilidade dos ecossistemas às mudanças globais pode aumentar a vulnerabilidade de certas regiões europeias até ao final do século XXI. século. Essa vulnerabilidade seria o resultado de um declínio na biodiversidade, fertilidade do solo ou recursos hídricos. Este fenômeno afetaria mais particularmente as regiões mediterrâneas e de montanha. Este trabalho foi publicado na Science Online em 21 de outubro de 27.

Dependendo da região, essa redução nos serviços ecológicos pode ou não ser contrabalançada pelos benefícios do aumento da produtividade das lavouras e florestas bioenergéticas, da área florestal ou das áreas liberadas pela agricultura para recreação ou conservação da floresta. biodiversidade. Essas previsões são baseadas na modelagem da resposta dos serviços ecológicos a cenários de mudanças climáticas, conteúdo de dióxido de carbono atmosférico e uso da terra, derivados dos cenários do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (GICC).

Os resultados desta modelagem representam futuros possíveis com base em hipóteses sobre as orientações da sociedade global e suas consequências em termos de políticas energéticas. É único na Europa pelo número de cenários e modelos considerados e pela diversidade de serviços ecológicos analisados ​​em consulta com os setores socioeconómicos em causa.

Os cenários climáticos considerados apresentam fortes variações inter-regionais, mas contribuem, sem exceção, para um aquecimento de 2,1 a 4,4 ° C em média na Europa, particularmente acentuado nas regiões do Norte. As projeções de mudanças na precipitação apresentam um alto grau de incerteza, mas todos os cenários considerados levam a uma diminuição das chuvas no sul, especialmente no verão, enquanto aumentaria no norte.

Leia também:  Download: EducAuto, Transporte Rodoviário e Aquecimento Global e Efeito Estufa

Os fatos preditivos mais importantes são:

  • As oportunidades de adaptar a produção de energia para estratégias mais sustentáveis ​​por meio de culturas bioenergéticas seriam fortes para as regiões do norte da Europa, mas limitadas no sul devido à seca.
  • Da mesma forma, a produção florestal aumentaria globalmente na Europa, e em particular no norte, sob o efeito combinado do aumento da produtividade devido ao clima e ao CO2, e às superfícies disponíveis. Apesar desse aumento potencial, as decisões de manejo silvicultural continuariam a regular a produção sob a influência de mercados e políticas públicas. Para as regiões do Mediterrâneo, haveria riscos adicionais associados ao forte aumento dos incêndios.
  • O aumento projetado da população e as mudanças climáticas reduziriam a disponibilidade de água para muitas regiões já deficientes, especialmente na região do Mediterrâneo. Esses efeitos seriam ainda mais acentuados pela crescente demanda por irrigação e turismo. Além disso, as mudanças nos regimes hidrológicos nas regiões montanhosas resultantes da redução da precipitação na forma de neve levariam a uma disponibilidade reduzida durante os períodos de verão (por exemplo, para irrigação e produção hidrelétrica), enquanto os riscos as grandes inundações de inverno aumentariam.
  • A diminuição da cobertura de neve também afetaria o turismo nas regiões montanhosas, acentuando uma situação já observada hoje.
  • Os efeitos sobre a biodiversidade seriam particularmente agudos, com perdas locais que poderiam ultrapassar 50% das espécies de plantas atualmente presentes nas regiões mais sensíveis, como cordilheiras e a região do Mediterrâneo. Dependendo das capacidades intrínsecas das espécies para migrar como fizeram após as glaciações, e as barreiras representadas pelas mudanças nas paisagens por atividades humanas (por exemplo, agricultura, urbanização), essas perdas de espécies podem ou não ser compensadas. pela chegada de novas espécies, por exemplo em regiões temperadas ou boreais. De qualquer forma, muitas regiões veriam sua flora e, portanto, suas paisagens mudaram radicalmente.
  • A combinação do aumento da produtividade primária, em particular na silvicultura, e a redução das terras agrícolas permitiria inicialmente aumentar o atual sumidouro de carbono. Essa tendência seria revertida a partir de 2050 pelos efeitos do aumento da temperatura.
  • Os cenários de orientação mais “econômica” tendem a produzir os efeitos mais severos para todos os serviços examinados. No entanto, mesmo para os cenários mais proativos em termos de meio ambiente e, portanto, os menos graves em termos de mudança climática, os impactos sobre certos serviços, como biodiversidade, disponibilidade de água ou fertilidade do solo orgânico permanecem significativos. .

Nesta pesquisa colaborativa, a equipe de Sandra Lavorel do Laboratório de Ecologia Alpina de Grenoble, trouxe suas competências para o campo de trabalho realizado em biodiversidade. Ela também participou da modelagem de cenários de uso do solo.

Referências:

Oferta de serviços do ecossistema e vulnerabilidade às mudanças globais na Europa. Schröter, D., Cramer, W., Leemans, R., Prentice, IC, Araújo, MB, Arnell, NW, Bondeau, A., Bugmann, H., Carter, TR, Garcia, CA, de la Vega-Leinert , AC, Erhard, M., Ewert, F., Glendining, M., House, JI, Kankaanpää, S., Klein, RJT, Lavorel, S., Lindner, M., Metzger, MJ, Meyer, J., Mitchell, TD, Reginster, I., Rounsevell, M., Sabaté, S., Sitch, S., Smith, B., Smith, J., Smith, P., Sykes, MT, Thonicke, K., Thuiller, W., Tuck, G., Zaehle, S., & Zierl, B. (2005). Science Online, 27 de outubro de 2005.

Contatos:

Contatos de pesquisa:
Sandra Lavorel - Tel: 04 76 63 56 61 - E-mail: sandra.lavorel@ujf-grenoble.fr
Wilfried Thuiller - Tel: 04 76 51 42 78 - Email: thuiller@sanbi.org

Departamento de Ciências da Vida:
Jean-Pierre Ternaux - Tel: 01 44 96 43 90 - E-mail: jean-pierre.ternaux@cnrs-dir.fr

Contato de imprensa:
Martine Hasler - Tel: 01 44 96 46 35 - E-mail: martine.hasler@cnrs-dir.fr

fonte

Leia também:  CITEPA: a poluição do ar por departamento em França

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *