EES: as soluções?

EXCERTOS CRISE E SOBREVIVÊNCIA DE DESASTRES
SEA escrito em 1989 Gabriel Ferrone.

resumo

- TRANSPORTE E CINÉTICO
- INTEGRAR A CIDADE EM SEU AMBIENTE
- PRINCÍPIOS DA CINÉTICA URBANA
- SOLUÇÕES PROPOSTAS
- 1989
- ALGUMAS IDEIAS INOVADORAS

Transporte e cinética

De volta ao tráfego e à cinética do transporte, eles envolvem mais do que uma regulamentação, mas todo um projeto de comunicação em escala global, porque o menor cálculo mostra que a prática dos países desenvolvidos transpôs para uma escala global. tem um efeito catastrófico:
como imaginar 3 ou 4 bilhões de veículos cada um exigindo mais de 15 para 150 metros quadrados de faixas de tráfego e exigindo 5 para 10 metros quadrados de estacionamento!
Nossa educação e publicidade fazem o carro responder às necessidades lúdicas - embora não seja um brinquedo -, aos impulsos ligados à sexualidade, à necessidade de dominação, ao matchismo etc. Em suma, vários dos sete pecados capitais. Seu papel de "transportar-nos" geralmente é um motivo acessório para a compra.
Isso leva à conclusão de que o carro não pode ser, como está, um objeto democrático: é materialmente inacessível a pelo menos três bilhões de pessoas; é assassino para os outros; além disso, as desigualdades sociais são reforçadas pelas condições de segurança, conforto e garantias no caso de um acidente completamente diferente de um carro para outro, de um seguro para outro.
Não é realista prever sua supressão, mas é óbvio que ele deve ser repensado em um vasto projeto que leva em consideração as necessidades e os obstáculos à circulação e à comunicação, ou seja, que isola o princípios e necessidades dos movimentos urbanos.

Integrar a cidade em seu ambiente

A cidade existe apenas através de seu ambiente local, nacional e internacional. Concentra administração, comércio e distribuição, parte da produção industrial, gerencia informações e está na encruzilhada das comunicações e dos transportes.
Ele é alimentado e alimenta:
- uma rede aérea em aeronaves de alta e rápida capacidade para viagens intercontinentais ou de capacidade média para viagens mais modestas;
- redes marítimas e fluviais para produtos volumosos ou pesados;
- complementaridade de alta velocidade ferroviário para viagens longas;
- numerosos transportes públicos mais ou menos sincronizados para rotas médias e pequenas;
- meios de transporte individuais: aéreo, marítimo, terrestre;

Esses transportes são essenciais para a cidade e seu ambiente, que exigem trocas contínuas, rápidas e diversificadas.
Esses meios de transporte melhoraram, mas, apesar de todos os esforços, estão se tornando cada vez mais letais; de fato, o crescimento exponencial é que todas as redes estão congestionadas, muitas vezes saturadas e, por esse motivo, mal mantidas, portanto, perigosas.
A maioria dos acidentes vem de:
Saturação de tráfego; má manutenção da rede viária; Má sinalização; Obstáculos imprevistos; Má manutenção do veículo; Um colapso inesperado; irresponsabilidade do motorista; Alcoolismo e drogas.
Em relação ao transporte urbano, o automóvel está se tornando cada vez mais embaraçoso para cada um de nós, pesado e prejudicial para a comunidade. A asfixia e a poluição que causa atingem todos os reinos, pois até o mineral é atacado pela chuva ácida e pelo nevoeiro.
Entre os paliativos, a aplicação dos princípios de "cinética urbana" desenvolvidos por G. BEAU é, portanto, uma necessidade.

Princípio da cinética urbana

- 1 Pessoas e bens devem poder circular livremente dia e noite.
- 2 Os veículos devem poder parar pelo tempo necessário para carregar e descarregar pessoas e mercadorias que transportam.
- 3 Os veículos que não estão em serviço devem poder estacionar sem obstruir a população e o tráfego.
- 4 O tráfego prioritário e desimpedido deve ser garantido para os veículos dos agentes de segurança (paramédicos, policiais, bombeiros, etc.).
- 5 O tráfego desimpedido deve ser garantido para veículos de uso coletivo.
- 6 Os sistemas de transporte devem ser complementares e sincronizados.
- 7 Os sistemas de transporte devem ser inofensivos para seus usuários.
- 8 Os regulamentos devem ser diferenciais para o usuário.

Vemos que atualmente isso representa uma ilusão, porque a triste realidade nos mostra que muitos obstáculos devem ser removidos.
O corporativismo impediu o desenvolvimento de invenções úteis: o carro elétrico; o Aerotrain; o trem aéreo; os micro estacionamentos coletivos; Estacionamento com pré-pagamento; tráfego subterrâneo de alta velocidade (relativo); a construção de estacionamentos dissuasivos perto de estações, estações de carrinho e táxis nos portões das cidades; a recuperação do espaço aéreo acima e abaixo da SNCF e das trilhas metropolitanas para torná-los parques paisagísticos para estacionamento e caminhada, para que todos os USUÁRIOS possam se dar bem juntos.
Por outro lado, o modo de concessão dos estacionamentos cobertos e ao ar livre pelos municípios e o modo de sanção aplicado aos infratores fazem com que os municípios tenham um certo interesse em levar os motoristas à falha para resgatá-los.
Isso é inconstitucional, viola os direitos humanos, mas ninguém ousa dizer isso porque muitos benefícios são facilmente camuflados pelos partidos políticos.
Sinais de trânsito estão se tornando impressionantes, o número de sinais verticais é estimado em mais de 15 milhões e a sinalização horizontal é tão abundante: direção proibida, triângulo com ponta para baixo, estacionamento proibido, sozinho representam 20% do total.
A competição internacional selvagem força todos a produzir carros cada vez mais rápidos, mais e mais poderosos, mas cada vez mais mortais para aqueles que atingem.
A limpeza das vias de acesso seria facilitada por duas medidas impopulares: a organização do horário de trabalho e o escalonamento das férias. É óbvio que, apesar dos incentivos das autoridades públicas, a maioria dos franceses se recusa a fazê-lo.
Se os franceses formam um povo mal disciplinado, essas mesmas medidas têm grande dificuldade em serem implementadas entre seus vizinhos europeus, os EUA se deixam conquistar pela velocidade e seus excessos, os chineses sonham apenas com Mercedes e Peugeot. O Japão dirige um Cadillac e uma Ferrari, mesmo que reserve suas terríveis motocicletas para exportação, para não matar estupidamente sua juventude como os outros.
Assim, vemos que se uma nação realmente quer resolver o problema de seu transporte e comunicação e prepara um plano coerente, ela se reunirá em nível internacional com os poderosos lobbies dos petroleiros, fabricantes de automóveis, construtores de estradas e estacionamentos e em nível nacional, tanto para os sindicatos de empregadores quanto para os sindicatos de trabalhadores das empresas envolvidas. Pior ainda, os beneficiários de longo prazo desse plano provavelmente serão hostis a ele, porque se recusarão a se separar de seus carros, perigosos, mal conservados, muito rápidos ou lentos demais, poluentes demais, que deverão ser banidos e quebrados.
No que diz respeito à cinética urbana, lidamos com isso por volta de 1960 e isso precisava ser atualizado, com relação às informações tratadas em um "ensaio para um possível futuro da imprensa e da informação audiovisual », Em 1972, que ainda é muito atual. Esses dois testes não renderam nada aos inventores que foram saqueados de acordo com os bons hábitos da sociedade francesa.
Mas a característica dos inventores é negligenciar os obstáculos do presente para considerar apenas um futuro ideal, também como se vivêssemos neste mundo ideal onde as idéias são recebidas com atenção e deferência por aqueles que não as têm, nós vamos considerar algumas soluções que são óbvias para essa equipe de ecologistas de vanguarda, mas que ainda serão surpreendentes.
A longa experiência nos ensinou que boas idéias são sempre recuperadas, mesmo que alguém se esqueça, silencie ou assassine seus inventores.
O Sr. Gérard BEAU estava quase internado e ele teria ficado lá sem o nosso apoio, mas isso tornou possível roubar suas idéias e as nossas, que são amplamente usadas. Com ele, relatamos 35 soluções clássicas e oferecemos ainda mais, não é coincidência que hoje muitas cidades grandes, incluindo a cidade de Paris, usem três quartos delas. Aqui está o que podemos dizer sobre esse assunto em 1989, mas quase tudo já foi dito em 1960 e mesmo antes. Léonard de VINCI, ainda ele próprio, já planejava separar o tráfego de pedestres do tráfego de veículos nas ruas e tornar os corações de Veneza, Florença ou Gênova lugares sem veículo
Nas medidas que lembramos, é óbvio que Beau, Ferone de la Selva e seus amigos não inventaram tudo, além disso, são feitos importantes esforços pelos serviços nacionais e municipais e que nossas observações são desejadas. objetivo, deve ser sublinhado que não exclui que os projetos atualmente apresentados devam ser severamente criticados, porque aumentam a pressão sobre os motoristas sem abordar os problemas substantivos.
Aqui está a lista, atualizada em 1989, das soluções propostas:

Leia também: Trilhas de bicicleta em Lyon, vídeo amador

Soluções propostas

Ps: o asterisco indica os pontos ainda negligenciados, * em andamento, ** pouco melhor para fazer, *** tudo para fazer

A REDE RODOVIÁRIA:
1 - melhoria da sinalização geral **
2 - iluminação noturna de sinalização e iluminação diurna de passagens subterrâneas em níveis adequados para evitar reflexos e o “buraco negro” **
3 - delimitação de filas de tráfego *
4 - sinalização das principais rotas **
5 - modulação e sincronização de semáforums **
6 - remoção de obstáculos à infraestrutura ***
7 - padronização da largura das faixas no campo **
8 - eliminação de estradas de três faixas em benefício de quatro faixas **
9 - realização de travessias que não cortam tráfego, isso por trilhos sobrepostos **
10- realização de caminhos paralelos sobrepostos antissísmicos nos eixos congestionados
11 - alargamento de pontes **
12- cisão das rampas de saída e entrada das passagens subterrâneas.

13 - realização de eixos com grandes tráfegos subterrâneos nas cidades, com estacionamentos, em pontos importantes: estações, áreas administrativas e comerciais. **
14 - Posicionamento sucessivo das saídas e entradas, nesta ordem para não cortar estas duas circulações. **

TRANSPORTE PÚBLICO
1 - melhoria das indicações relativas ao transporte público *
2 - elaboração de planos do distrito, em larga escala, em estações de transporte público *
3 - otimização dos horários dos transportes públicos **
4 - expectativas reduzidas nas estações e conexões **
5 - entrada em serviço de ônibus de diferentes dimensões, adaptados às variações locais e horários de circulação **
6 - implementação de ônibus de dois andares ***
7 - modernização e aprimoramento das linhas metropolitanas *
8 - construção de novas linhas *
9 - extensão das linhas atuais *
10 - interligação das estações SNCF e RER **
11 - sincronização e otimização entre SNCF, METROS, treinadores, ônibus, táxis e estacionamentos para o público **
12 - instalação de esteiras e elevadores, estudo de acessibilidade para deficientes.

Leia também: A Passagem Noroeste

TRANSPORTE PRIVADO
1- Desenvolvimento de táxis e locação de veículos sem motorista para pessoas físicas e mercadorias **
2 - Desenvolvimento de carrinhos, sem motorista, self-service, pré-pagamento ***
3- Criação de “clubes” para operar esses carros, em torno de estações de dissuasão e estacionamentos ***
4 - desenvolvimento de “parques - poços” de quinze a trinta locais, a fim de resolver o estacionamento de veículos para os moradores da aglomeração ***
5 - Desenvolvimento de parques subterrâneos coletivos, seguros e humanizados **
6 - Reserva e disposição de áreas suficientes, preferencialmente subterrâneas para carregamento e descarregamento de mercadorias **
7 - desenvolvimento de muitas ciclovias e vias para pedestres, que podem estar em um nível diferente das faixas reservadas para veículos a motor ***
8 - Criação de jardins - terraços em lugares de estacionamento de altura adequada no centro da cidade, conectados a redes subterrâneas e de superfície, a fim de fornecer paradas pesadas para caminhões, equipadas com meios de descarga em veículos pequenos que garantam uma rápida redistribuição local de carga **
9 - desenvolvimento de contêineres modulares ferroviários / rodoviários **
10 - desenvolvimento de estações de ônibus com estacionamentos de veículos pesados ​​e pesados, para incentivar o uso de transportes públicos: **
11- Venda de gasolina que dá direito a quilômetros “coletivos” **
12 - revisão em baixa das tarifas da SNCF, a fim de incentivar as transportadoras a coordenar o transporte ferroviário em longas distâncias ***
13 - desenvolvimento do vagão com multiplicação de estações de acesso, sem obrigação de compra de passagem de passageiros para colocação de vagões ***
14 - ajuste do horário de trabalho das empresas, lojas, administrações, escolas **

OS VEÍCULOS PARTICULARES
1 - desenvolvimento de veículos urbanos não superior a uma área útil de 3 metros quadrados no solo, facilidade de estacionamento, baixa poluição, proibido em vias expressas; **
2 - desenvolvimento de veículos rápidos mas muito estudados em termos de segurança para o grande turismo; **
3 - desenvolvimento de carros que não utilizam combustíveis fósseis: bateria e energia solar, célula de hidrogênio, hidrogênio, motor inercial, gás comprimido: **
4 - desenvolvimento do controle de umidade e do chamado motor de água; ***
5 - aprimoramento da eletrônica de assistência ao piloto; *
6 - limitação interna da velocidade do veículo; ***
7 - limitação externa de velocidade por controle eletrônico; ***
8 - informações eletrônicas de tráfego e meteorológicas; *

OS CONDUTORES
1- compras de veículos ligadas a duas condições: disponibilidade de estacionamento; posse da licença de veículo adequada ***
2- Ensino obrigatório do código da estrada na escola primária; **
3 - carta de condução para iniciantes como disciplina obrigatória em 16 anos, em todas as opções escolares ***
4 - implementação de uma licença “progressiva”, dependendo do senso de responsabilidade e habilidades do motorista **
5 - Licença HGV em três níveis: iniciante, cidade, estrada principal ***
7 - Licença profissional em três níveis: Entrega em carro e van; Entrega em P L. sem extremidade dianteira do trator; Entrega em caminhão com reboque. **
6 - licença compulsória de maquinaria agrícola, mesmo nos campos ***
7 - autorizações especiais para motoristas de máquinas de construção **
8 - autorizações especiais para máquinas superdimensionadas e transportes perigosos;
9 - exame médico obrigatório a cada 5 anos ou atestado médico sobre visão, reflexos, autocontrole; ***
10 - Testador eletrônico, conduzindo a simulação em velocidades graduais para as progressões da licença; ***
11- Bafômetro obrigatório em caso de acidente; *
12- informações médicas codificadas na carta de condução para intervenção de emergência em caso de acidente; (O cartão verde de segurança social faz esse trabalho) *
13 - Recompensas para bons condutores: **
14- Revisão do código penal em matéria de infrações **

1989

A história e as decisões humanas às vezes colidem. Neste ano, comemorando a Revolução Francesa, é curioso notar a diferença entre este aniversário da revolução e a abolição de privilégios e as decisões autoritárias tomadas pelas autoridades da cidade.
Jacques DOMINATI, conselheiro de Paris, responsável pelos problemas de circulação nesta cidade, acaba de propor um plano bastante incrível para retornar a esta cidade sua livre circulação:
- Ele quer remover 100 vagas de estacionamento na superfície. Para isso, deseja suprimir, ainda mais vigorosamente, o estacionamento ilegal de 000 usuários e remover 60 vagas na superfície;
- No que diz respeito à repressão, à apreensão de veículos, ao aumento de multas, à maior severidade em matéria de infrações de trânsito, são claramente expostos nas paredes de Paris. A polícia possui: caminhões guindastes, que deverão remover 700 veículos por ano; Terá radares indetectáveis ​​contra a velocidade e um comando militar informatizado exclusivo, que monitorará toda a Ilha de França e cada distrito de Paris; seus motociclistas são equipados com transceptores derretidos em capacetes, que melhoram suas conexões e permitem que eles intervenham mais rapidamente.
Entre os principais imbecis que a administração da cidade de Paris forneceu aos seus cidadãos, lembramos os famosos patins de Denver.
Se um carro era irritante e bem, ele foi imobilizado no local por esta ferramenta; julgaremos a inteligência do processo, pois substituímos um desconforto de alguns minutos por um longo embaraço. Alguns coringas à mão, em retaliação, ficaram felizes em encher o peito com esses artifícios medievais, para a grande fúria das autoridades.
Outra alegria: o represamento, isso deu origem a toda uma série de raquetes, seqüestros injustificados, roubos de veículos, roubos de equipamentos nas libras, cuja lista simples preencheria este livro. Em algumas cidades, como Toulon, as reações foram violentas e o governo recuperou seus caminhões de guindaste no porto.
Paris ainda não parece ser um modelo de gerenciamento de sua circulação, apesar de sua eletrônica e algumas idéias mais agradáveis, por exemplo, para escavar sob a cidade alguns eixos de distribuição.
Sabendo que o estacionamento legal em Paris possui 720 vagas, incluindo 000 nas vias públicas, esses projetos não são balanceados pela criação de um estacionamento legal compensatório, pois só podem ser hostilizados pelos usuários.
Observamos que essa abordagem autoritária não requer inteligência inovadora, senso comum, participação de associações e público e, portanto, encontrará os piores obstáculos sociológicos.
Essa empresa deve parar de gargarejar seu "desenvolvimento" para repensar seu plano futuro, que não vê em sua inevitável perspectiva catastrófica se nada mudar.

Leia também: Escolher uma bicicleta para a cidade 2

Algumas ideias inovadoras

1- Os poços do silo ***

Nos pátios de edifícios com pelo menos 14 metros de comprimento e 9 metros de largura, G. Beau propôs a construção de poços de 41 metros de profundidade, capazes de aceitar 20 ou 30 carros leves. A idéia de Beau era ter um elevador que transporta automaticamente veículos de um nível para outro, os armazena automaticamente e volta para buscá-los sob demanda. Os carros estacionados emitem superfícies equivalentes nas vias públicas.

2 - As rotas para pedestres e ciclovias ***

Para muitas cidades, suas estruturas permitiriam a instalação de faixas colocadas acima de faixas congestionadas, onde pedestres e ciclistas circulariam em um novo nível de valor comercial, a calçada subjacente recebendo entregas e mais estacionamentos. Isso interessa pelo menos um milhão de usuários para Paris.

3- monotrilhos de ar ***

O RATP e o SNCF sempre, com ou sem razão, se opuseram ao monotrilho aéreo. No entanto, esta invenção é usada em outros lugares. Tem vantagens porque não obstrui a via pública e pode ser combinada com a proposta anterior. A tecnologia não parece madura no momento, no entanto, apesar dos recentes testes na Alemanha. É uma cabine motorizada, suspensa em seu eixo por dois trens de suspensão em um trilho de viga elevado. Seu custo é mais baixo que o metrô, mas pode ter desvantagens estéticas.

4- cidades multinível **

Metrô em porão relativamente profundo, grandes eixos de tráfego e níveis de manuseio acima no térreo ou no 1º subsolo, trilhas para pedestres e lojas ao nível do parque - jardins no térreo ou em elevação. Apartamentos com amplos terraços situados acima de cada um, com seu micro - verão - jardim de inverno.

Carros elétricos 5-Solar ***

O carro elétrico está progredindo, um novo conceito apareceu: sua conexão com o sol. Em muitas cidades, os estacionamentos podem receber painéis solares e carregar as baterias silenciosamente; por outro lado, à noite, fora do horário de pico, a Electricité de France possui quilowatts que são, quaisquer que sejam suas origens, interessantes em valor. O carro elétrico de baixa capacidade e economia de espaço, carga de bateria baixa, carga rápida ou carga padrão instantânea, com recuperação de energia de frenagem. Atualmente, está sendo estudado em quase todos os lugares, mas o capital necessário seria necessário para acelerar sua maturidade.
A Ecologie Energie Survie apresentou uma na primeira exposição de Marjolaine há mais de trinta anos!

6 - Clubes de usuários **

Uma frota de carros elétricos usados ​​por membros do clube ou assinantes permitiria mais liberdade de movimento. Os carros de aluguel ou carros vendidos "timeshare" já estão disponíveis, mas seus custos não são dissuasivos com a compra. Existem também caminhos para explorar lá.

7 - A busca de idéias ***

Os franceses são ricos em idéias, mas a sociedade francesa não sabe como administrar o capital dos inventores que possui. Em um artigo que escrevemos para o diário dos inventores, levantamos esse problema.

Existe um erro comum que confunde "O Inventor", aquele que encontra, mas que é tanto um artista quanto um engenheiro do "Pesquisador", que tem a missão de explicar a invenção e encontrar suas leis e aplicações teóricas ou o "engenheiro" que faz da invenção um produto comercializável e o "professor", que deve conhecer a história da invenção, sua teoria, suas aplicações e ensiná-la a seus alunos.

Resolver problemas tão complicados quanto os da circulação e comunicação de uma cidade grande, sem explorar toda a capacidade criativa e criativa que ela contém, mostra a necessidade intelectual daqueles que imaginam que podem, sozinhos ou quase, dar-lhe todas as soluções. É mais necessário do que nunca obter um consenso entre os diferentes atores por um processo necessário de reflexão coletiva.

Esta é a contribuição de Gabriel Ferrone para o Rendez vous of Ecology, organizado por Serge LEPELTIER, Ministro de Ecologia e Desenvolvimento Sustentável, com Vincent BOLLORE. "MITO OU REALIDADE DO CARRO ELÉCTRICO" o 09 11 2004.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *