o FMI

Wolfowitz aproximou-se do Banco Mundial

O neoconservador Paul Wolfowitz, secretário adjunto de Defesa dos EUA, está no topo da lista de candidatos norte-americanos ao sucessor de Wolfensohn como chefe do Banco Mundial. Segundo o Financial Times, o neoconservador americano Paul Wolfowitz poderia assumir a liderança do Banco Mundial após a saída de James Wolfensohn.

Tradicionalmente, a liderança das duas organizações de Bretton Woods (1944) é compartilhada entre americanos e europeus. Para os europeus, a gestão do Fundo Monetário Internacional, enquanto a presidência do Banco Mundial, sua instituição gêmea, está localizada nos Estados Unidos.

Em janeiro passado, 3, o presidente cessante, James Wolfensohn, anunciou que não procuraria um terceiro mandato à frente do Banco Mundial quando expirasse, o 31 May 2005. Durante vários meses, a próxima partida de Wolfensohn foi ouvida. O nome de Colin Powell foi freqüentemente citado como um possível substituto.

Leia também: Bitcoins: recarregue um carro elétrico e pague em criptocorrência!

Recentemente, quando o diretor-gerente do FMI, Horst Koehler, renunciou para concorrer à presidência da Alemanha, os Estados Unidos manifestaram o desejo de mudar as regras vigentes desde a 1944. Washington reivindicou para um de seus próprios a liderança do fundo. Mas os europeus não o ouviram assim e, depois de amargas negociações em ambos os lados do Atlântico, concordaram com o nome de Rodrigo Rato, ex-ministro das Finanças espanhol do governo Aznar. Este acordo, além disso, causou grunhidos na Ásia, América Latina e África, onde apreciamos cada vez menos este condomínio euro-americano.

Uma personalidade controversa

É nesse contexto que a vida cotidiana da comunidade empresarial britânica, Financial Times, revela na terça-feira que o secretário adjunto de Defesa dos EUA está no topo da lista de candidatos norte-americanos à propriedade de Wolfensohn. Paul Wolfowitz, líder dos neo-conservadores, é a principal inspiração para a guerra do Iraque no governo Bush. Como observado em Financial Times, sua personalidade é muito controversa e sua nomeação não deixaria de provocar novas tensões.

Leia também: O Protocolo de Quioto

É uma aposta segura que os informantes do jornal britânico não querem fazer nenhum bem a Wolfowitz e procuram, com essa "fuga" provavelmente organizada, torpedear sua candidatura antes que os tomadores de decisão sejam colocados diante do fato consumado. Como observado pelo autor do artigo, quando na 1999 era uma questão de encontrar um diretor administrativo do FMI, os europeus haviam proposto o nome do alemão Caio Koch-Weser. Os Estados Unidos vetaram o candidato da União Européia.

Este precedente poderia agora se voltar contra o candidato americano, se acontecer que Paul Wolfowitz seja de fato a escolha de Washington.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *