poluição do ar e soluções contra a poluição do arQualidade do ar em Ile de France

Discussão de métodos de qualidade do ar de correção e controle.
Dearcham
Eu entendo econológico
Eu entendo econológico
mensagens: 105
Inscrição: 29/10/03, 23:55

não lu mensagempela Dearcham » 13/03/04, 18:06

O MUNDO | 13.03.04 12h55 • ATUALIZOU O 13.03.04 | 16h12
A Airparif alega que a onda de calor não é a única causa da deterioração da qualidade do ar no 2003. Esse órgão, que mede poluentes na atmosfera, observa um aumento nos níveis de dióxido de nitrogênio em grande parte devido ao tráfego rodoviário.
É um sopro de ar viciado na campanha eleitoral em Ile-de-France. Em seu boletim de março, a Airparif, a associação que mede a qualidade do ar na região, faz uma avaliação desagradável do ano passado. "O 2003 terá muitos registros de poluição", afirmam os especialistas. E a quem invocaria a onda de calor como a única responsável por essa degradação, ela retruca que essa explicação "não pode, sozinha, explicar esses níveis de poluição em ascensão".

A Airparif não nega que as condições anticiclônicas excepcionais observadas no ano passado agravaram o balanço. A falta de vento impediu a dispersão de poluentes, como foi o caso do podre verão da 2002. O sol ", de 20 a 30% acima da média dos últimos dez anos", ativou a formação de ozônio, um poluente secundário formado pela degradação fotoquímica de outros poluentes. Mas a associação observa que os resultados fazem parte de uma tendência fundamental. As emissões de poluentes não estão mais diminuindo, como dizem alguns discursos tranquilizadores, e até aumentariam para alguns deles.

Consequência: um dia em cada seis, o índice Atmo, um indicador calculado a partir de um coquetel de poluentes, foi descrito como "ruim" a "ruim". "Uma frequência sem precedentes", segundo a Airparif. O número de episódios de poluição também atingiu um nível desconhecido desde a introdução de procedimentos de informação pública no 1995. Os picos de ozônio contribuem amplamente para esse desempenho triste.

Fora dos picos e ondas de calor, os níveis médios de ozônio observados no 2003 eram preocupantes. Eles são o dobro de dez anos atrás. Airparif observa um "aumento constante" nos níveis atmosféricos, um fenômeno que tem sido observado "na escala de todo o hemisfério norte" por um século. Os objetivos de qualidade, uma espécie de limiar sanitário que permite medir a poluição de fundo respirada diariamente pelos habitantes, foram excedidos como sempre.

O boletim também registra um aumento nos níveis de dióxido de nitrogênio. O aumento é 10% em média e 20% em alguns sensores. Quatro milhões de pessoas em Paris estão expostas ao ar que, em média, excede os padrões de saúde. Perto de certas áreas de tráfego, os moradores são expostos a níveis duas vezes superiores aos valores-limite.

O aumento nos níveis de dióxido de nitrogênio "não está relacionado à onda de calor", diz Airparif. A 2003 confirma uma observação de longa data da associação: o conteúdo desse poluente permanece estável, sem "nenhuma tendência emergente nos últimos anos". Os níveis de partículas finas também não mudam, este ano marcando "um pequeno aumento". Perto de certas estradas, os valores encontrados excedem, pela primeira vez, os valores-limite da legislação francesa e europeia.

O transporte rodoviário desempenha um papel importante nessa poluição. Mas o incômodo aéreo é cada vez mais denunciado. O National Air Board recentemente se interessou por essa fonte de incômodo. Em Os venenos do céu (Advocnar), Sébastien Trollé diz que "em 2001, a Aéroports de Paris declarou 800 toneladas de hidrocarbonetos na atmosfera, mais de 2 toneladas por dia". "Tonum 14,79 toneladas de óxido nitroso são emitidas diariamente pelo tráfego aéreo de Orly e Roissy, o que equivale a carros a gasolina 1 972 000 que percorrem quilômetros 50", continua o autor.

Nesse cenário bastante sombrio, no entanto, a Airparif observa uma melhora nos níveis de benzeno ", mas que ainda não cumprem os regulamentos próximos ao tráfego". Os níveis de dióxido de enxofre e monóxido de carbono também estão caindo, enquanto o chumbo quase desapareceu.

A associação também observa que os picos, certamente mais numerosos, não atingem os picos registrados no meio dos anos 1990. O limite de aviso que aciona a circulação alternada, atualmente definido em microgramas 360 por metro cúbico de ar para ozônio, nunca foi atingido no 2003. Mas uma diretiva européia da 2002 propõe reduzir esse limite de alerta para microgramas 240. Se o novo regulamento tivesse sido aplicado no 2003, o tráfego alternativo deveria ter sido implementado três vezes.

Picos menos espetaculares, alertas mais pequenos e manutenção da poluição de fundo: resume assim o equilíbrio do Airparif (disponível em www.airparif.asso.fr). "No geral, as concentrações médias anuais de 2003 são superiores às do 2002, para vários poluentes importantes", diz a associação. É, portanto, contrário ao discurso dominante na classe política parisiense, que alega uma lenta melhoria da situação.

O relatório recebeu poucos comentários desde sua publicação. Corinne Lepage, ex-Ministra do Meio Ambiente, que aparece na lista da UDF de André Santini, aproveitou a oportunidade para denunciar a "não aplicação da lei no ar", na qual votou. 1996. Jean-Félix Bernard, Conselheiro Regional (Verdes) e Presidente do Conselho Nacional de Ar, também reagiram. Mas, além desses dois ativistas antipoluição, o puro silêncio acompanhou a publicação da Airparif.

A associação, no entanto, levanta uma questão fundamental. As mudanças climáticas e o aumento da temperatura desde o final do século 20 parecem agravar os efeitos da degradação atmosférica. Os pesquisadores estão trabalhando para determinar a proporção atribuível à poluição no excesso de mortalidade observado neste verão. Uma figura que poderia provocar reações.

Benoît Hopquin

• ARTIGO NA EDIÇÃO 14.03.04
0 x

Avatar de l'utilisateur
lenhador
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 4731
Inscrição: 07/11/05, 10:45
Localização: Mountain ... (Trièves)
x 1

Política de transporte de Paris

não lu mensagempela lenhador » 20/12/06, 10:37

Eu desenterro um post muito antigo ( : Shock: Eu nem sabia que havia tão velho! ) para vincular isso artigo da Gazette des Communes relatando resultados encorajadores para a política altamente criticada do conselho da cidade de Paris em relação ao tráfego de carros.
0 x
"Eu sou um grande bruta, mas eu raramente enganado ..."
Rulian
Eu postei mensagens 500!
Eu postei mensagens 500!
mensagens: 686
Inscrição: 02/02/04, 19:46
Localização: Caen

não lu mensagempela Rulian » 22/12/06, 14:34

É claro que o Delanoé / Baupin em tandem é cada vez mais atacado pela política de transportes em Paris. Sentimos que as eleições da 2008 estão começando a se aproximar.

Além disso, deve-se reconhecer que as medidas antiaéreas às vezes têm um efeito contraproducente imediato devido a atrasos e engarrafamentos. Mas eles devem persistir. Delanoé / Baupin deve gerenciar o início do período de transição entre o carro inteiro e o futuro "menos carros possíveis". Existem erros, aproximações e inércia e resistência muito grandes. Mas ainda estou convencido de que eles estão acenando na direção certa.

Se eu fosse parisiense, sem dúvida eles teriam o meu caminho.
0 x
Avatar de l'utilisateur
lenhador
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 4731
Inscrição: 07/11/05, 10:45
Localização: Mountain ... (Trièves)
x 1

não lu mensagempela lenhador » 22/12/06, 14:56

Rulian escreveu:[...] Mas ainda estou convencido de que eles estão acenando na direção certa.

Se eu fosse parisiense, sem dúvida eles teriam o meu caminho.
Eu também! 8)

Espero que Delanoë continue, ele merece a coragem que teve para enfrentar os leões na arena ... E por esses resultados que começam a ser vistos!
0 x
"Eu sou um grande bruta, mas eu raramente enganado ..."


Voltar para "Poluição do ar e soluções contra a poluição atmosférica"

Quem está online?

Usuários navegando neste forum : Nenhum usuário registrado e convidado 1