Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica

Como manter-se saudável e prevenir riscos e consequências sobre a sua saúde e da saúde pública. doença profissional, riscos industriais (amianto, poluição do ar, ondas eletromagnéticas ...), o risco de empresa (o estresse no trabalho, o uso excessivo de drogas ...) e individual (tabaco, álcool ...).
Yves-Landry Kouame
Descobri econológico
Descobri econológico
mensagens: 1
Inscrição: 19/03/21, 15:05
x 2

Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela Yves-Landry Kouame » 19/03/21, 15:19

Sobrecarga de informações, notícias falsas, dramatizações, notícias ecológicas têm recebido atenção especial da mídia nos últimos anos. Afogada em um dilúvio de informações, a ecologia continua a desencadear paixões e a criar forte ansiedade, a ponto de começar a desenvolver em muitos jovens sintomas de eco-ansiedade.

As batalhas da mídia sobre assuntos que afetam o futuro da humanidade são óbvias. Quer se trate de política, economia, educação, desigualdades sociais e sobretudo ecologia, os meios de comunicação têm sido, desde há muito, mas ainda mais hoje, verdadeiras alavancas de várias produções intelectuais. Muitas posturas são expressas por destilar mais preconceito de compreensão do que esclarecimento no cidadão comum. Essa realidade, aliada à forte vontade de atuar entre os jovens, diante da emergência climática, generaliza sutilmente um grande desconforto com a eco-ansiedade.

Eco-ansiedade: o que é?

Aqueles que têm o privilégio de saber têm o dever de agir. Essa ideia de Einstein passa hoje pelo fio condutor de milhões de jovens engajados em todo o mundo. Eles são da Geração Y e Z, desfrutam de uma abundância de informações e demonstram uma consciência ecológica claramente maior do que a das gerações anteriores. Suas posições, seja na Internet ou durante reuniões formais como a COP, revelam raiva, medo do futuro e indignação. Eles fazem suas vozes serem ouvidas onde quer que lhes seja dada a oportunidade e, quando não é o caso, eles criam oportunidades de rebelião: “Sexta-feira para o futuro!” Eles cantam toda sexta-feira para reivindicar um futuro virtuoso. Mas esse medo do futuro, embora legítimo, gera ao mesmo tempo um sentimento de ecoaniedade. Com efeito, fora das grandes manifestações, quando estão em frente à televisão, na escola, com a família, estes jovens não sentem qualquer sinal de esperança para o planeta em constante degeneração. Eles são consumidos pela eco-ansiedade, solidão ou até mesmo pelo desconforto de estar em um planeta que está literalmente queimando a um ritmo infernal, por causa de nossas ações. Assim, eles desenvolvem o medo do que a humanidade será em 10, 20, 30 anos ...

Esse golpe do blues leva à autoculpa, um mal-estar mantido pelo medo de um futuro decididamente terrível, de um lado, e o desespero de uma luta condenada, do outro.

O peso do excesso de informações e ideias preconcebidas


A calota polar atingiu seu ponto sem retorno na Groenlândia. Mesmo se conseguirmos conter a mudança climática, essa parte do gelo marinho permanecerá irrecuperável. Esse cenário era evitável? É a primeira vez na história?

As tentativas de explicar esse tipo de catástrofe climática vão em todas as direções. As idéias recebidas são generosamente destiladas e extremamente virais. Escolher as informações mais relevantes nesta infobesidade torna-se o verdadeiro desafio. É difícil neste século XXI ter uma ideia justa das notícias ecológicas, devido aos meios de comunicação que se estabeleceram ao longo do tempo como verdadeiras alavancas de moralização da sociedade. Não se trata mais de apenas dar informações para informar ações. O espaço da mídia se tornou, para muitos atores, a ágora de grande expertise, por mais variada e polêmica que seja. Ao contrário, há jovens consumidores cada vez mais ansiosos e com medo do que se anuncia para o nosso planeta dentro de 21 anos.

Nesta época, onde o exagero de fatos e causas vende melhor, o prazer de aprender e cultivar rapidamente se transforma em ansiedade. Sobre a polêmica questão do consumo de carne, por exemplo, há dois anos, o apresentador Nagui tirou os profissionais da pecuária de seu silêncio, ao afirmar na televisão que a carne vermelha poluía mais do que qualquer outra coisa. Assim, despertou um velho debate que opunha as estatísticas da FAO sobre gado às estatísticas do IPCC sobre transporte. A parcela das emissões do setor pecuário, levando em consideração as emissões diretas e indiretas, parece ser maior do que a parcela das emissões do transporte em circulação. Essa comparação, várias vezes rejeitada, mas ainda popular, não deveria ter sido feita segundo alguns especialistas, visto que os dois estudos não se baseavam nos mesmos métodos de cálculo. Os jovens, portanto, geralmente participam de fóruns de mídia que hiperbolizam e extrapolam fatos, contribuindo inerentemente para seu moral.

Fatos pesados ​​e entourage

Afogada em um dilúvio de informações alarmistas, a ecologia continua a desencadear paixões e criar forte angústia, a ponto de começar a se desenvolver em muitos jovens que não levam mais longe como Beatrice, sintomas de 'eco-ansiedade.

Como Greta Thunberg, Béatrice percebeu desde muito cedo o impacto de suas atividades nos ecossistemas. Acompanha notícias ambientais e sabe em que consiste sua pegada ecológica. Nas redes sociais, ela se interessa por todas as dicas que podem ajudá-la a reduzir seu impacto nos ecossistemas, mas sente que está fazendo pouco. Enquanto ela trabalha para reduzir a ingestão de carne, ela recebe regularmente vídeos de sua amiga vegana, Rebecca, mostrando o tratamento dado aos animais em matadouros e explicando a toxicidade da criação de gado. Ontem, ela estava acompanhando o debate nuclear com George depois de assistir a um documentário sobre o derretimento de geleiras. Há alguns meses, Mamadou disse-lhe que o telefone que ela segurou durante dois anos e que lhe custou as economias provém das minas do Congo e da exploração de crianças.

Ela que adora chocolate, a investigação do cacau marfinense, revelando a exploração das crianças, fez com que perdesse o apetite pelos derivados desta matéria-prima. Perturbada, ela quer fazer sua parte para revolucionar o mundo porque, como o Beija-flor, acredita na ação dos pequenos gestos diários. Ela vive todos os dias com o desejo de fazer melhor, mas se sente culpada por não poder fazer mais. Neste domingo, após consultar um artigo sobre a explosão populacional, ela tomou uma decisão importante: aderir à ideologia carregada pelo movimento GINKS (Green Inclinations No Kids). Este movimento defende a renúncia à ideia de procriar. Por querer preservar o planeta de outras bocas para alimentar e de outros corpos para vestir, Béatrice decidiu não ter filhos. Além disso, na semana passada, ela não pôde ir à marcha pelo clima porque estava cansada e não muito motivada.

Beatrice faz um esforço, mas toda vez que tenta acompanhar as notícias ambientais, seu moral é atingido. No final das contas, ela se sente inútil, apesar de sua cabaça, sua comida orgânica, suas compras a granel, a escolha de produtos locais e artesanais, seu ativismo ecológico e sua decisão de não ter filhos. Beatrice realmente sofre de ansiedade ecológica. Seus amigos ironicamente a chamam de “senhora orgânica”. Essa pressão da causa ambiental se transformou em pressão social e se materializa em sua terrível intolerância quando vai a um shopping, supermercado e até mesmo quando vai a artesãos locais. Para se libertar desse estado, Béatrice deve estar mais bem informada, dar um passo atrás e talvez aprender a valorizar sua juventude de uma forma diferente.

Saiba mais e dê um passo atrás para agir melhor

São milhares de “Beatriz” hoje, esses jovens, afetados pela informação apocalíptica e cujo moral desce cada vez que se anuncia um aumento da temperatura terrestre. Eles se alimentam de informações calibradas sobre tópicos realmente maiores e, muitas vezes, desenvolvem inconscientemente sinais de ansiedade ecológica que os impedem de viver e exercer um compromisso correto. Para curá-lo, distanciar-se das informações sintetizadas na imprensa online está se mostrando um caminho importante.

Libertar-se da influência da mídia não é a solução definitiva. Seria até mesmo perder dados essenciais de engajamento. Por outro lado, poderíamos integrar algumas predisposições. Uma das primeiras coisas a entender é que as boas novas não se espalham. Por outro lado, as más notícias rapidamente se espalham pelo mundo porque provocam mais reações. O segundo elemento a integrar é que, quando não nos documentamos à luz de várias fontes sobre o assunto que nos interessa, corremos o risco de estar apenas por dentro em vez de compreender. O terceiro elemento a integrar é que tanto a notícia pode ser marcada pelo mesmo acontecimento dando o efeito de urgência, quanto pode transmitir informações falsas que pela força da repetição dão o mesmo efeito. Também é importante ter em mente que se tem o direito de pensar, questionar, seguir e não seguir.

Todo cidadão tem o direito de escolher sua forma de se envolver. Todas as contribuições, sejam de mídia, científicas ou políticas, devem estar alinhadas com a diversidade de crenças e deixar margens para que os cidadãos tomem suas próprias decisões. Porque se o objetivo almejado há alguns anos pela mídia é despertar nos jovens um sentimento de culpa para forçá-los a agir melhor, o resultado continua muito misto. Com efeito, apesar da contribuição da mídia para o despertar da consciência ecológica dos jovens por meio de mensagens aterrorizantes, os hábitos permanecem consumistas. Os jovens são, portanto, ecologicamente conscientes, mas muitos são esses jovens que não veem mais sentido em se privar de certos hábitos de consumo, já que, em todo caso, a mídia anuncia de forma avassaladora o apocalipse ecológico em todos os continentes. É hora de mudar de estratégia.

Yves-Landry Kouame
anexos
© SEJA SENSÍVEL A SEU AMBIENTE (4) .png
2 x

Avatar de l'utilisateur
Forhorse
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2151
Inscrição: 27/10/09, 08:19
Localização: Perche Ornais
x 156

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela Forhorse » 20/03/21, 08:02

Vá mais um cético climático no forum... acho que teremos que renomear o site eventualmente porque tendo em vista todos os assuntos desse tipo que abundam no forum, estamos muito distantes da ideia que motivou sua criação.
2 x
eclectron
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2673
Inscrição: 21/06/16, 15:22
x 371

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela eclectron » 20/03/21, 08:39

Yves-Landry Kouamé escreveu:Porque se o objetivo almejado há alguns anos pela mídia, é despertar nos jovens um sentimento de culpa para forçá-los a agir melhor, o resultado continua muito misto.

A mídia não tem a intenção de "despertar nos jovens um sentimento de culpa para forçá-los a agir melhor"
O objetivo da mídia é criar um burburinho para vender (sua sopa).
O medo é um dos melhores ganchos, só isso.
E acontece que algumas verdades afetam cérebros menos corrompidos pela vida.
Não há absolutamente nenhuma consistência nas linhas editoriais da mídia.
No mesmo noticiário, nos daremos os parabéns pela bolsa de valores que levou 3 pontos e lamentaremos um urso polar em busca de seu bloco de gelo, sem fazer a ligação entre causa e efeito ...

É justamente essa falta de coerência, essa hipocrisia, essa apatia da mídia e da sociedade como um todo que revolta ou angustia os jovens. E está certo!

Não há necessidade de inventar o “discurso do direito com opinião diversa”, aliás, muitas vezes defendido pelos céticos, para tentar justificar a incoerência, a inércia da nossa sociedade, face às questões atuais.
Existem alguns fatos suficientemente significativos e indiscutíveis: a RCA e a escassez de combustíveis fósseis (para não dizer recursos em geral, mesmo renováveis), para justificar ser coerente, exigir ação, exigir uma sociedade coerente.
Sim, quando somos jovens, temos o direito de reclamar.
Mais velhos, temos o direito, até mesmo o dever, de agir.

A ansiedade vem da sensação de impotência para poder mudar as coisas de maneira significativa.
Só a ação pode superar essa ansiedade.

Receio que o direito a uma opinião diferente reivindicado aqui seja chamado de negação.

Eu retenho "Quem tem o privilégio de saber tem o dever de agir".
0 x
https://i.pinimg.com/564x/94/3d/47/943d ... dcb276.jpg
"Se você luta contra algo, você lhe dá mais energia" E.Tolle
Avatar de l'utilisateur
Exnihiloest
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2973
Inscrição: 21/04/15, 17:57
x 212

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela Exnihiloest » 20/03/21, 18:29

Yves-Landry Kouamé escreveu:...
Todo cidadão tem o direito de escolher sua forma de se envolver. Todas as contribuições, sejam de mídia, científicas ou políticas, devem estar alinhadas com a diversidade de crenças e deixar margens para que os cidadãos tomem suas próprias decisões. Porque se o objetivo almejado há alguns anos pela mídia é despertar nos jovens um sentimento de culpa para forçá-los a agir melhor, o resultado continua muito misto. Com efeito, apesar da contribuição da mídia para o despertar da consciência ecológica dos jovens por meio de mensagens aterrorizantes, os hábitos permanecem consumistas. Os jovens são, portanto, ecologicamente conscientes, mas muitos são esses jovens que não veem mais sentido em se privar de certos hábitos de consumo, já que, em todo caso, a mídia anuncia de forma avassaladora o apocalipse ecológico em todos os continentes. É hora de mudar de estratégia.

Yves-Landry Kouame

Se o ecologismo fosse um movimento positivo, para encontrar soluções tecnológicas inovadoras e menos poluentes, mas também eficazes, ou para mostrar pelo exemplo como viver mais ecologicamente, não geraria ansiedade, as pessoas se apropriariam das soluções espontaneamente ou seguiriam o exemplo sem estresse.

Mas ecologismo não é nada disso, não é ecologia. É uma corrente ideológica político-religiosa cuja ecologia é apenas o pretexto. E essa corrente está constantemente fazendo proselitismo. Porém, para reunir membros, para despertar o medo do futuro, afirmando que o ecologismo tem soluções, este é o método. O catolicismo o usa há séculos, exacerbando o medo do inferno, ele funciona.

O ecologismo, portanto, cria artificialmente a gravidade dos problemas para aí colocar suas soluções, isto é, colocar ali o dogma que deseja que o mundo siga. Afirma-se que problemas raros são onipresentes, problemas benignos são destruídos, problemas até são criados do nada, quando não há nenhum.
Obviamente, tudo isso tem um impacto na psicologia das pessoas que são fracas de pensamento crítico ou inadequadas para a sociedade e que desejam sua vingança. Eles não percebem o quanto são manipulados e não relativizam de forma alguma que as desvantagens das atuais soluções mais ou menos poluentes são o reverso das vantagens de que se beneficiam, em particular pelo seu nível de vida, enquanto o a chamada solução resultante do dogma ecológico vai querer que eles renunciem a ele mesmo quando a relação vantagem / desvantagem é amplamente a favor das velhas soluções.
Foi assim que vimos na Austrália um movimento ambientalista para banir ou reduzir os tradicionais incêndios preventivos no mato, por causa dos pássaros, com a conseqüência de que grandes incêndios foram então iniciados, matando não só muito mais pessoas. 'Pássaros, mas também humanos . Visto do meio, está tudo bem, quanto mais incêndios há, mais podem causar medo.

As únicas soluções do ambientalismo são "você precisava disso, você usou isso, vamos privar você disso". Não é resolver problemas desenvolvendo soluções, é remover problemas. Mas esses problemas eram as desvantagens das soluções postas em prática para atender às nossas necessidades e outros problemas mais sérios, que por sua vez, sempre voltam. Uma regressão por causa do movimento ambientalista é um risco real muito mais preocupante do que o aquecimento global.

Além disso, existem atividades feitas com uma perspectiva realmente ecológica por pessoas preocupadas com o meio ambiente, que pensam que a ecologia passa antes de tudo pela ação individual, dão o exemplo, mas não são eles.
Infelizmente, aqueles que ouvimos são os gritadores politizados, como o fanático Greta, Al Gore e companhia, os campeões da manipulação pelo medo, e aqui todos os seus seguidores condicionados, os campeões da fidelidade ao dogma.
0 x
Avatar de l'utilisateur
Exnihiloest
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2973
Inscrição: 21/04/15, 17:57
x 212

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela Exnihiloest » 20/03/21, 18:48

Forhorse escreveu:Vá mais um cético climático no forum... acho que teremos que renomear o site eventualmente porque tendo em vista todos os assuntos desse tipo que abundam no forum, estamos muito distantes da ideia que motivou sua criação.

A ideia pode ter sido complicada e precisa ser reformulada. É como a ideia do comunismo, muito boa no início, e depois vimos os estragos na URSS ou na China. Ao contrário dos dias do comunismo, hoje todos podem se expressar facilmente no forum e redes sociais, a fala não pode mais ser monopolizada por uma festa, muito ruim para o meio ambiente, né?
É bastante positivo que haja pessoas críticas aqui que são capazes de ver as falhas em uma ideologia em ascensão antes que ela cause o mesmo dano que o comunismo fez. A liberdade de expressão ajuda a despertar mentes abertas e indecisas e garante diversidade de pontos de vista. Quanto à cegueira e a priori, aí nada poderá fazer senão estas são as vociferantes minorias de que falei acima, os fundamentalistas, aqueles que ouvimos muito mas que não fazem nada a não ser vociferar, que obviamente não devem despertar, ao impossível ninguém é necessário, mas para eliminar politicamente. Especialmente se nos preocupamos com a ecologia.
0 x

eclectron
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2673
Inscrição: 21/06/16, 15:22
x 371

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela eclectron » 20/03/21, 19:18

Exnihiloest escreveu:
Yves-Landry Kouamé escreveu:...
Todo cidadão tem o direito de escolher sua forma de se envolver. Todas as contribuições, sejam de mídia, científicas ou políticas, devem estar alinhadas com a diversidade de crenças e deixar margens para que os cidadãos tomem suas próprias decisões. Porque se o objetivo almejado há alguns anos pela mídia é despertar nos jovens um sentimento de culpa para forçá-los a agir melhor, o resultado continua muito misto. Com efeito, apesar da contribuição da mídia para o despertar da consciência ecológica dos jovens por meio de mensagens aterrorizantes, os hábitos permanecem consumistas. Os jovens são, portanto, ecologicamente conscientes, mas muitos são esses jovens que não veem mais sentido em se privar de certos hábitos de consumo, já que, em todo caso, a mídia anuncia de forma avassaladora o apocalipse ecológico em todos os continentes. É hora de mudar de estratégia.

Yves-Landry Kouame

Se o ecologismo fosse um movimento positivo, para encontrar soluções tecnológicas inovadoras e menos poluentes, mas também eficazes, ou para mostrar pelo exemplo como viver mais ecologicamente, não geraria ansiedade, as pessoas se apropriariam das soluções espontaneamente ou seguiriam o exemplo sem estresse.

Mas ecologismo não é nada disso, não é ecologia. É uma corrente ideológica político-religiosa cuja ecologia é apenas o pretexto. E essa corrente está constantemente fazendo proselitismo. Porém, para reunir membros, para despertar o medo do futuro, afirmando que o ecologismo tem soluções, este é o método. O catolicismo o usa há séculos, exacerbando o medo do inferno, ele funciona.

O ecologismo, portanto, cria artificialmente a gravidade dos problemas para aí colocar suas soluções, isto é, colocar ali o dogma que deseja que o mundo siga. Afirma-se que problemas raros são onipresentes, problemas benignos são destruídos, problemas até são criados do nada, quando não há nenhum.
Obviamente, tudo isso tem um impacto na psicologia das pessoas que são fracas de pensamento crítico ou inadequadas para a sociedade e que desejam sua vingança. Eles não percebem o quanto são manipulados e não relativizam de forma alguma que as desvantagens das atuais soluções mais ou menos poluentes são o reverso das vantagens de que se beneficiam, em particular pelo seu nível de vida, enquanto o a chamada solução resultante do dogma ecológico vai querer que eles renunciem a ele mesmo quando a relação vantagem / desvantagem é amplamente a favor das velhas soluções.
Foi assim que vimos na Austrália um movimento ambientalista para banir ou reduzir os tradicionais incêndios preventivos no mato, por causa dos pássaros, com a conseqüência de que grandes incêndios foram então iniciados, matando não só muito mais pessoas. 'Pássaros, mas também humanos . Visto do meio, está tudo bem, quanto mais incêndios há, mais podem causar medo.

As únicas soluções do ambientalismo são "você precisava disso, você usou isso, vamos privar você disso". Não é resolver problemas desenvolvendo soluções, é remover problemas. Mas esses problemas eram as desvantagens das soluções postas em prática para atender às nossas necessidades e outros problemas mais sérios, que por sua vez, sempre voltam. Uma regressão por causa do movimento ambientalista é um risco real muito mais preocupante do que o aquecimento global.

Além disso, existem atividades feitas com uma perspectiva realmente ecológica por pessoas preocupadas com o meio ambiente, que pensam que a ecologia passa antes de tudo pela ação individual, dão o exemplo, mas não são eles.
Infelizmente, aqueles que ouvimos são os gritadores politizados, como o fanático Greta, Al Gore e companhia, os campeões da manipulação pelo medo, e aqui todos os seus seguidores condicionados, os campeões da fidelidade ao dogma.

O que você propõe na frente do demônio verde?
O que você propõe para gerenciar a finitude dos fósseis (e todos : Mrgreen: )?
0 x
https://i.pinimg.com/564x/94/3d/47/943d ... dcb276.jpg
"Se você luta contra algo, você lhe dá mais energia" E.Tolle
Avatar de l'utilisateur
Forhorse
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2151
Inscrição: 27/10/09, 08:19
Localização: Perche Ornais
x 156

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela Forhorse » 20/03/21, 19:35

ele se propõe a fazer o avestruz, nada mais.
0 x
eclectron
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2673
Inscrição: 21/06/16, 15:22
x 371

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela eclectron » 20/03/21, 19:59

Forhorse escreveu:ele se propõe a fazer o avestruz, nada mais.

Sim, mas eu quero que ele diga isso :ri muito: :ri muito: :ri muito:

Ele dirá para deixar o mercado ir, para dar ao povo a iniciativa de resolver o problema.
Mas como o problema é estrutural, devido ao sistema capitalista, não basta a ação individual, precisamos da ação coletiva.
Claramente formar um grupo de pessoas com espírito ecológico, realizando ações ecológicas.
Um grupo que poderia ser chamado de festa ambiental? :ri muito: :ri muito: :ri muito:
Ah, não é fácil justificar as inconsistências do liberalismo ... : Roll:
0 x
https://i.pinimg.com/564x/94/3d/47/943d ... dcb276.jpg
"Se você luta contra algo, você lhe dá mais energia" E.Tolle
ABC2019
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 6813
Inscrição: 29/12/19, 11:58
x 305

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela ABC2019 » 21/03/21, 08:24

eclectron escreveu:Existem alguns fatos suficientemente significativos e indiscutíveis: RCA e a escassez de combustíveis fósseis

é em si mesmo inconsistente dizer que as duas são indiscutíveis, uma vez que são contraditórias. Se houver escassez de combustíveis fósseis em um futuro próximo, isso necessariamente limitará o RCA a valores modestos.
0 x
eclectron
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 2673
Inscrição: 21/06/16, 15:22
x 371

Re: Eco-ansiedade: o grande desconforto da juventude ecológica




pela eclectron » 21/03/21, 08:45

ABC2019 escreveu:
eclectron escreveu:Existem alguns fatos suficientemente significativos e indiscutíveis: RCA e a escassez de combustíveis fósseis

é em si mesmo inconsistente dizer que as duas são indiscutíveis, uma vez que são contraditórias. Se houver escassez de combustíveis fósseis em um futuro próximo, isso necessariamente limitará o RCA a valores modestos.

O que você toma de manhã? Pare imediatamente, isso causa "raciocínio de 2 bolas".
Hoje não existe RCA?
Hoje não há mais combustíveis fósseis?
Basicamente, estamos com a metade do estoque de fósseis, então a RCA não vai acabar tão cedo, o que você sabe com certeza.
Então, suas considerações subjetivas e acima do solo, RCA séria ou não séria, desde que não milhões de RCA estampados mortos, deixo-os no seu café da manhã ... : Roll:
1 x
https://i.pinimg.com/564x/94/3d/47/943d ... dcb276.jpg
"Se você luta contra algo, você lhe dá mais energia" E.Tolle


Voltar a "Saúde e Prevenção. Poluição, causas e efeitos dos riscos ambientais "

Quem está online?

Usuários navegando neste forum : Bing [Bot] e os hóspedes 19