Saúde e prevenção. Poluição, causas e efeitos dos riscos ambientaisEpidemia, desigualdade e redistribuição de riqueza

Como manter-se saudável e prevenir riscos e consequências sobre a sua saúde e da saúde pública. doença profissional, riscos industriais (amianto, poluição do ar, ondas eletromagnéticas ...), o risco de empresa (o estresse no trabalho, o uso excessivo de drogas ...) e individual (tabaco, álcool ...).
Avatar de l'utilisateur
Christophe
mediador
mediador
mensagens: 52864
Inscrição: 10/02/03, 14:06
Localização: planeta Serre
x 1297

Epidemia, desigualdade e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela Christophe » 15/03/20, 18:25

Esta é a tese deste artigo da Mediapart ... mas como não sou assinante, não tenho acesso a todo o artigo que me parece interessante ...

A pandemia de coronavírus pode ser o grande nivelador de desigualdades?
15 DE MARÇO DE 2020 POR GODIN ROMARIC

À medida que as bolsas de valores caem e a crise atinge as empresas, pode-se questionar se o coronavírus pode indiretamente, como as grandes pandemias do passado, reduzir as desigualdades. Mas é a política que terá a última palavra.

Desde 11 de março, a epidemia de doença de coronavírus Covid-19 se tornou uma pandemia. O último está se espalhando em um mundo onde, com raras exceções, as desigualdades aumentaram tremendamente. Juntamente com a questão climática, esse é o principal desafio para a próxima década. Contudo, grandes epidemias historicamente têm sido forças poderosas para a redistribuição da riqueza e a redução das desigualdades. Daí a pergunta: o coronavírus pode levar a um reequilíbrio maciço e ao fim do que Thomas Piketty chama de era dos proprietários?


Cara não se inscreveu por acaso ??
0 x
Ce forum ajudou você? Ajude-o também para que ele possa continuar ajudando os outros - Publicar um artigo sobre Econologia e Google Notícias

Avatar de l'utilisateur
GuyGadebois
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 5371
Inscrição: 24/07/19, 17:58
Localização: 04
x 526

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela GuyGadebois » 15/03/20, 19:22

Christophe escreveu:você]
Cara não se inscreveu por acaso ??

Acabei de receber uma assinatura de 1 roro.
A seguir:

Os exemplos de reequilíbrio das fortunas ligadas a uma pandemia são emprestados de períodos pré-capitalistas. O exemplo mais bonito é o da peste negra de 1347-1348. Em seu trabalho O Grande Nivelador - Violência e História da Desigualdade, publicado em 2017 nas Edições da Universidade de Princeton (e não traduzido), o historiador conservador Walter Scheidel descreve o fenômeno.

Essa terrível epidemia foi causada por uma bactéria, Yersinia pestis, que, originária dos confins do deserto de Gobi, se espalhou por pulgas de ratos por toda a Ásia. Foi transportado para a Europa em 1347 pelo tráfego de navios genoveses entre a Itália e a Crimeia. Em dois anos, a epidemia matará entre 25 e 45% da população européia. O sangramento será tão forte que um país como a Inglaterra, dentro de suas fronteiras na época, não encontrará seu nível de população antes da peste negra até o início do século XVIII, 450 anos depois, portanto ...

O efeito desse derramamento de sangue na economia e na desigualdade foi considerável. Para perceber isso, devemos lembrar que a economia da época era amplamente dominada pela agricultura. A capital da época era principalmente a propriedade da terra, e o trabalho também era em grande parte o da terra. Durante os séculos XII e XIII, o que Jean Gimpel chamou de "a revolução industrial da Idade Média" (melhor acesso à energia, melhoria do acoplamento do cavalo de tração, novas técnicas de semeadura e colheita) permitiu melhorar as técnicas agrícolas e aumentar a produtividade do capital terrestre. A população aumentou bastante desde que a Terra foi capaz de alimentar mais homens.

No início do século XIV, havia, portanto, uma situação favorável para a capital: o trabalho era abundante e menos necessário, portanto, muito barato, enquanto a terra oferecia retornos generosos. As desigualdades são, portanto, naturalmente altas. Na realidade, a situação já começou a se deteriorar com uma mudança no clima que afeta os rendimentos e uma desaceleração da produtividade. Mas é o trabalho que se ajusta pelo seu custo. Na primeira metade do século XIV, a situação das massas trabalhadoras se deteriorou e as desigualdades aumentaram ainda mais em favor da nobreza do proprietário. A peste negra mudará profundamente essa situação.

O acentuado declínio da população cria um desequilíbrio imediato a favor do trabalho. A praga não afetou a capital, a terra. Por outro lado, há menos trabalho para desenvolvê-lo. Capital demais, mão-de-obra insuficiente: o retorno da terra cai e o custo da mão-de-obra aumenta. Os salários estão explodindo. A tal ponto que em 1349, a Coroa Inglesa deve, em sua Portaria de Arados, ordenar a fixação de salários em seu nível de 1346. Um congelamento salarial que terá pouco efeito. Os cálculos dos economistas apontam para um aumento acentuado dos salários na Europa até meados do século XV.

Esse fenômeno reduziu a desigualdade. O custo de manutenção da terra se torna mais pesado, os excedentes capturados pelos proprietários diminuem. Na Inglaterra, Walter Scheidel descreve um fenômeno de rebaixamento das classes de proprietários após a peste negra, enquanto o rendimento da terra foi reduzido de 30% para 50%. Os trabalhos de Guido Alfani sobre um índice de Gini (índice que mede a diferença entre a maior e a menor renda, sendo 1 o nível máximo de desigualdade) reconstruídos no Piemonte mostram uma queda no índice de 0,45 em 0,31 entre 1300 e 1450, em seguida, um aumento com um retorno a 1650 em 0,45. O fenômeno também é visto em outras cidades italianas.

Este movimento não é suave. As classes dominantes usarão todos os seus poderes extra-econômicos para combater o fenômeno. Mencionamos o congelamento salarial decidido na Inglaterra, mas poderíamos adicionar um aumento nos impostos trabalhistas usados ​​para financiar guerras e, portanto, renda adicional à nobreza. Essa política anti-redistributiva levará a inquietação: a revolta de Etienne Marcel na França em 1356, a revolta dos camponeses ingleses em 1381, o movimento hussita na Boêmia e na Alemanha no início do século XV com um discurso social igualitário. Gradualmente, no entanto, as elites retomarão o controle, impondo uma contra-redistribuição graças a um estado absolutista fortalecido, como na França, ou graças ao desenvolvimento da mercantilização da terra como na Inglaterra.

Os outros exemplos apresentados por Walter Scheidel, da praga de Antonine no século II às epidemias que dizimaram os nativos do Novo Mundo no século XNUMX, seguem o mesmo padrão: os estragos na força de trabalho das epidemias desequilibram o capital a favor de trabalho. O capital está enfraquecendo e a desigualdade se estreitando até que novas formas de controle do trabalho possam devolver aos proprietários a vantagem. Walter Scheidel usa esses casos para impor sua idéia: paz e prosperidade são períodos de desigualdade, guerra e epidemias, momentos de contração dos últimos. Mas, na realidade, a reação das elites nem sempre é pacífica, longe disso. Pelo contrário, parece que as consequências da tragédia dão origem a intensas lutas entre grupos sociais e ideologias. E são essas lutas que determinam o retorno das desigualdades.

A última palavra na política

Mas então, como a atual pandemia poderia atuar sobre as desigualdades? O sistema econômico atual é muito diferente do da peste negra: o capital é mais diversificado, menos tangível e o trabalho mais móvel. O motor da economia é a circulação do capital, não apenas o aluguel da terra. Consequentemente, em um sistema capitalista, a abundância de capital não é, por si só, um obstáculo à sua avaliação, pode ser reinvestida ou circular nos mercados financeiros. Por outro lado, a era anterior ao surgimento do coronavírus mostrou que baixas taxas de desemprego poderiam ser acompanhadas de baixo crescimento salarial e crescente desigualdade. Este foi o caso nos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

Como já mencionado, estudos econômicos mostraram que a gripe espanhola de 1918-1919 reduziu a renda do capital, mas não teve efeito decisivo sobre o trabalho. Além disso, o exemplo é difícil de usar, uma vez que essa pandemia foi incorporada às conseqüências da Primeira Guerra Mundial, que levaram, por razões políticas, a uma repressão financeira pela inflação ed ampliação dos direitos trabalhistas. Dito isto, ainda vemos que o efeito direto das pandemias na desigualdade é frequentemente dissolvido nas políticas a seguir.

Tentar ver claramente os efeitos da atual pandemia na desigualdade é muito difícil por uma razão essencial: ainda não sabemos o impacto geral do Covid-19 na população trabalhadora. Mas esse efeito, como em 1919, pode não ser suficiente. No geral, o aumento das desigualdades desde a década de 1970 pode ser explicado, como destaca Thomas Piketty ou, mais recentemente, Emmanuel Saez e Gabriel Zucman, por uma política muito favorável aos detentores de capital. A menor tributação dos ricos, a mobilidade do capital, as “reformas estruturais” que dão mais poder ao capital sobre o trabalho e, de 2008 a 2009, o apoio direto dos bancos centrais aos mercados financeiro e imobiliário , são os principais elementos desse desequilíbrio que levaram à situação atual.

Essa pandemia certamente enfraquece brutalmente o capital e, portanto, reduz a desigualdade na mesma quantidade. Os mercados financeiros estão escorregando e as cadeias de valor internacionais são interrompidas. Acima de tudo, o choque da demanda reduzirá a lucratividade corporativa. Mas o mundo do trabalho também está se adaptando às demissões e corte de salários. O choque sobre o capital é, portanto, transmitido ao mundo do trabalho, que compensa parcialmente o declínio das desigualdades, mas o fenômeno é mais difuso.

Passado esse fenômeno de crise, tudo ainda precisa ser feito. Pode-se imaginar, assim, que as autoridades públicas decidiram apoiar a demanda das famílias por um ambiente mais favorável para redes de trabalho e segurança social, o que reduziria o reequilíbrio que acabamos de descrever. Poderíamos então entrar em um sistema de redução de desigualdades onde o Estado poderia organizar os investimentos necessários para compensar a deterioração do capital privado.

Mas o precedente da crise de 2008 exige cautela. Se o arcabouço intelectual não muda, em outras palavras, se a dominação da idéia segundo a qual o capital gera atividade e emprego não é posta em causa, as políticas públicas terão, como após a crise do subprime , pela ambição de reparar as perdas de capital, mesmo à custa do trabalho. Foi assim que a desigualdade começou a aumentar novamente depois de 2008, apesar do forte golpe da crise. Políticas fiscais, austeridade e reformas estruturais desempenharam esse papel de contrapeso.

Porque, diferentemente da época da peste negra, o capital também é degradado pelas conseqüências econômicas da pandemia. Onde antes a terra permaneceu intacta e, portanto, abundante, o capital industrial e, acima de tudo, o capital fictício e financeiro, são fortemente afetados. Portanto, o desequilíbrio não é o mesmo. Portanto, o trabalho não se torna necessariamente escasso hoje e a ação política pode se concentrar na defesa dos interesses do capital, a famosa "política de suprimentos", que está no centro das respostas de emergência. Ao mesmo tempo, reformas estruturais, que enfraquecem o trabalho, não são questionadas precisamente em nome dessa política de suprimentos. Em suma, as políticas desiguais descritas acima dificilmente são questionadas, mas, pelo contrário, podem emergir fortalecidas da crise.

A diferença com o período medieval está nos meios utilizados. Num sistema feudal, o aluguel da terra deve ser protegido pelo poder político do jogo do mercado favorável ao trabalho. Daí o “salário máximo” inglês de 1349. Sob o regime capitalista, as instituições devem promover a mercantilização para enfraquecer o trabalho. Nos dois casos, os estados jogam a favor de um regime desigual. Thomas Piketty diria que as narrativas de apoio são diferentes, mas também os modos de produção. O resultado é o mesmo: impedir que o choque externo se torne um "grande nivelador". E o método contemporâneo parece mais rápido e eficiente desse ponto de vista do que o método medieval.

E esta é a verdadeira novidade aqui: a pandemia não é mais um fator determinante na mudança do regime de desigualdades ao longo do tempo. O capitalismo neoliberal sabe como enfrentar esses choques para justificar o aumento contínuo das desigualdades. A situação não deve, portanto, levar a renunciar, em nome da urgência do momento, à necessidade de redistribuição social e ao combate à desigualdade. Especialmente porque a crise da saúde destaca a necessidade de investimento público em saúde e uma sólida rede de segurança social para lidar com esse tipo de incerteza radical. Isso pressupõe uma política de redistribuição ou, no mínimo, independência das autoridades públicas dos interesses do capital. Mas o campo da capital, que exige apoio público, não desarma.

Na quinta-feira, 12 de março, o Medef já pediu medidas para "tornar a ferramenta de produção mais competitiva". Durante a pandemia, a guerra social se tornou mais discreta, mas permanece mais relevante do que nunca.
https://www.mediapart.fr/journal/intern ... inegalites?
3 x
“É melhor mobilizar sua inteligência em besteiras do que mobilizar suas besteiras em coisas inteligentes. (J.Rouxel)
"Por definição, a causa é o produto do efeito". (Tryphon)
"360 / 000 / 0,5 são 100 milhões e não 72 milhões" (ABC)
Avatar de l'utilisateur
Christophe
mediador
mediador
mensagens: 52864
Inscrição: 10/02/03, 14:06
Localização: planeta Serre
x 1297

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela Christophe » 15/03/20, 19:35

Obrigado, cara!
0 x
Ce forum ajudou você? Ajude-o também para que ele possa continuar ajudando os outros - Publicar um artigo sobre Econologia e Google Notícias
Avatar de l'utilisateur
GuyGadebois
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 5371
Inscrição: 24/07/19, 17:58
Localização: 04
x 526

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela GuyGadebois » 15/03/20, 20:06

Christophe escreveu:Obrigado, cara!

Nada.
Você não acha que manter as eleições é uma falha grave? Vejo que é tão grande quanto uma casa que, se os resultados do primeiro turno forem um desastre para o governo, este último garantirá que não haja um segundo turno e invalidará a eleição. Enquanto isso, a infecção se espalhará pelas seções eleitorais.
0 x
“É melhor mobilizar sua inteligência em besteiras do que mobilizar suas besteiras em coisas inteligentes. (J.Rouxel)
"Por definição, a causa é o produto do efeito". (Tryphon)
"360 / 000 / 0,5 são 100 milhões e não 72 milhões" (ABC)
Avatar de l'utilisateur
Christophe
mediador
mediador
mensagens: 52864
Inscrição: 10/02/03, 14:06
Localização: planeta Serre
x 1297

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela Christophe » 15/03/20, 20:45

De qualquer forma, o sistema de 2 torres é anti-democrático ...

Se o sistema de 1 turno estivesse em vigor, a França teria sido governada pela extrema direita por um tempo ... como na Bélgica ... : Cry:
0 x
Ce forum ajudou você? Ajude-o também para que ele possa continuar ajudando os outros - Publicar um artigo sobre Econologia e Google Notícias

thibr
boa Éconologue!
boa Éconologue!
mensagens: 381
Inscrição: 07/01/18, 09:19
x 96

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela thibr » 15/03/20, 20:53

Acho que havia menos risco em uma assembleia de voto do que nos parques parisienses lotados ... : Shock:
1 x
Avatar de l'utilisateur
GuyGadebois
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 5371
Inscrição: 24/07/19, 17:58
Localização: 04
x 526

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela GuyGadebois » 15/03/20, 21:17

Christophe escreveu:De qualquer forma, o sistema de 2 torres é anti-democrático ...

Se o sistema de 1 turno estivesse em vigor, a França teria sido governada pela extrema direita por um tempo ... como na Bélgica ... : Cry:

Fora de assunto. Não estou discutindo os méritos ou não do nosso sistema de votação, mas os méritos de manter essas eleições durante uma epidemia, uma situação nunca vista desde antes do meu nascimento em 1961.
0 x
“É melhor mobilizar sua inteligência em besteiras do que mobilizar suas besteiras em coisas inteligentes. (J.Rouxel)
"Por definição, a causa é o produto do efeito". (Tryphon)
"360 / 000 / 0,5 são 100 milhões e não 72 milhões" (ABC)
Avatar de l'utilisateur
Christophe
mediador
mediador
mensagens: 52864
Inscrição: 10/02/03, 14:06
Localização: planeta Serre
x 1297

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela Christophe » 15/03/20, 23:30

Sim e não ... se as eleições não fossem realizadas em 2 turnos ... o debate (e conluio, corrupção ... etc etc) do 2º não existiria! : Mrgreen:
0 x
Ce forum ajudou você? Ajude-o também para que ele possa continuar ajudando os outros - Publicar um artigo sobre Econologia e Google Notícias
Avatar de l'utilisateur
GuyGadebois
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 5371
Inscrição: 24/07/19, 17:58
Localização: 04
x 526

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela GuyGadebois » 16/03/20, 00:10

Christophe escreveu:Sim e não ... se as eleições não fossem realizadas em 2 rodadas ...

..... não estaríamos falando sobre isso. : Cheesy:
0 x
“É melhor mobilizar sua inteligência em besteiras do que mobilizar suas besteiras em coisas inteligentes. (J.Rouxel)
"Por definição, a causa é o produto do efeito". (Tryphon)
"360 / 000 / 0,5 são 100 milhões e não 72 milhões" (ABC)
Avatar de l'utilisateur
Christophe
mediador
mediador
mensagens: 52864
Inscrição: 10/02/03, 14:06
Localização: planeta Serre
x 1297

Re: Epidemia, desigualdades e redistribuição de riqueza

não lu mensagempela Christophe » 16/03/20, 01:33

Bem, muito bom para a democracia, a coroa já terá trazido um pouco mais de democracia para a França!?!?

Quanto ao resto, a coroa será mais assim:



ps: data de quando esta idéia dos 2 se transforma? Napoleão de qualquer maneira! : Mrgreen:
0 x
Ce forum ajudou você? Ajude-o também para que ele possa continuar ajudando os outros - Publicar um artigo sobre Econologia e Google Notícias


Voltar a "Saúde e Prevenção. Poluição, causas e efeitos dos riscos ambientais "

Quem está online?

Usuários navegando neste forum : Não há usuários registrados e convidados 6