Empresa e FilosofiaFrançois Roddier, termodinâmica e da sociedade

debates e empresas filosófica.
moinsdewatt
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 3705
Inscrição: 28/09/09, 17:35
Localização: Isére
x 328

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela moinsdewatt » 26/08/18, 13:10

sen-no-sen escreveu:Verbiage sem fim muito pouco para mim! :|


Faz muito tempo desde que entendi a perda de tempo para ler Janic.
0 x

Janic
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 6461
Inscrição: 29/10/10, 13:27
Localização: Borgonha
x 87

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela Janic » 26/08/18, 13:22

Faz muito tempo desde que entendi a perda de tempo para ler Janic.
Tudo bem, continue assim! : Cheesy: tu es comme Sen no sen, seul ton point de vue n'a de valeur pour toi, alors évite les forums!
0 x
"Nós fazemos ciência com fatos, como é uma casa com pedras, mas uma acumulação de fatos não é mais uma ciência do que um monte de pedras é uma casa" Henri Poincaré
"Ausência de evidência não é evidência de ausência" Exnihiloest
moinsdewatt
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 3705
Inscrição: 28/09/09, 17:35
Localização: Isére
x 328

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela moinsdewatt » 26/08/18, 14:42

Janic escreveu:
Faz muito tempo desde que entendi a perda de tempo para ler Janic.
Tudo bem, continue assim! : Cheesy: tu es comme Sen no sen, seul ton point de vue n'a de valeur pour toi, alors évite les forums!


Eu boicotarei os criacionistas. Point.
0 x
Janic
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 6461
Inscrição: 29/10/10, 13:27
Localização: Borgonha
x 87

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela Janic » 26/08/18, 17:29

Eu boicotarei os criacionistas. Point.
você boicote especialmente o que você não entende e que você não tenta fazer isso! : Cry:
0 x
"Nós fazemos ciência com fatos, como é uma casa com pedras, mas uma acumulação de fatos não é mais uma ciência do que um monte de pedras é uma casa" Henri Poincaré
"Ausência de evidência não é evidência de ausência" Exnihiloest
Avatar de l'utilisateur
sen-no-sen
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 5823
Inscrição: 11/06/09, 13:08
Localização: Alta Beaujolais.
x 283

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela sen-no-sen » 30/09/18, 13:05

127 - Uma moeda ao serviço do bem comum
23 de setembro de 2018
François Roddier

É muito raro ver um empreiteiro defender a noção de bem comum. No entanto, é isso que Philippe Derudder faz em seu último livro intitulado "Uma moeda a serviço do bem comum" (edições Yves Michel). É interessante ver que o autor propõe uma economia de moeda dupla, como eu fiz na Escola de Mineração de Paris (120 ticket).

Philippe Derudder é conhecido por seu apoio a moedas locais complementares por meio de sua associação AISES. O leitor encontrará em seu livro uma descrição muito educativa das propriedades do dinheiro. Assim, em uma pequena história, uma nota falsa é rasgada depois de permitir que um número de pessoas pague suas dívidas. Tudo isso não surpreenderá um cientista que sabe que o dinheiro tem as propriedades formais de um catalisador na química. Assim como um catalisador é regenerado no final de uma reação, qualquer dinheiro emprestado é devolvido assim que o investimento for bem-sucedido.

Misture um volume de oxigênio com dois volumes de hidrogênio: nada acontece. Adicione à mistura um pequeno pedaço de platina: a mistura explode. Portanto, não é surpreendente que alguns autores falem de "violência cambial" (1). Da mesma forma, podemos esperar que uma moeda para servir o bem comum tenha efeitos muito significativos: o desejo, claramente expresso pelo autor, é que uma moeda a serviço do bem comum promove a cooperação, o que é muito louvável.

Infelizmente, o autor parece estar interessado apenas em moedas locais. Numa altura em que a economia está a tornar-se globalizada, não seria melhor reintroduzir moedas comuns a nível nacional? É nessa escala que a cooperação se desenvolveu. Depois do meu discurso na escola de mineração, o economista Jacques Sapir falou longamente sobre a soberania nacional. Em seu livro, Derudder fala de um espaço econômico dedicado ao bem comum (EEBC), mas não fala de uma nação. Os empresários têm medo de alguma soberania nacional?

Uma das leis mais fundamentais da biologia, totalmente verificada quantitativamente, é a chamada lei de seleção dos pais. Nos diz que o grau de cooperação entre dois seres vivos é proporcional ao número de seus genes comuns. Explica a cooperação entre duas formigas do mesmo formigueiro ou entre duas abelhas do mesmo enxame.

No homem, onde as trocas se tornaram culturais, a cooperação é proporcional ao grau de cultura comum. Isto é observado principalmente em nível nacional, porque os indivíduos da mesma nação têm uma história comum. Isso geralmente é traduzido em um idioma comum. Por conseguinte, devemos esperar uma cooperação máxima a nível nacional. Um dos efeitos da globalização é a mistura de culturas. Isso implica uma deterioração da cooperação. Se uma moeda complementar se torna necessária para fortalecer a cooperação, não é no nível nacional que ela deve ser introduzida para ter a melhor chance de sucesso?

Obviamente, o autor tem certa relutância em relação a qualquer ação do Estado. É verdade que a criação de dinheiro pelo Estado sempre teve má imprensa. Isso ocorre porque, historicamente, os estados pagaram suas dívidas criando dinheiro, o que os fez perder valor. Esse não seria mais o caso de uma moeda estadual competindo com uma moeda internacional. Nossos líderes não têm outras palavras em suas bocas do que aquelas de "competição livre e não distorcida", mas quando se trata de dinheiro, não se trata mais de competição, exceto no nível local onde ela continua inofensiva!

Um dos bens básicos é a educação. Imagine pagar professores em moeda local? Seria um retorno a uma educação à la carte, diferente de uma região para outra. Um estado que não tem mais uma educação comum não tem mais uma cultura comum: seus membros deixam de cooperar. Favorecer as moedas locais em uma moeda nacional é promover a cooperação no nível regional em detrimento da cooperação em nível nacional.

Esta questão de escala é muito importante. Encontra-se na biologia sob o nome de diferenciação celular. Este processo essencial distingue as células do fígado das do pulmão ou do coração. Mas quando a diferenciação é em pequena escala, ela se torna patológica: ela é chamada de câncer. Para uma analogia entre nossas sociedades atuais e o câncer, veja meu post no 67.

Em conclusão, minha resposta a Philippe Derudder é: sim, por uma moeda a serviço do bem comum, mas em nível nacional, não em nível local.

(1) Michel Aglietta e André Orléan, Violência do Dinheiro, PUF, 1982.


http://www.francois-roddier.fr/
0 x
"Genius, por vezes, consiste em saber quando parar" Charles De Gaulle.

Ahmed
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 7197
Inscrição: 25/02/08, 18:54
Localização: Borgonha
x 524

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela Ahmed » 30/09/18, 17:35

F. Roddier Utiliza sempre com pertinência analogias que geralmente não nos atrevemos, aqui entre dinheiro e fenômenos físicos. No entanto, não estou convencido da necessidade de uma moeda dupla, nem das teses (mais generosas) de P. Derruder em moedas locais.
Uma afirmação de F. Roddier particularmente atraiu minha atenção:
Um dos efeitos da globalização é a mistura de culturas. Isso implica uma deterioração da cooperação.

Intrinsecamente, pode-se argumentar o contrário: uma vez que é a proximidade de memes que aumenta a cooperação, a disseminação de um substrato comum a todos os seres humanos deve facilitar a compreensão e a unidade; por outro lado e mais profundamente, não confunde causa e conseqüência? A dissolução das solidariedades é um pré-requisito para a disseminação do exponencialismo econômico, de modo que não é de surpreender que, diante da dominação esmagadora da economia sobre a psique humana, os modos anteriores de viver juntos estejam sendo eliminados.
A idéia, ele afirma, a moeda nacional só tem sentido se o primeiro aceita a validade de uma moeda local, que continua a ser demonstrada. I manter, como já mencionado acima, que a divisão entre uma moeda "wide", dedicada à esfera dos bens e moeda "restrito" reservada para trocas sociais apenas confirma a separação existente entre 'comerciante aparência / masculino e o campo de 'cuidado'/ feminino (que também é a linha divisória entre rentável e mais ou menos de caridade. esta é uma oposição vital, no sentido de que este é o segundo aspecto é uma condição da expansão irrestrita do primeiro.

Se formos um pouco mais longe na análise, logo entenderemos que esse segundo setor é uma muleta temporária e que, numa fase posterior do desenvolvimento da tecnosfera, esse ramo já mal considerado será podado tão logo seja não mais usar.
0 x
"Não acredito que acima de tudo que eu te digo."
Avatar de l'utilisateur
sen-no-sen
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 5823
Inscrição: 11/06/09, 13:08
Localização: Alta Beaujolais.
x 283

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela sen-no-sen » 30/09/18, 19:05

Ahmed escreveu:Uma afirmação de F. Roddier particularmente atraiu minha atenção:
Um dos efeitos da globalização é a mistura de culturas. Isso implica uma deterioração da cooperação.

Intrinsecamente, pode-se argumentar o contrário: uma vez que é a proximidade de memes que aumenta a cooperação, a disseminação de um substrato comum a todos os seres humanos deve facilitar a compreensão e a unidade; por outro lado e mais profundamente, não confunde causa e conseqüência?


Acho que ele quis dizer que, ao multiplicar o comércio global, estes se tornaram padronizados, o quantitativo tomou precedência sobre o qualitativo.
A globalização é o resultado de um processo rápido demais para dar origem a uma cultura mundial digna desse nome.
Pois o que é cultura mundial, senão a ideologia dominante do consumo?*
A cooperação internacional é, na verdade, mais um resultado da "predação medida" do que da cooperação verdadeira.

Sociologicamente, este estado de coisas explica em grande parte o fenómeno da delinquência entre jovens de origem imigrante, entre duas culturas, a dos pais, por um lado, e a do país de acolhimento, por outro. Na maioria das vezes acaba por adotar um sincretismo: tradição "fora do chão" e liberalismo econômico, resulta em uma subcultura que resulta na expressão dos impulsos mais primários de nossa espécie.

*A cultura de a sociedade aberta de Georges Soros ou Mc Donald eg, ie "padronização na diversidade".
0 x
"Genius, por vezes, consiste em saber quando parar" Charles De Gaulle.
Ahmed
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 7197
Inscrição: 25/02/08, 18:54
Localização: Borgonha
x 524

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela Ahmed » 30/09/18, 22:35

O quantitativo tem precedência sobre o qualitativo já que o critério de comparação entre todas as coisas é o preço: não importa o conteúdo, a utilidade, o caráter específico, já que é sempre possível relacioná-lo a um denominador comum perfeitamente abstrato; Assim, é possível colocar no mesmo plano um pelúcia e uma bomba com submunições ... :(
A cooperação global é um fato, não uma vontade deliberada de todos, mas uma obrigação anônima e pode ser caracterizada mais precisamente como você descreve: uma predação que não se atreve a dizer seu nome, proporcional ao equilíbrio de poder entre os países. e entre pessoas dentro desses países.
0 x
"Não acredito que acima de tudo que eu te digo."
Avatar de l'utilisateur
sen-no-sen
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 5823
Inscrição: 11/06/09, 13:08
Localização: Alta Beaujolais.
x 283

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela sen-no-sen » 08/12/18, 19:16

Globalização.

O leitor deste blog deve perguntar por que passei dois ingressos sucessivos falando sobre a cultura francesa. A razão é que ela tende a desaparecer. Uma vez considerada a língua diplomática, a língua francesa é cada vez mais substituída pela língua inglesa. Quando viajamos, encontramos em todos os lugares os mesmos aeroportos com a mesma comida internacional, a dos Estados Unidos.

Estamos falando de globalização, mas é a globalização do modelo americano ou mais precisamente o modelo californiano, isto é, da parte dos Estados Unidos que conseguiu (Hollywood, Google, Facebook). Os jovens franceses parecem fascinados por essa cultura. Eles não são os únicos: todos os países desenvolvidos estão se tornando padronizados. Qual é o motivo dessa padronização?

Primeiro para a explosão dos meios de transporte. Minha primeira viagem aos Estados Unidos data do 1950. Naquela época, cruzamos o Atlântico em um transatlântico. O cruzamento durou 5 dias. Na manhã do último dia, vi na neblina a estátua da liberdade: um espetáculo inesquecível. Vinte e oito anos depois, cruzei o mesmo oceano em três horas a bordo do avião supersônico Concorde. Na chegada, peguei meu carro para dormir logo depois, estacionado na beira da estrada. Eu provavelmente teria dormido melhor se tivesse pegado um avião comum. Hoje, o Concorde não existe mais. Teria sido descoberto que o crescimento tem limites?

Depois da explosão do meio de transporte, veio o meio de comunicação. Nos anos 60, você teve que esperar meses 6 para obter o telefone em casa. Hoje, todo mundo tem internet e se comunica com o Facebook. Não só se tem sempre o telefone de alguém, mas é substituído cada vez mais pelos chamados "smartphones", computadores de mão reais que se interconectam uns com os outros.

Mas biólogos nos dizem que a robustez de um ecossistema está ligada à sua interconectividade. Quanto maior a sua interconectividade, mais o ecossistema se desenvolve, mas mais frágil se torna. existe uma interconectividade ótima além da qual o ecossistema tende a colapsar. Vimos que esse resultado pode ser facilmente transferido para as sociedades humanas (bilhete 116). Nossas sociedades atuais têm muita interconectividade. Isso maximiza sua eficiência, isto é, sua capacidade de produzir bens materiais. Promove o que é chamado de crescimento econômico. Mas quanto mais interconectada é uma sociedade, mais ela se torna frágil e, assim que um link cede, tudo pode desmoronar. É o caso de uma sociedade globalizada cuja cultura se torna única. Parece, portanto, tempo para desglobalizar a economia e restaurar a diversidade de culturas.

Eu gostaria de dar aqui um vislumbre de esperança. Uma das características da cultura francesa, que a distingue da cultura inglesa ou alemã, é o senso de igualdade. Emmanuel Todd liga essa característica às regras de herança (ausência de direito de nascimento). O movimento dos coletes amarelos em favor de uma maior igualdade social parece ser a expressão. Ele restaura a esperança: a cultura francesa ainda não desapareceu completamente.


http://www.francois-roddier.fr/
0 x
"Genius, por vezes, consiste em saber quando parar" Charles De Gaulle.
Ahmed
especialista Econologue
especialista Econologue
mensagens: 7197
Inscrição: 25/02/08, 18:54
Localização: Borgonha
x 524

Re: François Roddier, termodinâmica e a sociedade

não lu mensagempela Ahmed » 08/12/18, 19:45

F. Roddier escreveu:
... quanto mais uma sociedade está interligada, mais frágil ela se torna ...

Por outro lado, uma sociedade enfraquecida porque não é mais capaz de satisfazer o que é baseada (trabalho, dinheiro, mercadoria ...) tende a explorar micro nichos através das ferramentas de interconectividade para temporariamente escapar de suas contradições. É assim que a uberização ou novas formas de marketing (profissional ou privado) são desenvolvidas na internet.
0 x
"Não acredito que acima de tudo que eu te digo."




  • tópicos similares
    Respostas
    Visualizações
    mensagem dernier

Voltar a "Sociedade e Filosofia"

Quem está online?

Usuários navegando neste forum : Nenhum usuário registrado e convidado 1