A fusão a frio estagna, de acordo com o DOE

A pedido de um punhado de físicos, o Departamento de Energia (DOE) fez uma avaliação nos últimos meses das pesquisas mais recentes sobre fusão a frio. Audiências foram organizadas e uma publicação analisada por um painel de 18 especialistas. Mas os resultados apresentados não convenceram o órgão governamental de que pouco progresso foi feito em quinze anos, principalmente no que se refere à reprodutibilidade dos experimentos.

A fusão a frio teve sua maior glória em 1989, quando Stanley Pons e Martin Fleischmann, da Universidade de Utah, anunciaram que haviam recriado o processo de liberação de energia que ocorre nas estrelas. em uma simples jarra de água contendo deutério. No entanto, a dificuldade encontrada por outras equipes em repetir este sucesso muito rapidamente desacreditou a fusão a frio e, desde então, apenas um pequeno grupo de cientistas continuou a trabalhar no assunto. Ao abordar o DOE para examinar seus resultados, esses obstinados esperavam obter créditos de pesquisa, mas seu desejo, sem dúvida, será apenas parcialmente atendido. Embora dois terços dos especialistas não estivessem convencidos da realidade das reações nucleares nos experimentos realizados, quase todos disseram que certos aspectos muito específicos da fusão a frio (como a questão do comportamento do hidrogênio na presença de metais) merecia ser considerado para trabalhos futuros. NYT 02/11/04 (Evidências sobre fusão a frio permanecem inconclusivas, novas análises descobertas)

Leia também:  Pedágio para caminhões pesados ​​alemães a partir de janeiro 1er

http://www.nytimes.com/2004/12/02/science/02fusion.html

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *