A fusão nuclear

Pesquisa cooperativa para uma nova fonte de energia: a fusão nuclear.

Palavras-chave: fusão, nuclear, ITER, energia, futuro, electricidade, plasma de hidrogênio

A pesquisa sobre fusão nuclear está em grande movimento: a Europa deu o próximo passo ao decidir construir o reator de fusão ITER em Cadarache. Para apoiar este projeto, pesquisadores do centro de pesquisa Julich uniram forças com as universidades de Bochum e Dusseldorf para fundar o instituto virtual “ITER-relevant Plasma Boundary Physics” (IPBP). Querem, assim, articular ainda mais as suas atividades neste domínio e utilizar os seus múltiplos saberes de uma forma comum. Uma primeira reunião ocorreu no início de dezembro no centro de física Bad Honnef.

Devido à ameaça de escassez de energia que pode ocorrer durante este século, o estudo e o desenvolvimento de novas fontes de energia são de particular importância. Fusão nuclear, que visa reproduzir os mecanismos que ocorrem no sol (fusão de núcleos
(o hidrogênio liberando muita energia, o combustível também é praticamente inesgotável), poderia se tornar uma dessas novas fontes de energia.
A pesquisa internacional de fusão tem, por meio de várias instalações experimentais, que os princípios físicos para a ignição do fogo de fusão são conhecidos. Os pesquisadores agora devem ter sucesso na operação contínua de uma usina de fusão economicamente viável. O próximo passo nessa direção é a cooperação internacional para a construção planejada do reator de fusão experimental ITER com capacidade de 500 megawatts.

Leia também:  PlasmHyRad combustão assistida Radicais de plasma e hidrogênio

A operação contínua depende, em particular, da capacidade dos pesquisadores de gerenciar a carga nas paredes do reator de modo que tenham uma vida útil suficiente. O plasma de fusão na verdade atinge vários milhões de graus próximo às paredes do reator.
Pesquisadores de fusão nuclear do centro de pesquisa Julich decidiram, juntamente com físicos de plasma da Universidade de Ruhr - Bochum e da Universidade de Heinrich Heine em Dusseldorf, estudar em detalhes as interações entre plasma quente e as paredes do
reactor, a fim de contribuir para o êxito do projecto ITER. As três universidades vão reunindo, assim, os seus conhecimentos e as suas diferentes instalações para levar a cabo este projecto apoiado pela Comunidade Helmholtz.

Contatos:
- Dra. Renee Dillinger - Forschungszentrum Julich, 52425 Julich - tel: +49
2461 4771, fax: +49 2461 61 4666 - e-mail:
r.dillinger@fz-juelich.de -
http://www.iter-boundary.de
Fontes: Depeche IDW, Comunicado de imprensa do centro de pesquisa
Julich, 07 / 12 / 2004
Editor: Nicolas Condette,
nicolas.condette@diplomatie.gouv.fr

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *