As guerras do petróleo, continuaram

Em setembro, 1960, em Bagdá, é criada a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), reunindo Venezuela, Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kuwait. A eles se juntarão mais tarde Qatar, Líbia, Abu Dhabi, Equador, Nigéria, Indonésia e Gabão. Tratava-se de unificar as políticas de petróleo dos países membros para garantir preços estáveis ​​e uma renda constante. De fato, isso representou uma luta contra as empresas. No início dos anos 70, a taxa mínima de royalties é definida como 55%. Os preços do petróleo são aumentados e revisados ​​de acordo com a inflação internacional. Essa ofensiva de preços é acompanhada de ações que visam aumentar o controle dos países sobre sua produção: em fevereiro do ano XIX, o presidente Boumediene decide unilateralmente que a Argélia é o acionista majoritário das empresas francesas que operam em seu território e transforma oleodutos e oleodutos. depósitos de gás natural em propriedades do Estado. Medidas semelhantes estão sendo tomadas no Iraque e na Líbia, enquanto outros contratos são renegociados.

Leia também:  Crescimento econômico sem poluição ambiental?

história do petróleo
Preço do barril de petróleo bruto reduzido em dólares de 2000. Clique para ampliar

Em outubro de 73, a Guerra do Yom Kippur continua. Seis países do Golfo Pérsico decidem um aumento de 70% no preço do petróleo. Então eles (sem o Irã, mas com os outros países árabes exportadores de petróleo) decidem por uma queda de 5% na produção a cada mês ", desde que a comunidade internacional não obrigue Israel a evacuar os territórios ocupados em 1967 " Por fim, proclamam o embargo aos Estados Unidos, protetores do estado hebraico, e estendem a medida aos Países Baixos, Portugal, Rodésia e África do Sul. Em dois meses, o preço do barril quádruplo (de US $ 3 a US $ 11,65).
Assim, a guerra do 73 torna possível reverter definitivamente o equilíbrio de poder entre os países exportadores e as grandes empresas. Mas, acima de tudo, essa crise econômica revela a crise econômica latente e a urgência do debate sobre energia.
No entanto, os Estados Unidos, o principal alvo do embargo, são apenas levemente afetados. De fato, os países exportadores nem sempre podem controlar o destino dos navios-tanque que saem de suas costas e, em seguida, no 1973, apenas de 5 a 6% de seu petróleo foi importado do Golfo. Por outro lado, os Estados Unidos se beneficiam do fato de que a Europa e o Japão, que não possuem seus próprios depósitos, são duramente atingidos por causa do declínio de sua competitividade.
Após a segunda crise do 1979-80, a OPEP perderá gradualmente sua influência. Energias alternativas (a "totalmente nuclear" na França), a exploração de novos depósitos (Mar do Norte, África ...) e o individualismo dos países produtores a enfraquecerão.

Leia também:  turbinas eólicas rentáveis ​​com seus geradores

A partir da 1975, a URSS busca aumentar sua influência nos países afetados pelas principais artérias do transporte de petróleo (África Oriental, Iêmen do Sul, Afeganistão), provavelmente em antecipação a conflitos posteriores. Mas com o colapso do bloco oriental e o fim da Guerra Fria no final do 80, põe fim a essa estratégia. Esse fracasso, assim como a queda da produção na Rússia, é indubitavelmente a origem da implacabilidade deste país em manter sua soberania na Chechênia.

Desde 1990-91, os Estados Unidos estão, portanto, em uma posição de hegemonia. "É de admirar que, nessas condições, a hiperpotência seja tentada a impor ao resto do mundo sua visão de uma ordem internacional que coincida - em nome da moralidade e da lei - com seus próprios interesses? ". Em 90-91, ela conseguiu reunir à sua volta uma coalizão, com as bênçãos da ONU. No 2003, ela fez.

Leia também:  Errata: Novas tarifas para energias renováveis ​​na França

As guerras do petróleo, parte 1

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *