guerras do petróleo

Gostaríamos de chamar a sua atenção para a questão de L'Histoire: Les guerres du petroleum (setembro de 2003).
O ponto de vista de um historiador sobre essas crises que abalam nosso mundo há 150 anos.

Foi em 1859, em Titusville, Pensilvânia, que surgiu o primeiro poço com vocação industrial, destinado à iluminação. O sucesso é imediato e a especulação, a corrida pela produção e pelo transporte já estão em andamento. Em 1870, Rockefeller fundou a Standart Oil Company e construiu um verdadeiro império usando seus métodos radicais.

Na virada do século, os Estados Unidos forneciam dois terços da produção, à frente da Rússia, México e Romênia. Na Europa, os recursos eram relativamente escassos e a prospecção era feita para novos países, no Oriente Médio. no Irã, Turquia. A eletricidade está substituindo gradativamente as lâmpadas de petróleo, mas o motor de combustão interna e depois o motor a diesel darão novas saídas para a exploração do petróleo. Os tanques, aviões e submarinos da guerra de 1914-18 comprovam a superioridade desses motores sobre outros meios de tração. O consumo aumentará ainda mais com a aceleração da industrialização do pós-guerra. Finalmente, com o surgimento da petroquímica e a diversificação de aplicações, o petróleo está se tornando essencial.

Leia também:  Pedágio para caminhões pesados ​​alemães a partir de janeiro 1er

No início da segunda guerra, já era o assunto de todas as questões. Quando vão para a guerra, Alemanha e Japão ficam em desvantagem do ponto de vista do acesso aos recursos petrolíferos e é isso que determina a estratégia da Blitzkrieg, esta "guerra relâmpago" que pretende obter rapidamente a vitória. nos países produtores. É um sucesso na França, na Polônia e nos Bálcãs, mas a derrota de Stalingrado interromperá a rota dos alemães para os campos de petróleo do Cáucaso.

A década de 50 viu a intensificação das lutas de influência nos novos países produtores. Exemplo: em 1951, o Dr. Mossadegh teve a exploração da riqueza do petróleo nacionalizada em um Irã até agora sob influência britânica. Dois anos depois, uma “revolta popular” montada pela CIA o despede e aprisiona enquanto o novo poder confia a exploração e o refinamento de seus recursos a um consórcio no qual os americanos somam 40%. A crise de Suez em 1956 marcou o fim da influência europeia e em toda parte a preponderância dos Estados Unidos.

Leia também:  Ar condicionado e refrigeração de adsorção energia solar

No Ocidente, ao longo das décadas de 50 e 60, manter os preços baixos permitiu o crescimento e consideráveis ​​deduções fiscais. Mas o mundo industrializado tornou-se totalmente dependente deste recurso único e o resto será menos glorioso ... dupla crise do petróleo, constituição da OPEP, dupla guerra do Golfo ... acontecimentos que serão objecto de um artigo muito detalhado. em breve.

mais:
- Nigéria e óleo
- O site da revista

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *