Conversores catalíticos, fonte de poluição?

Cientistas de Massachusetts revelaram que partículas metálicas tóxicas de conversores catalíticos de automóveis foram detectadas na atmosfera urbana dos EUA.

Esta pesquisa foi realizada por cientistas suecos em colaboração com pesquisadores do muito sério Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da não menos respeitável instituição oceanográfica de Woods Hole.

Esses cientistas descobriram altas concentrações de platina, paládio, ródio e ósmio no ar da área urbana de Boston. Embora essas partículas ainda não sejam consideradas perigosas para a saúde, as indicações sugerem que elas podem se tornar um risco potencial se as vendas de carros em todo o mundo passarem pelas estimativas da 50 na 2000 para mais de 140 milhões em 2050.

Encontrar soluções para "estabilizar" essas partículas nos catalisadores deve ser uma prioridade para limitar seu impacto potencial, de acordo com Sebastien Rauch, da Universidade de Tecnologia de Chalmers, em Gotemburgo, na Suécia. Outros cientistas também detectaram altos níveis desses elementos na Europa, Japão, Austrália, Gana, China e Groenlândia.

Leia também: célula de combustível Renault

Não devemos esquecer que os conversores catalíticos devem reduzir as emissões de monóxido de carbono e outros poluentes.

Espera-se que este estudo apareça na próxima edição da revista Environmental Science and Technology.

Fonte: United Press International

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *