CO2 Mercado: perturbada industrial

Energie plus, 01 de fevereiro de 2005 (sumário)

No início de janeiro, alguns dias após a abertura do mercado de cotas de CO2, os fabricantes foram convidados para uma reunião de informações pela consultoria Ecodurable. A primeira fase deste mercado diz respeito a 30% das emissões (habitação e transporte não incluídos) e está prevista até 2008. Para tornar o mercado mais fluido, foram implementados mecanismos de flexibilidade e instrumentos que foram criadas cotas de compra e revenda para empresas carentes (fundo europeu de carbono lançado pela Ixis no final de 2004, projeto em preparação apoiado por CDC, Powernext e Euronext). Mas esses mecanismos de flexibilidade não surgirão até a entrada em vigor do Protocolo de Kyoto, em 16 de fevereiro.
Durante a reunião, dois fabricantes compartilharam sua situação:
- O grupo Lafarge se considera deficiente por três medidas do PNAQ: sem levar em conta os esforços passados, sem levar em conta o crescimento do mercado e o coeficiente de progresso que é aplicado a todas as emissões enquanto só é possível agir com terceiros.
- O grupo Rhodia sente-se ofendido por não levar em consideração outros gases de efeito estufa, nos quais a maioria de seus esforços se concentrou.
Esta reunião, que se tornará recorrente, permitirá que os industriais troquem suas experiências e discutam os desenvolvimentos desejáveis ​​para depois de 2008.

Leia também: Teste convincente de um sistema de geração elétrica usando energia das ondas

Fonte: www.enviro2b.com

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *