O mercado iraniano de petróleo ameaça o dólar

O governo Bush nunca permitirá que o governo iraniano abra uma bolsa onde o petróleo possa ser negociado em euros. Se isso acontecesse, centenas de bilhões de dólares submergiriam os Estados Unidos em troca, colapsando o dólar e destruindo sua economia. É por isso que "Bush e companhia" planejam levar a nação à guerra com o Irã. É simplesmente para proteger o sistema atual de globalização e o domínio contínuo do dólar como moeda de reserva.

A reclamação de que o Irã está desenvolvendo armas nucleares nada mais é do que um pretexto para iniciar uma guerra. O NIE (Estimativa Nacional de Inteligência) prevê que o Irã não será capaz de produzir armas nucleares por talvez dez anos. Bem como o chefe da AIEA, Mohamed ElBaradei, disse repetidamente que os inspetores de sua agência não encontraram "nenhuma evidência" de um programa de armas nucleares.

Não há armas nucleares ou programas de armas nucleares, mas o plano econômico do Irã representa uma ameaça existencial para os EUA.

Leia também:  Reciclagem reportagem fotográfica na Bélgica

Os EUA monopolizam o mercado de petróleo. É avaliada em dólares e é negociada na NYMEX (New York Mercantile Exchange) ou na IPE (London International Petroleum Exchange), ambas pertencentes aos Estados Unidos. Isso força todos os bancos centrais do mundo a manter enormes estoques de dólares.

O monopólio da moeda americana ilustra perfeitamente o esquema da pirâmide. Enquanto as nações forem obrigadas a comprar petróleo em dólares, os Estados Unidos podem continuar a desperdiçá-lo de maneira ultrajante e impunemente. (O dólar agora representa 68% da moeda de capital mundial contra 51% dez anos atrás) A única ameaça a essa estratégia é a competição que um mercado independente de petróleo projetaria; assim, forçando o cambaleante dólar a enfrentar uma moeda mais estável (sem dívidas) como o euro. Isso forçaria os bancos centrais a diversificar seus ativos, enviando bilhões de dólares de volta aos EUA, garantindo-nos um ciclo devastador de hiperinflação.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *