Exame preliminar pelo DST de um porta-voz da rede "Sortir du nucléaire"

Esta manhã, no 8, a Diretoria de Segurança do Território (DST) realizou uma busca no apartamento de Stéphane Lhomme, porta-voz da Rede "Sortir du nucléaire" e autor do livro "Insegurança nuclear. Em breve um Chernobyl na França? "(Edições Yves Michel).

Desde esta manhã, Stéphane Lhomme está sob custódia na Delegacia Central de Bordéus por um período indeterminado. Ele é suspeito de possuir um documento de defesa confidencial que demonstra a vulnerabilidade do reator nuclear de EPR no caso de um acidente de avião. O caso está nas mãos da seção antiterrorista da promotoria de Paris.

A Rede “Sortir du nuclear” denuncia a prisão e pede a libertação imediata de seu porta-voz.

A rede "Sortir du nucléaire" publicou em setembro 2005 uma carta de um funcionário da EDF (não abrangida pela defesa secreta) mencionando este documento como defesa confidencial. Durante o debate público sobre o EPR, que terminou no início de abril 2006, a CPDP (Comissão Nacional de Debate Público) censurou uma passagem da contribuição escrita da Rede "Sortir du nucléaire" mencionando este documento como defesa confidencial.

Este caso demonstra mais uma vez a opacidade e a censura da energia nuclear.

Leia também:  Tsunami asiático!

Os cidadãos têm o direito de saber a verdade sobre a energia nuclear e, em particular, sobre o EPR. A Rede “Sortir du nuclear” pede ao Estado que “desclassifique” o documento de Defesa Confidencial sobre o EPR para que se descubra a verdade sobre este reator.

Mais informações

Quinta-feira 4 Maio 2006

Nuclear - Acidente de suicídio: o reator EPR vulnerável

A Rede “Sortir du nuclear” detém um documento CONFIDENCIAL DEFESA, emitido pela EDF, que reconhece que o reator nuclear EPR será tão vulnerável quanto os reatores atuais diante de um acidente suicida. Isso é absolutamente inaceitável para um reator nuclear que, se construído, será o primeiro reator a ser construído APÓS 11 DE SETEMBRO DE 2001.

Considerando que a Sra. Lauvergeon, CEO da Areva, fabricante do EPR, sistematicamente afirma que este reator é "projetado para resistir a um acidente suicida com um avião comercial", a Rede "Sortir du nuclear" deve dar a conhecer o verdade ao revelar o conteúdo do documento "Defesa confidencial". Extrai:

Leia também:  Videoconferência, biocombustíveis CNAM

1) Cobertura de risco “razoável”

Extrato: "As premissas relativas ao impacto devem garantir uma cobertura" razoável "do risco e não podem reivindicar a cobertura de todas as eventualidades"
Comentário da Rede “Saída nuclear”: cobertura de risco “razoável” no caso de um impacto significa de fato cobertura de risco incompleta. Um acidente suicida no EPR pode, portanto, levar claramente a um desastre nuclear.

2) Escondendo a verdade aos cidadãos

Extrair: "As suposições, regras usadas e análises associadas não devem aparecer nos relatórios de segurança acessíveis ou provavelmente acessíveis publicamente"
Comentário da Rede “Sortir du nuclear”: Os executivos da EDF querem esconder a verdade dos cidadãos. A informação, porém, é fundamental: se for construído, o EPR será o primeiro reator “pós 11 de setembro de 2001”. É impensável que não tenha sido projetado para resistir a um acidente suicida.

Leia também:  poços ou poços provençais canadenses

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *