Nuclear e filosofia

Este artigo trata da política nuclear francesa e da energia nuclear em geral.

Palavras-chave: nuclear, energia, eletricidade, política, energia, resíduos, Eric Souffleux

usina nuclear

 Aqui estão os dados que você precisa ter em mente para discutir o nuclear.

Como você verá, eu evoluí ainda mais, esclareci minha posição:

- Em primeiro lugar, percebo que por ser "tolerante ao núcleo", sou o único capaz de relançar o debate sobre a energia nuclear. Os profissionais defendem e caricaturam a posição dos profissionais. Os contras são contra e também caricaturam sua posição. É difícil ter um debate objetivo se estamos em um ou outro desses campos. Portanto, parece-me importante que antes de qualquer debate que você inicie, você terá que desapaixonar o debate e convidar os protagonistas a ouvir e moderar. Aqui está um pré-requisito que, em minha opinião, agradará ao seu professor de filosofia.

- Então quando falamos em energia nuclear, e em particular seus riscos, é aconselhável compará-los com os riscos que correremos com o efeito estufa. É absolutamente obrigatório comparar a periculosidade dos resíduos nucleares (confinados e de tonelagem relativamente baixa em comparação com outros produtos químicos que usamos todos os dias na agricultura e na química ou petroquímica) e os resíduos: dióxido de carbono que não contemos hoje e que deixamos para a Mãe Natureza cuidar.

- Em relação ao problema climático e em particular o argumento dos antipopulares que dizem que a energia nuclear produz 7% da eletricidade do mundo (e menos de 3% do total da energia consumida) e que é marginale, o que não seria uma solução para o efeito estufa. Na verdade o que deve ser entendido é que 80% da eletricidade é produzida a partir de combustíveis fósseis e que grosso modo, deve ser reduzida por um fator de 2 a 4 (dependendo da evolução de outros setores e demografia) a participação da eletricidade de origem fóssil. Isso significa que, sem reduzir ou aumentar a parcela nuclear existente, a parcela nuclear deve aumentar para provavelmente 30-40% da eletricidade produzida. O resto é produzido a partir de energia renovável e uma pequena porcentagem de combustíveis fósseis.

Portanto, a energia nuclear certamente é marginal hoje, mas é improvável que permaneça assim se colocarmos a luta contra as mudanças climáticas acima das demais.

- No entanto, não devemos cair no nuclearismo feliz. Gosto bastante da reflexão de Hubert Reeves que diz que “energia nuclear é energia para anjos”. Ou seja, a energia nuclear deve ser usada para usos limitados e sábios, porque as pessoas não estão imunes à negligência. A maioria dos acidentes e incidentes nucleares são causados ​​por erro humano. Mas os homens são o que são, sempre haverá um alto risco de isso acontecer. Ao limitar a necessidade de energia nuclear, limitaremos os riscos devidos a nós mesmos. Na minha opinião, é importante mostrar a ineficiência do aquecimento elétrico e seu impacto na usina nuclear na França. Para fazer frente aos picos de consumo no inverno, a frota da usina deve ser superdimensionada, o que incentiva o desperdício fora desses períodos e aumenta os riscos nucleares de forma imprudente. Para o aquecimento de água ou casa, existe uma solução para o futuro: aquecimento solar associado ao aquecimento a lenha. Não se trata de defender o aquecimento a gás ou a fuelóleo, muito prejudicial do ponto de vista das emissões de gases com efeito de estufa.

- Devemos, portanto, e este é um aspecto essencial do debate, saber o que vamos fazer com a energia nuclear. Pessoalmente, excluo a missão de aquecer água e aquecer a casa (e também de ar condicionado, vamos nos dois sentidos, claro). Para que deve ser usada a energia nuclear? Por exemplo, devemos desenvolver energia nuclear para desenvolver a frota de carros elétricos? (Na minha opinião, é uma corrida desenfreada.) Acredito que a energia nuclear deve ser reservada para três coisas:

1) Fornecer assinantes de rede um máximo de 15 kWh por semana e por pessoa, que exclui picos de consumo do tipo aquecimento elétrico. (O que daria 780 KWh por ano e por pessoa e, portanto, na França (60 milhões de habitantes) 46 800 000 000 kWh ou 46 TWh. Para a ordem de magnitude, a EDF produziu no ano passado cerca de 500 TWh ( deve haver 60 TWh de valores de exportação para verificar, mas as ordens de magnitude estão lá. Portanto, a priori, racionando a eletricidade dessa forma, devemos dividir por dez o parque de usinas existentes!) assim: o que pode ser feito com 15 kWh por semana? Eu defini esse limite de 15 kWh porque medindo meu próprio consumo de energia, e também o de Eva, descobri que estávamos em 20 kWh por semana para dois. Portanto, podemos viver normalmente com 15 kWh já que, como todo mundo, temos o computador, a TV, a luz (mas não o aquecimento!) E uma máquina de lavar (portanto, parte da eletricidade que temos consome é usado para aquecer água a 40 ° C). Em casa, o racionamento de 15 kWh por semana e por pessoa significaria que você teria direito a 15 kWh * 6 pessoas = 90 kWh por semana (e portanto 4680 kWh por ano!) Na minha opinião, é uma iniciativa cívica essencial sentir o seu consumo de energia.

2) Outro uso: fornecer eletricidade para bondes, trens e todos os sistemas de transporte público elétricos (elevadores, escadas rolantes, etc.). A eletricidade nuclear é então acoplada à energia hidrelétrica (que já fornece um bom terço da eletricidade consumida pela SNCF). Imagino que ao nível das ordens de grandeza, 2 a 5 reatores de 1000 MW devam ser suficientes, mas é preciso verificar.

3) E, finalmente, a energia nuclear deve ser a base da indústria de energia renovável. Precisamos usar a energia nuclear para produzir grandes quantidades de painéis solares e alimentar máquinas-ferramentas com o que restará de nossa indústria de construção, turbinas eólicas, carros eficientes, bicicletas…. Quantos reatores? Provavelmente tanto quanto para fornecer transporte público: 2 a 5?

Vamos recapitular:
Excluo os usos nucleares:
- aquecimento de água quente sanitária (solar e biomassa devem ser suficientes)
- ar condicionado doméstico (isolamento reforçado, arquitetura bioclimática e racionamento de áreas de estar com ar-condicionado)
- e também, esqueci-me de o referir anteriormente, a iluminação contínua de estradas e placas publicitárias!

Dedico energia nuclear às seguintes missões:
- fornecer eletricidade básica durante todo o ano na ordem de 15 kWh por semana e por habitante. (6 reatores de 1000 MW)
- fornecer eletricidade para transporte público (e também bens) elétrico (4 reatores de 1000 MW)
- fornecer eletricidade para nossa indústria e em particular a de energias renováveis ​​(4 reatores de 1000 MW)

Mapa nuclear da França e tratamento de resíduos

Quantos reatores na França hoje? 58. Quanto devemos precisar com esta estratégia? 14!

Depois vem outra pergunta: que tipo de reator nuclear?
Sou um grande defensor dos reatores reprodutores porque eles têm a melhor eficiência e a melhor relação de energia produzida por grama de urânio.

Deve ser explicado que os atuais reatores nucleares consomem principalmente urânio leve (U235) que representa menos de 1% do urânio encontrado nas minas. Os reatores reprodutores consomem quase todo o urânio (seu rendimento é de 60 a 100 vezes melhor), mas precisam de um iniciador de reação: o plutônio dos reatores convencionais e também do reprodutor (daí o seu nome) , após reprocessamento dos resíduos (fábrica de La Hague).
Portanto, logicamente, devemos dizer a nós mesmos que a maioria dos 14 reatores que recomendo deve ser do tipo reprodutor. Podemos deixar aí de 1 a 3 reatores de nêutrons lentos como os de hoje ou como o tipo EPR.

princípio de funcionamento de um reator nuclear EPR REP

E a última coisa a ver é a parcela de energias renováveis ​​que podem substituir parte desses reatores, levando-se em conta a intermitência de grande parte dessas energias.

Eventualmente (30 anos? 60 anos? 160 anos?) Todo o parque será interrompido e completamente substituído por usinas solares juntamente com o armazenamento de eletricidade na forma de hidrogênio. Mas a configuração de tal sistema provavelmente levará muito tempo e há muitas outras áreas em que será necessário economizar energia.

Mais informações sobre energia nuclear:
A fusão nuclear
reactores nucleares

Leia também:  O óleo mais forte como banners: a escassez de cartão de combustível na França

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *