Palavra, palavra, palavra: ainda palavras sempre palavras

É de fato com esse ar que a Ademe lançou sua última campanha: Economia de energia. Sejamos rápidos, fica quente!

No entanto, é necessário um pequeno passo para trás para entender melhor meu ponto de vista sobre esse organismo.

Em 11 de outubro de 2001, apoiei meu projeto de final de estudo sobre o processo Pantone na frente de quase 30 pessoas (excepcional para uma simples defesa de um projeto de final de estudo) na ENSAIS. A conclusão deste trabalho (grande parte disponível neste site) foi que muitos aspectos promissores exigiram pesquisas adicionais, particularmente em termos de despoluição. Obviamente, muitas das alegações de Pantone não puderam ser confirmadas (e ainda não o são), mas muitos aspectos exigiram estudos adicionais.

Pesquisa que obviamente estava pronta para fazer durante uma extensão do meu curso. Lembro, para informação, que ANVAR era parceiro do projeto, mas não podia apoiar projetos de indivíduos: uma empresa, um estabelecimento público ou uma associação precisava fazer um pedido de assistência. Mas desde que me formei, não "pertencia" ao ENSAIS. Eu era, portanto, um indivíduo particular ... que não podia ser elegível para uma concessão da ANVAR.

Leia também: Geneva Motor Show, o carro verde, um argumento comercial?

Uma semana depois, entrei em contato com a ADEME para solicitar o caminho a seguir, juntei-os ao resumo (também disponível neste site) do meu projeto. A única resposta que recebi, quatro meses depois, especifico, foi um aviso de recebimento, cito: “Recebemos sua solicitação e a encaminhamos ao departamento de transporte. Eles entraram em contato com você? "
A resposta foi obviamente não, por isso me apressei em responder a este e-mail solicitando novamente o procedimento a seguir para desenvolver este projeto. Ainda estou aguardando a resposta para este e-mail! Estes eventos são de fevereiro 2002, todos os e-mails foram mantidos como prova da minha boa fé.

Também anexo uma cópia de um fax comprovando que o ADEME está ciente desta pesquisa, mas ela não fez absolutamente nada (a meu respeito) para ajudá-los, pelo menos aparentemente!

Veja a cópia do fax da Ademe

Leia também: Conversores catalíticos, fonte de poluição?

Em conclusão, eu diria: cabe a você fazer sua própria opinião. Eu queria nada mais do que ser capaz de trabalhar neste sistema (e seus derivados) para entendê-lo e melhorá-lo, mas parece que isso não é possível neste país. Tudo isso em uma hipocrisia permanente ...

Então, onde está a liberdade de pesquisa em nosso país?

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *