O Plano de biocombustíveis 2005

Enquanto a alta do preço do petróleo relança o debate sobre o desenvolvimento das energias renováveis, o governo francês acaba de anunciar seu “plano de biocombustíveis”, que deve entrar em vigor no início de 2005. Os profissionais desses setores, porém, não conseguiram as medidas fiscais e regulatórias que solicitaram.

O preço do barril de petróleo, que subiu para US $ 45 no mês de agosto, pode não ter efeito direto sobre os investimentos em renováveis, mas pelo menos terá servido como um lembrete do situação de dependência energética em que se encontram a maioria dos países ocidentais. O esgotamento dos depósitos no Mar do Norte, Canadá e México também pode agravar essa situação de dependência do petróleo, que, no longo prazo, virá principalmente de áreas geopoliticamente instáveis ​​- Oriente Médio, Cáucaso, Ásia Central e Golfo da Guiné-. Esses dois fatores combinados podem levar a novos aumentos de preços nos próximos 50 anos, e até mesmo países como a França, que escolheu a opção nuclear, seriam afetados. Daí o importante papel que as energias renováveis ​​podem desempenhar, que atualmente se limitam a 10% do consumo de energia na Europa, mas que deverão atingir os 21% até 2010 de acordo com a regulamentação em vigor. Os biocombustíveis - etanol, metanol e biodiesel - devem cair de 2% em 2005 para 5,75% em 2010. Na França, eles são atualmente incorporados apenas até 1% na gasolina e no diesel, apesar de 180 milhões de euros de incentivos fiscais por ano. Os profissionais desses setores aguardam impacientemente outras medidas fiscais e regulatórias, mas o governo se manteve calado sobre o assunto. Em 19 de agosto, o próprio Presidente Chirac sublinhou "a enorme importância que atribui ao desenvolvimento da bioenergia por razões agrícolas, ambientais e energéticas" e pediu ao governo "que acelere o desenvolvimento e a difusão dos biocombustíveis. "Por medidas aplicadas" de próximo 1 ° de janeiro ".

Leia também:  A rentabilidade do biogás

Benefícios ecológicos e econômicos

Os benefícios da bioenergia são econômicos e ecológicos. Em países como os Estados Unidos ou o Brasil, que estão aumentando sua capacidade de produção em quase 30% ao ano, economizam 1,1 milhão de toneladas de petróleo por ano, ou cerca de 2,5 a 3 mil milhões de euros, ao mesmo tempo que evitam a emissão de 16 milhões de toneladas de dióxido de carbono ... Sendo os transportes a principal fonte de emissão de poluentes para a atmosfera (representa 50% do consumo total de petróleo), entendemos o desafio que agora consiste em tornar a produção de biocombustíveis competitiva com a de combustíveis fósseis. “É urgente que o governo tome as suas medidas, caso contrário a França ficará para trás, sublinha Pierre Cuypers, presidente e presidente da Associação para o Desenvolvimento dos Combustíveis Agrícolas (Adeca) e do Comitê Europeu de Biocombustíveis. Quando nos Estados Unidos leva um mês para construir uma unidade de produção de um milhão de toneladas de bioetanol, na França leva dois anos ”. Os actores do sector pedem, portanto, um quadro fiscal e regulamentar para conseguir a duplicação da taxa do biocombustível incorporado na gasolina e no gasóleo, consistindo nomeadamente em “premiar os bons alunos e taxar os que não incorporam biocombustíveis”. Tanto mais que os países da União Europeia têm os recursos agrícolas - sementes oleaginosas, milho - necessários para a produção de biocombustíveis para atender às necessidades até 2010. Quase 120 empregos também poderiam ser criados com o desenvolvimento deste. setor, de acordo com organizações profissionais.

Leia também:  Alemanha: abandonando o apoio aos biocombustíveis da 2008

Véronique Smée
Fonte: http://www.novethic.fr/novethic/site/article/index.jsp?id=80288

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *