poluição directa de combustíveis de petróleo e combustíveis fósseis

Poluição por petróleo e combustíveis fósseis.

A combustão do petróleo como a conhecemos hoje traz sérios problemas ambientais, pois libera na atmosfera, em grandes quantidades, produtos prejudiciais ao ecossistema e ao planeta. As capacidades de “absorção” do planeta estão ultrapassadas desde o início dos anos 90 e os últimos distúrbios, alguns falam de mudanças climáticas, atestam o mal-estar do nosso planeta.

Alguns cientistas, em minoria, formulam explicações "cíclicas" ou externas; isso enquanto a ligação entre poluentes e efeito estufa está claramente estabelecida. Mesmo que a relação entre os desastres naturais e o efeito estufa ainda não tenha sido comprovada, basta o bom senso para ver que o equilíbrio favorável à vida (extremamente raro no Universo) de nosso planeta é perigosamente rompido.

Hoje é todo esse equilíbrio global que está ameaçado pelos poluentes combustíveis fósseis que rejeitam na atmosfera os produtos que a terra absorveu por milhões de anos. Na verdade, os combustíveis fósseis constituem a reserva natural de carbono enterrado no solo e, como tal, é a memória do carbono da terra. Demorou 400 milhões de anos para a Terra criar essas reservas de petróleo e menos de 200 anos para os humanos exaurirem-nas, ou seja, instantaneamente em escala geológica.

Leia também:  Gasland, reportagem em vídeo sobre o gás de xisto

Essas emissões gasosas poluem diretamente o homem que as respira e indiretamente o planeta; com, em ambos os casos, consequências gravíssimas já perceptíveis e cuja importância, infelizmente, só pode piorar com a evolução atual. Isso com consideráveis ​​custos médico-sociais. No caso da França, esses custos equivalerão a milhares de vezes os créditos destinados ao controle da poluição e à pesquisa de novas energias.

Poluição direta: exemplo da conurbação de Estrasburgo (ver estudo completo sobre novos transportes urbanos )

Os centros urbanos reúnem a maior parte da atividade humana e da população dos países desenvolvidos. O desenvolvimento (demográfico e econômico) desses centros urbanos induz a uma necessidade cada vez maior de energia. Vamos nos limitar ao exemplo do transporte para traduzir esse congestionamento, espacial e ambiental, das cidades.

De acordo com pesquisas realizadas pelas autoridades, no mês de Julho de 2000, foram percorridos cerca de 2 milhões de km de veículos por dia na área de Estrasburgo. Isso representa o equivalente a 5 tanques de combustível consumidos por dia e as seguintes quantidades de poluentes:

Leia também:  Download: Eric Laurent em FR3, tankers são Lords (da guerra)
poluenteCOCO2Noxnão queimadopartículas
Quantidade em toneladas1.907267.0370.7240.2970.054

Estas quantidades foram calculadas com base nas emissões em g / km de um Renault Clio (Diesel e gasolina) modelo 1999 com 3000 km percorridos e com base numa frota de veículos composta por 50% de veículos Diesel e 50% de veículos Gasolina.

De acordo com o custo preventivo de CO2, (ver Estimativa do custo da poluição de CO2), as 270 toneladas por dia representam um custo preventivo virtual de enon 50 frs por dia, ou cerca de 000 milhões de frs por ano.

Se os esforços dos fabricantes e dos petroleiros nos últimos 10 anos permitiram reduzir significativamente a quantidade de óxidos de enxofre (redução de 80%) e chumbo (redução de 95%) no ar das cidades, nós vejamos, por esses números, que o ar das cidades ainda está fortemente saturado, e o aumento constante do parque de automóveis em nada ajuda. No entanto, muitas soluções tecnológicas existem ou estão em desenvolvimento para descongestionar o ar e o espaço das cidades.

efeitos dos poluentes e poluição na saúde humana

Consequências diretas dos poluentes da combustão de combustíveis fósseis em humanos. Clique para ampliar


Vários estudos foram realizados por vários hospitais e estabelecimentos médicos sobre as consequências para a saúde da exposição crônica a vários poluentes. Os resultados desses estudos obviamente não são divulgados ao grande público por motivos óbvios, mas o que agora é certo é que nas cidades a poluição mata mais do que os acidentes: na região de Estrasburgo, por ano, há no ano 2000, cerca de 500 mortes prematuras devido à poluição, ou seja, o dobro do número de vítimas (directas) em acidentes. Obviamente, são as pessoas mais fracas (crianças pequenas, idosos, pessoas com asma) as primeiras a serem afetadas. Mas hoje ninguém pode estimar a influência da poluição urbana crônica na expectativa de vida das populações.

Leia também:  A geoengenharia mundial

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *