e panelas de metal pesado catalíticos

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts detectaram pela primeira vez a presença na atmosfera de metais tóxicos de conversores catalíticos automotivos.

O estudo realizado por pesquisadores suecos em colaboração com o MIT e o Woods Hole Oceanographic Institution encontrou altas concentrações de platina, paládio, ródio e ósmio no ar ambiente de Boston. Embora as concentrações de poluentes não sejam hoje consideradas perigosas para a saúde, o problema surge para o futuro. Estima-se que mais de 140 milhões de veículos novos equipados com catalisadores serão colocados à venda em 2050. (Nota de economologia: não era para ficar sem petróleo em 2050?)

Segundo Sebastien Rauch, da Universidade de Tecnologia de Chalmers, em Gotemburgo, a prioridade agora é encontrar maneiras de estabilizar essas partículas nos conversores catalíticos. Os resultados deste estudo serão publicados em 15 de dezembro
em Ciência e Tecnologia Ambiental.

Leia também:  Uma explicação credível para o motor dopado em água através de um reator Pantone: mais

fonte

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *