Aquecimento: aumento acelerado em dióxido de carbono na atmosfera

O aumento da presença de dióxido de carbono na atmosfera acelerou de maneira muito preocupante entre 2001 e 2003, segundo dados revelados na segunda-feira pela imprensa britânica na véspera de uma conferência anual do Greenpeace em Londres.

De acordo com dados divulgados pelo Guardian e pelo The Independent, esta é a primeira vez que a quantidade de dióxido de carbono - o principal gás de efeito estufa - na atmosfera aumentou em mais de 2 partículas por milhão de partículas (ppm). ) por ano, durante dois anos consecutivos.

Entre 2001 e 2002, o número de partículas de dióxido de carbono por milhão de partículas aumentou de 371,02 para 373,10 (um aumento de 2,08 ppm ao longo do ano). Em seguida, aumentou ainda mais para 375,64 em 2003, um aumento anual de 2,54 ppm.

Esses dados foram registrados no cume do Monte Mauna Loa, no Havaí, desde 1958, pelos serviços de Charles Keeling, um pesquisador americano.

Leia também: Logan é vendido na França

Segundo esse pesquisador, apenas quatro anos (1973, 1988, 1994 e 1998) haviam experimentado aumentos na concentração de dióxido de carbono de mais de 2 ppm, e cada vez que esses anos foram marcados pelo fenômeno El Nino.

"O aumento no número de partículas de dióxido de carbono na atmosfera em mais de 2 ppm por dois anos consecutivos é um fenômeno novo", disse Charles Keeling, citado pelos dois jornais britânicos.

O mais preocupante para o pesquisador americano, hoje com 74 anos, é que nenhum desses dois anos foi El Nino e que não há dados para explicar esse aumento.

Segundo Charles Keeling, uma das explicações para esse fenômeno pode ser o enfraquecimento da capacidade da Terra de absorver o excesso de dióxido de carbono ", um enfraquecimento de + pias + dióxido de carbono (nota do editor: oceanos e florestas) associado ao aquecimento global e resultante de uma reação às mudanças climáticas ”.

Leia também: site de Atualização

Segundo o Guardian, esses números serão discutidos terça-feira no congresso anual do Greenpeace, na presença do consultor científico do primeiro-ministro Tony Blair, David King.

Fonte: AFP 11-10-2004

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *