O aquecimento global, o principal medo do Francês

O aquecimento global está na vanguarda dos temores do terrorismo na França, de acordo com uma pesquisa exclusiva da CSA / Canal + divulgada terça-feira.
Segundo a pesquisa, realizada na ocasião do lançamento terça-feira de uma revista política de antecipação no canal criptografado, 51% dos entrevistados franceses temem acima de tudo o aquecimento global.
O 43% dos entrevistados teme o terror sobre a questão de "possíveis ameaças", à frente do futuro das aposentadorias (28%), epidemias (19%), insegurança alimentar (18%), experimentos genéticos (17%) e a escassez de óleo (9%).
A amostra nacional representa mais de pessoas 1.000 com idade igual ou superior a 15, selecionadas de acordo com o método de cotas (sexo, idade, ocupação) após estratificação por região e categoria de aglomeração.
Chamada "Já é amanhã", a revista política de antecipação do Canal +, apresentada por Ruth Elkrief, que começa nesta terça-feira no 20H55, terá como tema a escassez de petróleo e, em particular, a exaustão dos depósitos e a subida dos preços do barril .
De acordo com esta pesquisa, o 37% dos entrevistados acredita que os políticos estão mais aptos a fornecer uma boa resposta para esse problema, contra o 29% para líderes do mundo econômico e o 28% para indivíduos e suas associações em particular.
Se o petróleo acabasse, o 66% dos entrevistados estariam dispostos a usar o transporte público, o 36% estaria disposto a limitar a velocidade do tráfego nas estradas e o 29% menos aqueceria suas casas.
A transmissão do Canal + será convidada François Hollande, primeiro secretário do Partido Socialista. Também estarão presentes no set: Hervé Gaymard, ministro da Economia, Michel-Edouard Leclerc, co-presidente da associação dos centros de distribuição E. Leclerc e Nicolas Hulot, presidente da Fundação Nicolas Hulot pela natureza e pela homem.
"2013, o fim do petróleo", um filme de desastre de cenário do tipo antecipação com Gwendoline Hamon e Hippolyte Girardot precederá os debates.

Leia também: Ano 2009, ano de mudança, ano pivô?

Mais informações aqui.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *