Homem arrependido

Sobre decrescimento: crédito bancário, crescimento e poluição

Sabemos do apego que o consumidor moderno tem pelo acesso ao crédito bancário. Praticamente nascido dos acontecimentos de 68. Mas quais são as ligações entre crescimento, consumo, empréstimos bancários ... e poluição?

Ele não está sozinho nesse vício de crédito. Na verdade, graças a ele a atividade econômica começou a delirar por muitos anos. Seu crescimento tem sido capaz de impulsionar o investimento e o que se chama de desenvolvimento. Podemos dizer que o neocapitalismo se funda no imperativo “crescimento” e até o reivindica. Pena para o planeta que está pagando duplamente o preço pelo consumo, portanto poluição excessiva e desperdício de recursos e, portanto, de seu patrimônio (outro assunto!) ...

Ligação entre crédito bancário e crescimento

Este link provavelmente não é suficientemente explicado e conhecido!

Então, vamos entender que esse elo de dependência (absoluta) entre crédito e crescimento é o que inevitavelmente aparece (pelo menos na maioria das vezes e por tanto tempo!) Quando estamos interessados ​​no contrato implícito entre um credor e seu devedor. O primeiro compromete-se a emprestar uma parte do seu património com a condição de que, durante o empréstimo, a sua desapropriação temporária rende-lhe um juro definido pelo valor da taxa de juro do empréstimo.

Tempo é dinheiro diz o velho ditado popular!

Assim, o gozo antecipado visado pelo mutuário resulta na exigência do credor para a produção de um valor acrescentado que lhe será devolvido no final do empréstimo, além do capital inicialmente emprestado ...

Leia também:  Crescimento, PIB e consumo de energia

Em outras palavras, no nível macroeconômico, qualquer chamada de crédito implica em crescimento econômico durante o período do empréstimo. Sem isso, a fórmula torna-se necessariamente inflacionária!

Como corolário incontornável, é preciso também entender que o conceito de decrescimento só pode ser estabelecido no longo prazo se excluir o consumo a crédito. Sem isso, oinflação será necessariamente formidável ...

Em suma, não há crédito sem crescimento ... e não há crescimento sem crédito?

Outro corolário: quando a taxa básica recomendada por um banco central é muito baixa ou negativa, o crescimento induzido é artificial e não pode ser sustentável!

Certamente, o decrescimento gera outro paradigma econômico!

E sobre a relação entre inflação e crédito

Desde a minha infância rural, mantive os preços estáveis ​​em mente ... Mas antes de tudo, vamos observar que a troca, que é por natureza uma troca justa quando praticada, não pode deixar espaço para a inflação (e quando a troca se desenvolve tem como corolário uma moeda que já não vale mais nada).

A inflação viria, portanto, da implementação de uma moeda, um intermediário que permite diferir no tempo e no espaço, uma troca então intrinsecamente capaz de produzir "mais-valia".

Leia também:  bêtisier sustentável

O exemplo típico é o negócio estabelecido entre um credor e um tomador que realiza uma transferência de valores de capital que representam um direito (capacidade de adquirir um bem), que o tomador deterá por um período pré-determinado, com a obrigação de devolver ao credor o capital emprestado e os "juros" gerados. De fato, em uma economia moderna e dinâmica, a expropriação aceita pelo credor durante o tempo do empréstimo só pode respeitar o velho ditado "tempo é dinheiro"

Esta é a condição sine qua non do comércio estabelecido entre um credor e seu devedor. Mas também entendemos que se o empréstimo não permitiu a criação de novos valores durante a vigência do referido empréstimo, então este empréstimo será fundamentalmente inflacionário (bis repetita!)

Além disso, como as taxas de juros são definidas a priori (ante), por prudência, o próprio princípio do crédito provavelmente gerará inflação por meio de taxas (chaves) que tendem a ser superestimadas.

A economia recente, que inventou o crédito para investir, mas também para consumir, desde os anos 70, é, portanto, estruturalmente inflacionária. E isso é aceito como "natural" pelo público, desde que a inflação se torne habitual e permaneça razoável. Até ajuda a dar mais valor aos bens e os proprietários podem encontrar aí como compensação pela passagem do tempo! E o círculo é assim fechado.

Mas o que acabamos de desenvolver também nos ensina que quem confia seu capital por mais ou menos tempo a uma empresa não tem porque não receber uma parcela do valor adicionado que esta "transferência" de ter vai permitir. . E em nossa economia ocidental atual baseada no uso do crédito a todo custo, Marx provavelmente hesitaria antes de afirmar que toda a mais-valia criada deve ir exclusivamente para o trabalho!

Alguma pergunta? Visite o forum economia e finanças

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *