Recursos pesqueiros

O esgotamento dos estoques de peixes ameaça a pesca

A superexploração dos recursos pesqueiros fez com que a proporção de espécies ameaçadas ou esgotadas caísse de cerca de 10% na década de 1970 para 24% em 2003. Para interromper esse desenvolvimento, uma rede global de áreas protegidas cobrindo 20 a 30% da superfície do mar.
A pesca marítima está começando a ameaçar seriamente a biodiversidade marinha. Uma proporção significativa de unidades populacionais e espécies de peixes está agora sobreexplorada ou mesmo em perigo. Essa é a principal constatação do relatório bienal da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que acaba de ser publicado em Roma.
Este documento, que é a referência mundial para a avaliação dos estoques pesqueiros e da situação pesqueira, confirma a estagnação do volume de pescado capturado no mar: em 2003, este atingiu 81 milhões de toneladas (Mt), a nível equivalente ao de 1998 (80 Mt), mas bem abaixo do “pico” de 2000 (87 Mt). Mais seriamente, este relatório sublinha que não há possibilidade de expansão e que, “apesar das diferenças locais, o potencial global da pesca de captura marinha foi totalmente explorado, pelo que planos mais rigorosos estão a ser feitos. impor a reconstrução dos estoques esgotados e evitar o declínio daqueles que são explorados ao máximo, ou quase ao máximo, de seu potencial ”.
Na verdade, desde 1975, a pesca sofreu uma reversão no estado das espécies de peixes grandes: “A proporção dos estoques com potencial de expansão tem diminuído continuamente” (cerca de 24% do total), enquanto Os estoques superexplorados ou esgotados caíram de cerca de 10% na década de 1970 para 24% em 2003. Entre as dez espécies mais pescadas, sete são consideradas totalmente exploradas ou superexploradas: anchova do Peru, carapau do Chile, juliana. Alasca, anchovas japonesas, verdinho, capelim, arenque do Atlântico.

Leia também:  PlasmHyRad combustão assistida Radicais de plasma e hidrogênio

Rede de áreas protegidas

Claro, a situação varia dependendo dos pesqueiros. O Pacífico é menos afetado do que o Atlântico ou o Mediterrâneo, que são, para as principais espécies, totalmente explorados ou sobreexplorados. Mas isso não muda a conclusão geral do relatório da FAO. Em doze das dezesseis regiões divididas selecionadas pela organização internacional, “o potencial máximo de pesca foi alcançado e é necessária uma gestão mais cuidadosa e restritiva”.
Os fatores climáticos não devem mudar a situação. Sabemos que podem provocar variações bruscas - num sentido ou no outro - em determinadas unidades populacionais muito importantes, nomeadamente anchovas e sardinhas. Mas em caso de sobreexploração e, portanto, de fragilidade dos estoques, “os efeitos do clima sobre a pesca são exacerbados, tanto as populações de peixes como as atividades que delas dependem tornam-se mais vulneráveis ​​à dinâmica natural do meio ambiente”.
Uma preocupação particular diz respeito aos peixes de profundidade, cuja exploração aumentou significativamente nos últimos dez anos, enquanto o conhecimento da biologia das unidades populacionais disponíveis e da diversidade do ambiente ainda é muito fragmentado.
Orange roughy, oreos, red beryx, bromes e abadèche, marlonga negra e outros bacalhau mórbido são, portanto, ainda mais ameaçados quando são capturados em alto mar, onde não existe um regime legal que regule a sua exploração.
Para proteger a biodiversidade marinha, mas também para permitir a recuperação dos estoques de espécies pescadas, condição necessária para a pesca sustentável, ecologistas se reuniram no último Congresso Mundial de Parques (WPC), realizado em Durban, em julho. 2003, recomendou o estabelecimento, até 2012, de uma rede global de áreas marinhas protegidas, restringindo ou proibindo a pesca e atividades localmente agressivas. A recomendação deles: fazer com que essas áreas cubram um total de 20% a 30% da superfície dos mares do planeta. Isso é 40 a 60 vezes mais do que a atual rede de áreas marinhas protegidas.

Leia também:  combustíveis alternativos

"Guardiões dos Mares"

Este objetivo é realista de uma perspectiva econômica? quanto custaria para configurar e manter tal rede?
Em um estudo recente (PNAS de 29 de junho de 2004), uma equipe inglesa liderada por Andrew Balmford, pesquisador do departamento de zoologia da Universidade de Cambridge, tentou estimar o custo de estabelecer redes de área globais. protegido de extensão e características variáveis.
A partir da análise das áreas marinhas atualmente protegidas, os pesquisadores primeiro identificaram os principais fatores que regem o custo da proteção por unidade de área protegida, levando em consideração sua distância da costa e o índice de desenvolvimento econômico local. Quanto menor essa área, mais próxima do litoral e dependente de um país rico, maior o custo de sua proteção por quilômetro quadrado.
Os pesquisadores também estimaram os custos de proteção de 20% a 30% na superfície dos mares do mundo em condições favoráveis ​​e realistas de coalescência de áreas protegidas. O resultado: US $ 5,4 bilhões a US $ 7 bilhões por ano, muito inferior aos US $ 15 a US $ 30 bilhões usados ​​anualmente para subsidiar a pesca. E a proteção de 20% a 30% da superfície dos mares do mundo deve criar de 830 a 000 milhão de empregos em tempo integral.
Um milhão de "guardiões dos mares" diante de três ou quatro milhões de pescadores ameaçados se 30% da superfície dos oceanos for proibida de pescar. “É preciso ter em mente que, sem medidas de proteção, é a grande maioria dos atuais XNUMX a XNUMX milhões de pescadores que serão privados de trabalho na próxima década”, enfatiza Andrew Balmford.
Esses resultados mostram que a preservação dos ecossistemas marinhos e das sociedades que os exploram exige o estabelecimento de áreas protegidas não fechadas ao acesso, permitindo o desenvolvimento de atividades sustentáveis ​​ligadas ao mar, como o ecoturismo e o mar. manutenção costeira. Essas atividades econômicas alternativas permitiriam a reciclagem de uma boa parte dos pescadores em todos os países.

Leia também:  Teste na unidade de Galey

O limite dos medidores 1 000 no Mediterrâneo

A pesca de profundidade além dos 1 metros não deve ser desenvolvida no Mediterrâneo, de acordo com uma decisão adotada no final de fevereiro em Roma pela Comissão Geral das Pescas do Mediterrâneo (CGPM), um organismo intergovernamental. A medida, que deve entrar em vigor em quatro meses caso os países membros não se oponham, é baseada em um estudo de biodiversidade e pesca conduzido pela União Mundial de Conservação (IUCN) e o Fundo Global para natureza (WWF), que saudou este progresso.
“Esta é uma medida importante, a primeira no mundo deste tipo. Este é um passo significativo para a pesca sustentável no Mediterrâneo ”, indica François Simard, coordenador do programa marinho mundial da IUCN. A exclusão da pesca de arrasto de fundo para além dos 1 metros deve, em particular, proteger os camarões juvenis que aí encontram os seus viveiros. Para a IUCN, esta é uma medida de precaução de acordo com a convenção sobre diversidade biológica.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *