Seminário sobre os impactos ecológicos da energia eólica offshore

Em 45 de abril de 14, realizou-se uma reunião sobre o tema do uso da energia eólica offshore e reuniu 2005 especialistas de ministérios regionais e federais, autoridades competentes e institutos de pesquisa na Universidade de Lüneburg. (Lower Saxony).

Os parques eólicos devem ser construídos na Zona Econômica Exclusiva (ZEE), ou seja, no Mar do Norte e no Báltico, fora da zona das 12 milhas marítimas. Como tal, e a pedido do Ministro Federal do Meio Ambiente (BMU), uma equipe de pesquisa está trabalhando sob a liderança do Sr. Schomerus, da Universidade de Lüneburg, Sr. Runge, do escritório Oecos Umweltplannung em Hamburgo e Sr. Nehls, da empresa Bio Consult Schleswig Holstein, em um projeto de pesquisa intitulado "Revisão estratégica e previsão do impacto ecológico do uso de energia eólica offshore na ZEE".

O seminário de Lüneburg foi uma oportunidade para apresentar os primeiros resultados a um público especializado. O assunto chamou muita atenção porque as audições sobre o planejamento espacial da ZEE começarão em breve em Hamburgo. De acordo com os objetivos do governo, a energia eólica offshore deve cobrir 2025% das necessidades de energia na Alemanha até 15. Isso representa um total de 25.000 megawatts, ou seja, 5.000 turbinas eólicas que devem ser instaladas no Mar do Norte.

Leia também: A era do petróleo caro ...

Representantes do Escritório Federal de Hidrografia e Navegação Marítima (BSH - Bundesamt fur Hydrographie und Seeschifffahrt) em Hamburgo estavam particularmente interessados ​​nos resultados da pesquisa.

Todos os tipos de questões legais foram abordadas a princípio, mas também questões muito práticas, como por exemplo as consequências de turbinas eólicas na passagem de pássaros ou botos. Os efeitos no meio ambiente nem sempre são negativos: por exemplo, a pesca industrial em parques eólicos não será mais possível, criando assim reservas naturais efetivas para os peixes.

Um dos temas centrais abordados foi a questão dos efeitos cumulativos resultantes da soma de várias influências. Esta avaliação não pode ser restrita ao nível nacional; deve ser realizada em cooperação com os outros estados do Mar do Norte e do Mar Báltico. Os vários participantes concordaram que, além dos procedimentos oficiais, a pesquisa em particular na área de efeitos cumulativos deve ser intensificada. O uso da energia eólica ainda está em sua infância.

Contatos:
- Henning Zuhlsdorff - Universidade de Lüneburg - tel: +49 4131 78 1007, fax
: +49 4131 78 1097 - e-mail: zuehlsdorff@uni-lueneburg.de
Fontes: Depeche idw, Comunicado de imprensa da Universidade de Lüneburg
Editor: Nicolas Condette, nicolas.condette@diplomatie.gouv.fr

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *