Armazenando gases de efeito estufa em rochas profundas


Compartilhe esse artigo com seus amigos:

Cientistas da Universidade Técnica de Berlim estão procurando maneiras
para armazenar gás de efeito estufa CO2 nas rochas. Quando os combustíveis fósseis finalmente desapareceram da Terra, o gás armazenado pode ser usado como fonte de dióxido de carbono.
De 2005, sob o Protocolo de Kyoto e para proteção
alterações climáticas, as emissões de CO2 terão de ser reduzidas em 25% em
1990.
Sobre a 10000 As instalações europeias estão preocupadas com estas medidas, entre as quais a 2500 na Alemanha. As primeiras preocupações são os fornecedores de eletricidade, mas também refinarias, coquerias,
siderúrgicas, bem como grandes consumidores de energia.
A Alemanha é de longe o maior produtor de CO2 na Europa. Para poder
reduzir as emissões de CO2 na atmosfera, foi pensado para armazenar
diretamente o gás de efeito estufa no subsolo.
O Prof. O Dr. Wilhelm Dominik, do Instituto de Ciências da Terra da Universidade Técnica (TU), em Berlim, está estudando técnicas apropriadas de armazenamento, incluindo o armazenamento tradicional de gás natural. E, ao contrário do gás natural, o dióxido de carbono não é inflamável nem explosivo e pode ser transportado com segurança usando oleodutos ou caminhões tanque. Quando armazenado a grande profundidade - optimamente entre os medidores 700 e 1200 - o gás torna-se líquido e nas estruturas geológicas apropriadas, não escapa.
Rochas porosas, idealmente arenito ou calcário, são as mais adequadas para armazenamento geológico. Cavidades de gás ou óleo antigas são outra opção para armazenar CO2 na rocha.
O descarte no mar, que é o único local de armazenamento natural da CO2, ainda é negado hoje devido a restrições ambientais.
A equipe do Dr. Dominik analisa as propriedades das rochas no laboratório e
simula as interações com a fase líquida. A geometria das estruturas
de rochas adequadas é reconstruída com base em dados sísmicos, e
representações em 3-D são criadas com a ajuda dos matemáticos do
TU para simular e visualizar os processos de fluxo.

Contatos:
- Prof. Dr. Wilhelm Dominik - Fakultat VI Bauingenieurwesen e Angewandte
Geowissenschaften - tel: + 49 (0) 30 314 25903 - E-mail:
wilhelm.dominik@tu-berlin.de -
http://www.tu-berlin.de/presse/pi/2004/pi269.htm
Fontes: Depeche IDW, comunicado de imprensa da Berlin TU, 25 / 10 / 2004
Editor: Nicolas Condette, nicolas.condette@diplomatie.gouv.fr

comentários do Facebook

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *