Biogás de vinho da Alsácia

Uma usina de biogás para os vinhedos da Alsácia?

Com suas toneladas de esgoto 30 000 40 000, a vinha poderia considerar a construção de uma usina de biogás. Mas a viticultura mediu as questões e os desafios energéticos?

Em junho do 2004, era possível aprender em Viti-Alsácia e no leste agrícola e vitícola que o petróleo seria caro. Em seguida, levamos os dados de Jean Laherrère, geofísico, que havíamos convidado com a ajuda do Crédit Mutuel para a Câmara de Agricultura do Baixo Reno. Na época, o preço do barril ainda não havia atingido os dólares da 50. Desde então, as coisas mudaram, a situação econômica das vinhas do mundo tornou-se tensa, até se fala em arrancar na Austrália, um país que pretendia ser o primeiro produtor mundial da 2015. Na Alsácia, a vinha teve que sacrificar os rendimentos e os preços de venda de garrafas e vinhos a granel. A margem de lucro foi consideravelmente reduzida, principalmente porque, ao mesmo tempo, as despesas estão aumentando. Hoje devemos pensar em reduzir os custos de produção.

Foi durante os anos 2000, quando a viticultura ainda tinha meios para investir, que a questão dos custos da energia deveria ter sido tida em conta. Parece que hoje esta questão ainda não figura como uma prioridade política na vinha. No entanto, alguns viticultores pioneiros ficaram preocupados. Alguns movidos a óleo vegetal - Jean-Marie e Jean-Paul Zusslin em Orchwihr -, produzem sua eletricidade por painéis fotovoltaicos e biogás - André Durrmann em Andlau -, isolam suas adegas do frio e principalmente do calor com enchimento de celulose - Benoît Frey em Bleinschwiller-, e desenvolver as práticas de técnicas de cultivo simplificadas que deveriam consumir menos combustível - Hubert Hausherr em Eguisheim e Patrick Meyer em Nothalten. Alguns finalmente exploram os galhos para fazer um material combustível - Xavier-Léon Muller em Marlenheim, Pierre Beinert em Bourgheim, Vincent Spannagel em Katzenthal - para citar alguns. Resta valorizar o bagaço como energia numa altura em que a União Europeia pensa em eliminar as ajudas à destilação. O bagaço também pode constituir um formidável recurso energético na cogeração elétrica para a vinha.

Leia também:  piloto Fischer Tropsch na França

O petróleo é caro, mas a eletricidade também será cara. E ainda mais, à medida que as necessidades de eletricidade dos vinicultores aumentam para condicionar as adegas e fermentações termorreguladas, o que é um pré-requisito para a qualidade aromática dos vinhos. E este não é o calor deste verão negará o aquecimento global. No momento da colheita, ele ainda poderá agir.

A França concentrou-se no "quase todo nuclear" adiando para as gerações futuras o custo do reprocessamento e desmantelamento de reatores obsoletos e, principalmente, distorcendo os números de rentabilidade da produção de eletricidade. Embora uma usina nuclear fora de serviço continue sendo um fardo para a empresa, uma usina de biogás ou uma turbina eólica não é mais. Um artigo publicado recentemente no jornal "The World" abordou esta questão. Na Grã-Bretanha, onde a energia nuclear representa apenas 15 30%, o custo do desmantelamento e reprocessamento é estimado em mais de bilhões de euros, disse o jornal.

Na França, onde a energia nuclear representa mais de 70% da produção, como podemos explicar que evocamos apenas algumas dezenas de bilhões de euros em custos relacionados ao desmantelamento dos antigos reatores e ao reprocessamento desses resíduos? , dinheiro que de outra forma deveria ter sido provisionado por décadas, o que denuncia a Cour des Comptes sobre os choques financeiros da principal operadora de eletricidade francesa na América do Sul.
A questão não é tanto nuclear quanto a das condições de sua transparência financeira em particular.

Leia também:  Norma ISO 13065 para bioenergia

E há muitos que, como na agricultura e na viticultura, estão se perguntando o que deveríamos ter feito e o que não fizemos em relação à construção das usinas de biogás, com o argumento de que elas seriam menos rentável que a eletricidade nuclear. A expansão dos custos ao longo dos anos da 300, conforme previsto na alta política, não convence as empresas "eletrodependentes" que ameaçam se mudar. Se uma fábrica de alumínio ou uma fábrica de tijolos puder se mudar, a viticultura só poderá sofrer a menos que decida produzir sua própria eletricidade. Isso seria possível se as condições para o livre acesso à produção de eletricidade fossem atendidas e a preservação de interesses especiais não fosse orquestrada.
Um cálculo breve e aproximado estima que o 40 000 toneladas de quantidade de bagaço e efluente produzido por hectares de vinha 15 000, o que daria a 20 milhões de metano m3 ou 30 milhões de kWh / ano, equivalente a metade do potencial produção de estações de tratamento de águas residuais na Alsácia, o dobro do potencial das fazendas de suínos e representando 20% do potencial das fazendas de gado.

Avaliados em eletricidade, os bagaços da vinha poderiam representar um faturamento de 3 M € (milhões de euros) se a tarifa de alimentação da eletricidade fosse de centavos 10. Lembre-se de que varia de 15 a 17 centavos / kWh em Baden-Württemberg, um país onde as usinas de biogás 500 estão em operação. Se a eletricidade fosse vendida na Alemanha, as marcas trariam, portanto, mais de 4 M €. A mesma quantidade de conhaque, a 3% de álcool em potencial, valorizada como álcool de destilaria representa 2,8 milhões de euros de volume de negócios se tudo fosse comercializado na Onivins, levando em conta a ajuda européia (187 € / hl), e volume de negócios da 1,2 € no mercado de álcool (84 € / hl).

Leia também:  Carta aos deputados sobre E85 e Total

A transformação em eletricidade dos efluentes da produção de vinho seria ainda mais um bom projeto industrial para a vinha que poderia ajudar a descarregar as plantas de purificação cujo lodo também poderia ser fermentado. Note-se que muitos agricultores querem tirar proveito da necessidade de melhorar suas instalações de coleta de efluentes para construir usinas de biogás. Eles esperam que as promessas do estado sejam feitas sobre a tarifa de alimentação e cumpram as diretrizes européias.
Enquanto isso, o metano, 21 vezes mais impactante no efeito estufa do que o CO2, continua a escapar dos poços de esterco. Da mesma forma, os vinhedos e seus fabricantes de destilarias, considerando também a modernização de suas instalações, poderiam aproveitar esta oportunidade para construir uma usina de biogás.

David Lefebvre

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *