Sylvain David: Quais fontes de energia daqui em 2050?

A produção mundial de energia atinge 10 bilhões de toneladas de equivalente de petróleo (dedo do pé) a cada ano. É fornecido principalmente por petróleo, gás e carvão, de maneira muito desigual no nível do planeta. Se os países ricos desperdiçam, muitos países em desenvolvimento e muito populosos tendem legitimamente a aumentar maciçamente seu consumo nas próximas décadas. Os cenários energéticos preveem um aumento de 50 a 300% na produção mundial de energia até 2050. Já é óbvio que esse aumento não pode ser feito no modelo atual, baseado em combustíveis fósseis , cujas reservas são limitadas e cujo uso leva a emissões massivas de CO2 responsáveis ​​por uma grande mudança climática.

Hoje, o desenvolvimento de novas fontes de energia é essencial, quaisquer que sejam os esforços que possamos fazer para controlar a demanda. Essas fontes alternativas são bem conhecidas e relativamente bem quantificadas. A energia nuclear parece ser a única fonte de larga escala rapidamente disponível, mas requer mobilização significativa de capital e aceitação do público. A energia solar é uma fonte importante, mas sua implementação permanece extremamente cara e complexa. No entanto, já é competitivo em áreas sem redes elétricas. A energia eólica representa um depósito limitado e provavelmente não excederá 10% da produção de eletricidade e sempre de forma intermitente e aleatória. A biomassa é um caminho interessante, mas difícil de desenvolver em larga escala. As outras fontes (energia geotérmica, ondas, marés, etc.) parecem incapazes de atender a uma demanda forte. O armazenamento de energia (especialmente o hidrogênio) está longe de ser dominado. Representa um grande desafio tecnológico e pode tornar as energias intermitentes mais atraentes no futuro. Finalmente, a fusão termonuclear representa uma fonte massiva, mas pode não estar disponível até o final do século.

Leia também: O patriotismo energético de George W. Bush

Se o desenvolvimento da energia nuclear em todo o mundo é sem dúvida a maneira mais rápida de combater o efeito estufa, isso nunca será suficiente. O desafio de energia e clima que enfrentamos exige a captura de CO2 emitido pelas usinas de energia usando combustíveis fósseis e o desenvolvimento sustentado de energias renováveis. As alternativas aos combustíveis fósseis têm suas próprias desvantagens, mas não é certo que ainda tenhamos uma escolha "

Ouça a conferência



Sylvain David é pesquisador do CNRS desde 1999 no Instituto de Física Nuclear de Orsay

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *