queima de ar húmido: explicações e performances

Bomba de vapor e combustão úmida: explicações e desempenho
Por Rémi Guillet.

bomba de vapor

Tendo começado no início dos anos 1970 anos de pesquisa e desenvolvimento em fornos de condensação (produtos de combustão), a fim de limitar a condensação dos gases de combustão de ar de combustível que era novo na época, gás natural, correspondentemente, aumentar a eficiência de combustão com este tipo de gerador de calor, a crise energética na sequência do choque petrolífero de 1973 teve a oportunidade de prosseguir este caminho para alargar o seu âmbito aplicação (na verdade muito pequena!).

Com efeito, a condensação eficaz da água produzida durante a combustão num gerador de calor assume que a menor temperatura do "fonte fria", ou a temperatura da água que entra existe no caso de uma caldeira, é menor do que a temperatura do ponto de orvalho dos gases de combustão produzidos (aproximadamente 60 ° C, no caso dos produtos de combustão de gás natural).

Leia também: Biocombustível: padrões de pelotas e propriedades e pelotas e agropellets

Pode ainda ser observado que o vapor de água não é pura, a condensação não é isotérmico e condensação significativa envolve uma rejeição dos produtos da combustão, pelo menos, 15 ° C abaixo da referida temperatura de ponto de orvalho: um constrangimento limitando grandemente a aplicação de condensação de campo geradores.

Então, como para ampliar o alcance do conhecimento de que a temperatura da água em um circuito de aquecimento, retornando caldeira de água quente atinge 70 ° C? pressurização dos produtos da combustão, separando o vapor de água a partir de outros gases? Muitas soluções propostas pelos engenheiros e outros acadêmicos envolvidos na investigação térmica após o choque do petróleo de 1973.

No meu caso, a solução proposta tem sido a de aumentar a tensão do vapor de água nos produtos de combustão através da fornalha, a realização de uma troca (final) de entalpia entre os gases de saída ( saturado com vapor de água no final de uma primeira sequência de condensação no forno de condensação ou mais vezes na recuperação de calor / condensador associado a um gerador tradicional) e ar de combustão, a dita central, relativa a ambas o calor sensível residual reciclado por pré-aquecimento do ar de entrada, e o calor latente de condensação residual após uma condensação final do vapor de água a partir do lado de saída do gás reciclado e por evaporação da água presente no ar de entrada assim humedecido.

De um ponto de vista quantitativo e, nesta fase final de troca, tudo acontece na bomba de vapor, como se houvesse bombear vapor de água contido no gás de saída de recuperação / condensador a reciclagem deste vapor no ar de entrada.

Leia também: Download: 2003 / 96 Diretiva Européia sobre Impostos sobre Combustível, Combustível e Eletricidade

Correspondentemente, no final desta permuta, o calor sensível e latente libertado para a chaminé tornando-se quase zero, a eficiência de combustão atinge o seu máximo ou 100% (com base no valor calorífico bruto do combustível)

Seguindo o documento

mais: A "combustão úmida", explicada por R. Guillet no forums

Baixar o arquivo (a subscrição da newsletter pode ser exigido): queima de ar húmido: explicações e performances

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *