Total para compensar seus acusadores

O grupo petrolífero Total assinou, terça-feira, 29 de novembro, uma transação amigável com os oito birmaneses que estavam na origem da investigação aberta, em 9 de outubro de 2002, contra ele no tribunal de Nanterre (Hauts-de-Seine) pelo crime de "confinamento forçado". Os queixosos acusaram a companhia francesa de petróleo de ter que trabalhar para ela, forçada e forçada pelo exército birmanês. Nos termos do contrato, obtido simplesmente pela união das partes, a Total se compromete a pagar uma compensação de 10 euros por reclamante contra a retirada da reclamação.

Leia também: Artigo motor de Pantone em Ciência e Vida, o nosso direito de resposta

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *