Transporte público versus carona ...

Dez governantas organizaram sua carpooling para trabalhar no Luxemburgo. A empresa de ônibus atribui a "concorrência desleal".

Ou seja, dez empregadas domésticas que organizam um sistema de car-pooling para viajar cinco dias por semana da sua casa em Mosela, ao seu local de trabalho, aos edifícios que albergam as instituições europeias no Luxemburgo. Ou uma empresa de transporte público francesa que opera uma linha na mesma rota. Se o mundo girasse, veríamos dois exemplos relevantes de luta contra a saturação do eixo rodoviário Metz-Luxemburgo. Poderíamos até aplaudir as iniciativas mínimas, mas salutares, na luta contra o efeito estufa (194 microgramas de ozônio por m3 de ar medidos em Thionville em 28 de junho e 195 cinco dias antes; o limite de informação da população é definido em 180 microgramas / m3). Mas o mundo não está girando à direita.

A prova? A empresa de transporte acusa dez damas de "concorrência desleal" e atribui-los ao Tribunal Superior (TGI) de Briey (Meurthe-et-Moselle).

Leia também:  A seita da econologia em Degrowth

Leia mais

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *