UFC quer tributar lucros extraordinários da Total

O UFC-Que Choisir convoca os parlamentares a votarem pela criação de um imposto excepcional de 5 bilhões de euros sobre os lucros do grupo petrolífero Total.

O grupo Total alcançará este ano mais de 13 bilhões de euros em receita líquida contra uma média anual de 5 a 6 bilhões. A constituição destes lucros excepcionais advém de um modelo económico, para dizer o mínimo, único: os grupos petrolíferos alinham as suas margens a montante e a jusante ao nível do preço do barril. Consequentemente, o aumento repentino do petróleo leva automaticamente a uma explosão nos lucros dos grupos petrolíferos.

O UFC-Que Choisir calculou que, relativamente a uma rentabilidade normal de 15%, os lucros excedentes da Total atingiram 4 mil milhões de euros em 2004 e 7 mil milhões em 2005. Verifica-se também que o capital utilizado para a actividade da Total diminuíram ligeiramente nos últimos dois anos, o que reforça a natureza artificial desses lucros excedentes. A falta de concorrência no setor permite, portanto, ao grupo petrolífero construir uma renda histórica em detrimento do poder de compra dos consumidores.

Leia também:  O carro está indo tão rápido quanto você pensa?

O Coro do UFC-Que pede que, por ocasião da próxima lei de finanças corretivas, os parlamentares sigam o exemplo da Grã-Bretanha, que acaba de dobrar a tributação dos lucros do petróleo do Mar do Norte. O Ministro das Finanças britânico justificou de forma muito simples esta medida estimando "que o equilíbrio deve ser reequilibrado entre os consumidores que pagam pela gasolina ou aquecimento e os produtores [de petróleo]". Essa taxa também incentivará os grupos petrolíferos a revisar em baixa sua política de preços, calculando seus lucros em bases racionais e objetivas, como produtividade e nível de investimento.

O Coro UFC-Que está propondo duas medidas para garantir que esse imposto excepcional seja redistribuído em benefício dos consumidores e a promoção do desenvolvimento sustentável:

- uma medida estrutural para reduzir a dependência do petróleo: 3,7 bilhões de euros devem ser dedicados ao investimento na rede de transporte público local, que poderá então crescer 25% ao ano durante cinco anos. O objetivo desta medida é aumentar a frequência dos serviços e a densidade da rede, de forma a que o tempo de viagem do transporte público deixe de ser sistematicamente superior ao da viagem de automóvel.

- uma medida de poder de compra: concessão de um mês de transporte público local gratuito em toda a França para amortecer o impacto do aumento da gasolina suportada pelos consumidores em 2005.

Leia também:  Uma rede da Internet para o meio ambiente

Fonte: Escolha

Nota de Rulian: o UFC tem de tudo: taxando os “lucros extras” do petróleo e reinvestindo tudo no transporte público. Bem feito.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *