Novo estudo confirma preocupante aquecimento global

Um novo estudo, conduzido pelo Dr. David Parker no "Centro Hadley de Previsão e Pesquisa Climática", opõe-se a teorias que negam o fenômeno do aquecimento global. Os céticos se apóiam na teoria da ilha de calor urbana, sustentando que a maioria das pesquisas climáticas são realizadas perto das cidades, produzindo seu próprio calor. Para eles, o aquecimento global registrado nos últimos anos seria, portanto, apenas um reflexo da urbanização.

No entanto, o estudo patrocinado pelo centro meteorológico britânico (Met Office) e publicado na Nature, parece invalidar a teoria da ilha térmica urbana. O Dr. David Parker usou dados climáticos nos últimos cinquenta anos para criar dois gráficos: um representando as temperaturas das noites calmas e o outro das noites ventosas. Segundo ele, admitir a validade da teoria das ilhas de calor equivale a encontrar traços de temperatura significativamente mais altos nas noites calmas do que nas noites de vento, uma vez que o vento sopra o excesso de calor das cidades. No entanto, as curvas são idênticas e mostram um aumento médio nas temperaturas noturnas de 0,19.C por década entre 1950 e 2000. Parker acrescenta que o aquecimento dos oceanos é outra testemunha do aquecimento global do planeta.

Leia também: 10 anos para salvar o clima?

Especialistas eminentes como Myles Allen, membro do Departamento de Física Atmosférica da Universidade de Oxford, dizem estar convencidos pelo argumento do Met Office. O americano Fred Singer, presidente do Projeto de Ciência e Política Ambiental da Virgínia, é um dos líderes do movimento cético e se defende dizendo que apenas leituras indiretas de temperatura devem ser usadas para analisar as tendências climáticas atuais. Por leituras indiretas de temperatura, entendemos o estudo de anéis de madeira, estalactites, fósseis, sedimentos oceânicos etc. Ele acusa os defensores da teoria do aquecimento global de serem seletivos no uso de dados climáticos para mostrar uma tendência preocupante nas variações de temperatura

Fonte: Press release, BBC News, 18/11/04 Rede de Notícias do Governo

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *