ligeiros

O desenvolvimento de veículos comerciais ligeiros coloca problemas de tráfego e da poluição, Le Monde, 17 / 01 / 05 Dominique Buffier

O veículo comercial leve (LCV) está experimentando um forte crescimento em grandes áreas urbanas. Na França, em quatro anos, a frota de LCVs cresceu 1,1% ao ano, a exemplo dos automóveis de passageiros. Ao mesmo tempo, o dos camiões praticamente estagnou, sublinha um estudo de Outubro de 2004 do Instituto de Planeamento e Urbanismo da região de Ile-de-France (Iaurif). Em 1o de janeiro de 2003, Ile-de-France tinha 801 LCVs com menos de 600 anos, ou 15% do parque nacional.
Seu tamanho e peso, menos de toneladas 3,5, fazer um veículo mais procurado para o transporte de mercadorias. problemas de tráfego nos centros das cidades explicar, em parte, seu sucesso crescente: ela toma o lugar dos camiões, cada vez mais excluídos do tecido urbano denso.
Em Paris, os veículos pesados ​​de mercadorias com uma área útil entre 16 e 24 m2 estão sujeitos a autorização de tráfego. Além desta referência, todos os caminhões são proibidos, exceto os cadastrados em lista específica: moinhos de farinha, tanques, caminhões frigoríficos, transportadores de automóveis, caminhões em movimento, caminhões de construção rodoviária e, por fim, os caminhões que abastecem mercados descobertos.

 

entrega em domicílio

 
As dimensões dos veículos autorizados a circular atendem às características das demandas dos moradores das cidades. Na capital, quase 80% dos pedidos para pessoas físicas são menores que 150 quilos. Já o setor de entrega ao domicílio (LAD) aguarda regulamentação do poder público sobre o compartilhamento da via para o exercício de sua atividade. Uma pesquisa de julho de 2004 mostrou, de fato, que em Ile-de-France apenas 21% dos LCVs estavam estacionados em uma área autorizada; 23% pararam em estacionamentos proibidos, 32% em filas duplas e 3% nas faixas de ônibus.
O uso de LCVs pode parecer mais racional no espaço urbano, mas também tem o efeito de aumentar o tráfego. O levantamento Iaurif refere-se a outro estudo, realizado pela Agência de Gestão de Meio Ambiente e Energia (Ademe), de 1997, que demonstrou os efeitos negativos para o meio ambiente desse empreendimento. . O Ademe mostrou que doze vans de 500 kg, fazendo entregas em doze lojas localizadas a 10 km do centro de distribuição, emitiram mais gases de escape e produziram mais ruído do que um único caminhão de 6 toneladas fazendo o mesmo trajeto .
Outro problema colocado ao poder público: o estado da frota de veículos das empresas de transporte. Até agora, com uma perspectiva estrita de eficiência de transporte, as empresas usaram os veículos mais antigos para áreas construídas.
Em seu plano de circulação de mercadorias, a cidade de Paris excluirá de seu perímetro os veículos mais obsoletos, mas também os mais poluentes. A implementação deste programa deve começar dentro de dois anos e estender-se ao longo de vários anos.

 

 

Leia também:  O híbrido de GLP elétrico

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *