Rumo a uma tecnologia para reduzir o custo da energia fotovoltaica

Realizado no âmbito do IRDEP, Instituto de P&D em energia fotovoltaica, o projeto CISEL, que reúne EDF, CNRS e ENSCP, Escola Nacional de Química de Paris, visa desenvolver uma tecnologia de módulos fotovoltaicos para custo / desempenho a € 1 por watt de pico.

Enquanto 99% do mercado fotovoltaico é ocupado por sistemas baseados em silício (cristalino ou amorfo), o projeto CISEL está apostando em um processo que permite depositar o material ativo à base de CIS (cobre, índio, selênio). isto é, o absorvedor que converte luz em eletricidade diretamente sobre um substrato de vidro que associa um contato metálico, molibdênio, sulfeto de cádmio e óxido de zinco. De fato, as chamadas tecnologias de "película fina" existem há vários anos e, mesmo que sejam menos eficientes em termos de rendimento fotovoltaico, o ganho de matéria-prima da ordem de 2 mícrons metros em vez de 200 a 100 µm constitui um ativo. No entanto, utilizam métodos de fabricação dos chamados painéis de "vácuo" do tipo de co-evaporação ou pulverização, que provam ser relativamente caros e que, em última análise, não criam a ruptura econômica em comparação aos sistemas baseados em silício.

Leia também: Por que isso não dá errado?


Leia mais

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *