A Caisse des Dépôts et Consignations, a Euronext e a Powernext preparam uma permuta europeia de licenças de emissão CO2

A Diretiva Comunitária 2003/87 / CE confirma a vontade europeia de lutar contra as alterações climáticas através do estabelecimento de um sistema de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na União Europeia. A eficácia do regime de negociação de licenças será verificada à luz da qualidade do “sinal de preço” emitido pelo mercado, com base nas operações que aí se realizarem e se registarem. A comparação das ofertas e demandas em um único local garantirá a maior liquidez desse mercado.

É neste contexto que a Caisse des Dépôts et Consignations, a Euronext e a Powernext desejam juntar-se aos seus conhecimentos para criar um mercado organizado em numerário de licenças ou licenças de emissão de CO2 com base em quatro princípios:

 • garantia de conclusão bem-sucedida de transações com base em um mecanismo harmonizado e seguro de liquidação de entregas, aniquilando padrões e falhas na entrega de cotas de CO2,

Leia também:  O impacto das chuvas afetaria as placas tectônicas

• transparência dos preços e seu método de fixação

• acesso não discriminatório e anonimato das partes interessadas

• a simplicidade de um sistema integrado de negociação para entrega, aberto a todos os participantes com uma conta em um dos 25 registros de emissão de CO2 na Europa.

Em 14 de dezembro de 2004, a Caisse des Dépôts et Consignations, a Euronext e a Powernext assinaram uma carta de intenções que estabelece as bases para esta colaboração. O lançamento deste contrato - cujos termos estão em fase de finalização - está previsto para março de 2005.

Nota da Econologia: se a ideia é um avanço interessante, porque torna as empresas “poluidoras” um pouco mais responsáveis, seria mais do que desejável que parte dessas trocas beneficiassem a P&D de soluções reais via um imposto, por exemplo. Mas é muito provável que este sistema enriqueça apenas os transatores, banqueiros e outros "eco" goldenboys ... Em total detrimento dos avanços ambientais!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *